31 maio 2008

Até a próxima segunda-feira

Desde quinta-feira última deixamos aqui, sem a concorrência de outras notas, a transcrição do artigo abaixo, Quando 29 de junho vier (que repetimos na coluna semanal no portal Vermelho). De propósito. Para assegurar a atenção de vocês.

Também seguiu por e-mail o documento Uma nova agenda para o Recife, apontamentos iniciais para uma plataforma de nossa candidatura no Recife. Muitos têm registrado o recebimento e arriscado uma breve opinião.

É que junho é o mês de a onça beber água. Decisivo. E é necessário compartilhar o mais amplamente possível os passos que desejamos dar até a Convenção do PCdoB, que acontecerá dia 29.

Segunda-feira, dia 2, estaremos de volta.

28 maio 2008

A Convenção decidirá

Artigo de toda quarta-feira no Blog de Jamildo
(Jornal do Commercio Online)
Quando 29 de junho vier
Luciano Siqueira

Em sua coluna Pinga-Fogo no Jornal do Commercio, anteontem, Inaldo Sampaio foi irônico: “Luciano Siqueira vai ter que andar com um cartaz colado nos peitos: “Sou Candidato”. Pois, onde chega, ouve sempre a mesma pergunta: vai desistir?”

Já Marisa Gibson em sua coluna no Diário de Pernambuco, no mesmo dia, anotou: “Luciano Siqueira, do PCdoB, já está cansado de repetir que não vai retirar a sua candidatura a Prefeito do Recife. Mas, ancorados na sabedoria popular - água mole em pedra dura, tanto bate até que fura - os governistas vão insistir até a última hora, para tirá-lo da sucessão municipal.”

Essa é a questão que há cerca de cinco meses, desde que o processo pré-eleitoral ganhou corpo, temos que responder diariamente aos repórteres e às inúmeras pessoas que nos abordam em toda parte.

Quais as razões para tanta dúvida? São várias. Uma é o ambiente assimétrico que se formou no campo das forças governistas, com enorme concentração de partidos em torno da candidatura do PT, configurando nosso “isolamento”. Outra, a expectativa de que o PCdoB preserve a sua melhor tradição de contribuir sempre para a unidade dos partidos comprometidos com o povo. Quem sabe também o fato de que o prefeito João Paulo e o governador Eduardo Campos, com os quais mantemos excelente relacionamento, estejam no mesmo palanque. E ainda pela evidência de que, formadas as coligações partidárias, nossa candidatura tenha que iniciar a batalha em inferioridade.

Temos acentuado, entretanto, que o “isolamento” de nossa candidatura é apenas formal (não há outras siglas coligadas com o PCdoB), vez que contamos com a solidariedade e o apoio de amplo e variado espectro social e político e o estímulo de integrantes de quase todos os partidos aliados.

Também sustentamos que a candidatura do PCdoB não divide, antes é uma necessidade para o conjunto das forças governistas que enfrentarão, em luta renhida, uma gama de candidatos de oposição, sinalizando um provável segundo turno. Mais ainda que a manutenção, até hoje, de nossa candidatura jamais afetou o ótimo entrosamento político e pessoal do prefeito e com o vice-prefeito, assim como as relações com o governador, nem alterou a convivência harmônica entre o PT e o PCdoB na Prefeitura.

Quanto a lutar inicialmente em condições de inferioridade, faz parte da vida. Limitações existem para ser superadas – no caso, através de uma campanha colada no povo, assentada em propostas consistentes e viáveis; e feita com entusiasmo, humor, emoção e poesia.

Isto posto, e sem arrogância nem intransigência, nossa candidatura está literalmente nas mãos da militância e do amplo leque de amigos e combatentes que exprimem, com generosidade e afeto, o desejo de que permaneçamos na peleja – com os quais estamos debatendo o cenário político desenhado e as idéias centrais de nossa plataforma de campanha, como forma de preparar a Convenção marcada para o domingo 29 de junho.

Então, para evitar a chatice da incômoda pergunta, aqui vai a resposta antecipada: quando 29 de junho vier, teremos o assunto definitivamente resolvido.

Final melancólico?

A mídia faz o maior exagero acerca do fim da CPI dos Cartões Corporativos. Melancólico fim, dizem, queixando-se de que os deputados não conseguiram mais do que já consta na Internet sobre o uso dos tais cartões.

Na verdade o que a oposição pretendia, com largo apóio de mídia, era exatamente fazer do tema fator de desestabilização do governo. Ou seja, tirar leite de pedra.

Boa tarde, Cora Coralina

O Passado...

Homens sem pressa,
talvez cansados,
descem com leva madeirões pesados,
lavrados por escravos em rudes simetrias,
do tempo das acutas.
Inclemência.
Caem pedaços na calçada.
Passantes cautelosos
desviam-se com prudência.
Que importa a eles o sobrado?
Gente que passa indiferente,
olha de longe,
na dobra das esquinas,
as traves que despencam.
-Que vale para eles o sobrado?
Quem vê nas velhas sacadas
de ferro forjado
as sombras debruçadas?
Quem é que está ouvindo
o clamor, o adeus, o chamado?...
Que importa a marca dos retratos na parede?
Que importam as salas destelhadas,
e o pudor das alcovas devassadas...
Que importam?
E vão fugindo do sobrado,
aos poucos,
os quadros do Passado.

História: 28 de maio de 1823

Na Amazônia sob domínio português mesmo após o Ipiranga, o partido brasileiro de Muaná (Marajó) proclama a independência do Brasil e toma em armas. Os colonialistas esmagam o movimento. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

27 maio 2008

Nosso quinhão

Bom para Pernambuco, que terá o seu quinhão. A Petrobras investirá US$ 5 bilhões em seu plano de modernização, que prevê a construção de 146 navios no Rio, Bahia e Pernambuco. Cada embarcação gera cerca de 500 empregos. A empresa comemorou ontem a descoberta de nova reserva de petróleo no Golfo do México, onde tem participação de 25%.

A Amazônia é nossa

"O mundo precisa entender que a Amazônia brasileira tem dono e que o dono da Amazônia é o povo brasileiro, são os índios, os seringueiros, os pescadores, somos nós, que somos brasileiros, e que temos consciência de que é preciso diminuir o desmatamento, é preciso diminuir as queimadas".

A afirmação é do presidente Lula no 20º Fórum do Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), no Rio de Janeiro.

O presidente responde, assim, a insinuações publicadas na imprensa internacional de que a Amazônia deveria ser internacionalizada.

Lula age como presidente de uma nação soberana, que procura se inserir n o concerto internacional mediante postura altiva.

Leia no Vermelho o pronunciamento do presidente http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=37715

26 maio 2008

História: 26 de maio de 1992

O Congresso, sob forte pressão popular, instaura a CPI para apurar as denúncias de Pedro Collor sobre o esquema PC Faria/Fernando Collor de Mello. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

PT libera alianças

A Folha Online informa que a Executiva Nacional do PT aprovou nesta segunda-feira que o partido se alie ao PSDB, PPS e DEM em 12 municípios em todo país. A decisão foi tomada no mesmo dia em que o comando petista ratificou o veto à parceria do PT com PSB e PSDB em Belo Horizonte (MG). A justificativa de integrantes da legenda é que a disputa eleitoral em BH tem reflexos nas eleições presidenciais de 2010.

Sinal de alerta

Em reunião da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje que a economia brasileira passa por um período de desaceleração neste início de ano. Seria, segundo ele, um “ajuste”, após um forte crescimento registrado no ano passado. Assim mesmo há condições de manter um crescimento ao redor de 5%.

Preço dos alimentos

. Está certo o presidente Lula ao afirmar, em evento no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), no Rio, que os subsídios dados à produção agrícola nos EUA e Europa estimulam a inflação dos alimentos, cujos preços estão em alta no mundo.
. Para ele não faz sentido que os países continuem adotando restrições à importação produtos na agricultura, o que ocorre contra países essencialmente produtores, como o Brasil.
. Por essa e por muitas outras é o que o Brasil, com Lula, se faz respeitar no concerto das nações.

25 maio 2008

Valorização do trabalho

No Vermelho:
Trabalho formal explode no Brasil, diz instituto
Uma análise do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) mostra que o emprego formal, com carteira assinada, no Brasil cresce a taxas expressivas. Julio Gomes de Almeida, consultor do Iedi, disse em entrevista a Paulo Henrique Amorim na última sexta-feira (23) que o crescimento do emprego é fruto do crescimento econômico.
Leia a matéria http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=37655

Bom dia, Carlos Drummond de Andrade


A ingaia ciência

A madureza, essa terrível prenda
que alguém nos dá, raptando-nos, com ela,
todo sabor gratuito de oferenda
sob a glacialidade de uma estrela,

a madureza vê, posto que a venda
interrompa a surpresa da janela,
o círculo vazio, onde se estenda,
e que o mundo converte numa cela.

A madureza sabe o preço exato
dos amores, dos ócios, dos quebrantos,
e nada pode contra sua ciência

e nem contra si mesma. O agudo olfato,
o agudo olhar, a mão, livre de encantos,
se destroem no sonho da existência.

Jovens sem lugar ao sol

. A revista Carta Capital noticia que no dia 20 de maio foi divulgada uma pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) de 2006 que trata da situação dos jovens na sociedade. O trabalho Juventude e Políticas sociais no Brasil, organizado por José Abrahão e Luseni Aquino, constata que no Brasil, de cada dois desempregados, um deles está na faixa dos 15 a 24 anos. . O relatório Tendências Mundiais do Emprego Juvenil da OIT (Organização Internacional do Trabalho) indica que o desemprego mundial em 2006 atingiu o recorde de 200 milhões de pessoas, e que entre elas, quase a metade são jovens. . Segundo os técnicos do Instituto, o desemprego entre os jovens é maior devido à pouca experiência e ao baixo custo de demissão para as empresas. Esse número é 3,5 vezes maior que entre os adultos e vem crescendo desde 1990.
. Leia a matéria: http://www.cartacapital.com.br/app/materia.jsp?a=2&a2=7&i=1019

Quem lucra com a burocracia?

. O Globo informa em reportagem que um levantamento inédito do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) jogou luz sobre a milionária indústria da burocracia no país.
. Somente em 2006, os cartórios brasileiros faturaram R$ 4 bilhões, oferecendo serviços que vão das certidões de nascimento a procurações e o reconhecimento de firmas. Dos 13.595 cartórios, 11.639 enviaram dados: o mais rentável do Brasil, no Estado do Rio, faturou R$ 28,3 milhões naquele ano.
. Apesar de sua função social, esses estabelecimentos, em sua maioria, são regidos pela lógica do lucro, informam Chico Otavio, Carolina Brígido e Isabel Braga. Os que mais arrecadam, como os de registro de imóveis, são alvo de disputas judiciais, enquanto os que emitem certidões gratuitas estão jogados no limbo e correm até o risco de fechar.

História: 25 de maio de 1940

A volante de José Rufino, BA, tocaia e mata o último cangaceiro, Corisco, o Diabo Louro, vingador de Lampião. Sua companheira Dadá é ferida, presa, perde uma perna, mas vive e participa das lutas populares até os anos 80. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

"Efeito colateral"?

Na Folha de S.Paulo:
Seguro-desemprego cresce e governo estuda restrições
. O seguro-desemprego no Brasil se expande em ritmo acima do previsto e caminha para se tornar o segundo maior programa social da União, atrás apenas da Previdência. O governo recalculou de R$ 13,8 bilhões para R$ 15 bilhões os gastos previstos para ele neste ano.
. O motivo principal da alta das despesas é o surpreendente aumento do total de requerentes atendidos, que em 2007 passou de estimados 5,9 milhões para 6,4 milhões. Em documentos oficiais, o fenômeno é justificado pela maior formalização da mão-de-obra nacional.
. O número de empregos formais saltou de 22,3 milhões em 2002 para 29,1 milhões no final do ano passado. O seguro-desemprego só atende a trabalhadores com carteira assinada e demitidos sem justa causa: sua expansão é um efeito colateral do crescimento econômico.
. A escalada dos gastos já inspira estudos para restringir o benefício. Uma das idéias em discussão no Ministério do Trabalho é elevar de seis meses para um ano o prazo de trabalho obrigatório, com registro em carteira, exigido para o pedido do seguro-desemprego.

24 maio 2008

Paraíso das multinacionais

. Informa a Gazeta Mercantil que pressionado pelo aumento das remessas de lucros e dividendos e pelas importações, o fluxo cambial caminha para uma forte queda neste ano em relação a 2007. No acumulado de 2008 até 16 de maio, a diferença entre a entrada e a saída de dólares está positiva em US$ 17,226 bilhões, uma queda de 45% sobre igual período de 2007. E no acumulado do ano até março, as empresas enviaram ao exterior US$ 8,662 bilhões, quantia 120% superior ao registrado em igual período de 2007.
. "Com o dólar baixo, as empresas são estimuladas a comprar moeda e remeter lucros e dividendos ao exterior", diz Sidnei Nehme, sócio-diretor da corretora NGO.
. O crescimento forte das importações, de 38% no ano até metade de maio, para US$ 47,93 bilhões, também ajuda a derrubar o ingresso líquido de dólares. Mesmo que o grau de investimento dado ao Brasil pela Standard & Poor's atraia recursos para o País, dificilmente 2008 será tão bom quanto os anos anteriores. No ano passado o fluxo foi positivo em US$ 87 bilhões, um avanço de 135% sobre 2006. "Este crescimento tão forte não deve se repetir", diz Nehme.
*
O controle do fluxo de capitais é um dever do qual o governo Lula não pode continuar a se eximir indefinidamente. Para que deixemos de cumprir o papel de cassino onde as multinacionais transacionam lucros financeiros num piscar de olhos.

Fundo viável

No Vermelho:
Mantega defende fundo soberano e rebate mídia "improcedente"
. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, destacou nesta sexta-feira (23) - em entrevista coletiva à imprensa convocada com o objetivo de esclarecer reportagens que informavam sobre o adiamento do Fundo Soberano do Brasil (FSB) - que o fundo será sim criado e em sintonia com o Banco Central. "O fundo vai permitir uma ação mais forte na área cambial, em sintonia com o Banco Central. É como se fizéssemos reservas acima do nível atual", disse ele.
. Mantega voltou a garantir que as atuais reservas internacionais continuarão sendo administradas pelo BC. Também destacou que a criação do fundo soberano tem a aprovação do Banco Central.
. Para Mantega, o Brasil está habilitado a criar um fundo soberano porque acumulou reservas de US$ 200 bilhões e porque tem um fluxo financeiro de moeda externa elevado. "Então, estamos plenamente habilitados para ter este fundo soberano", ressaltou o ministro.

Morre uma estrela

Ciência Hoje On-line:
Astrônomos fazem registro inédito dos instantes iniciais de explosão de supernova
. Os instantes iniciais de uma supernova, evento cósmico que surge com a explosão de uma estrela massiva e dá origem a novos objetos celestes, começam a ser desvendados pelos astrônomos. Uma equipe internacional de pesquisadores fez o registro inédito da explosão de raios-X extremamente luminosos que marca o início desse fenômeno raro.
. Uma supernova ocorre quando o núcleo de uma estrela massiva (com mais de oito vezes a massa do Sol) fica sem combustível e entra em colapso. Nesse processo, ele emite uma poderosa onda de choque que produz uma curta e brilhante explosão de raios-X ao alcançar a superfície estelar. Essa explosão é o primeiro passo para a expulsão da maior parte da matéria que compunha a estrela para o espaço. O evento pode culminar com a formação de dois tipos de objetos: um buraco negro ou uma estrela de nêutrons, corpo celeste ultradenso e mais brilhante do que bilhões de estrelas juntas.
. Esse modelo de colapso do núcleo para explicar a formação de uma supernova é aceito há muitos anos, mas os detalhes da explosão ainda não eram conhecidos. Algumas teorias sustentavam que a expansão da onda de choque da supernova através da superfície estelar seria acompanhada por explosões de raios-X ou emissões de luz ultravioleta.
. No entanto, a confirmação dessa hipótese esbarrava na curta duração do fenômeno (de segundos a horas) e na falta de equipamentos sensíveis para detectar as emissões. Milhares de explosões de supernova já tinham sido observadas por astrônomos, mas nunca em um estágio tão precoce, minutos depois do colapso do núcleo da estrela mãe.
. Veja a matéria na íntegra http://cienciahoje.uol.com.br/120497

23 maio 2008

O tempero que falta

Coluna semanal no portal Vermelho
www.vermelho.org.br
O lento ritmo das reformas
Luciano Siqueira

Reformas de base já!, bradavam os brasileiros que, no início dos anos sessenta se alevantaram por mudanças estruturais destinadas a viabilizar um país soberano, democrático e socialmente justo. Além da reforma agrária, bandeira desfraldada alguns anos antes, a tributária, a educacional e já às vésperas do golpe militar que em 1964 barraria tudo, a reforma urbana.

Passadas mais de quatro décadas, o PCdoB e partidos progressistas se movimentam em torno de reformas prioritárias – política, do sistema de comunicações, educacional, tributária, urbana e agrária. Parece o início de um novo ciclo – tomara que seja.

Outro dia, a propósito da sempre emperrada reforma política, o deputado Flávio Dino (PCdoB-MA) avaliou que esta estaria em curso; lentamente, é verdade, porém viva, porque a reforma se dá através de um processo.

Tem razão o deputado comunista. Reformas de base já! era uma palavra de ordem que supunha a possibilidade, àquela época, de uma ruptura institucional de sentido progressista. Não deu. Como não dá agora. Daí termos que batalhar pelas seis reformas democráticas postas hoje na ordem dia combinando determinação com paciência – e noção de processo.

O processo de implementação das reformas tem o seu conteúdo e o seu ritmo determinados em boa medida pela correlação de forças real na sociedade, que se expressa no Senado e na Câmara (ambos atualmente de maioria conservadora) e pelo ímpeto com que sejam defendidas pela parte mais interessada, o povo.

Reformas só andam se tiver povo na jogada. Com a reforma agrária tem sido assim: sinuosa, atrasada no tempo, sujeita a idas e vindas. A tributária tem caminhado a base de maquiagens sofríveis. E a urbana – tão necessária e urgente quanto as demais – se encontra bloqueada, a despeito do enorme avanço conceitual alcançado desde os anos oitenta e materializado numa política nacional de desenvolvimento urbano cujos princípios e diretrizes foram definidos na Primeira Conferência Nacional das Cidades, articulada pelo Ministério correspondente, criado no governo Lula. Há, inclusive, um instrumental jurídico que a viabiliza, com destaque para o Estatuto da Cidade (Lei federal Nº 257).

Falta à reforma urbana, como de resto às demais, uma vontade nacional a favor. Mais que isso, um clamor popular capaz de romper com as resistências políticas de toda sorte – no Parlamento e no âmbito do Poder Executivo em todas as suas instâncias. Por isso, o tema é irrecusável e deve estar presente no cotidiano dos movimentos sociais e da vida democrática do país.

Um partido vitorioso

No Vermelho, por Haroldo Lima:
O PCdoB e a breve história de uma sede
. Um edifício será, a partir desse 22 de maio de 2008, a Sede Nacional do Partido Comunista do Brasil. Depois de 86 anos de lutas valorosas, arrostando ameaças de extermínio físico, de destruição ideológica e de desorientação política, essa será a primeira sede nacional própria do partido. Grande êxito. De muito significado. Que tem sua história.
. Começa pelo registro de que só chega a 86 anos algo que tem razão de existir. Se não interpreta anseios reais e sentidos, nada consegue ficar tanto tempo de pé. Se não está sintonizado com o futuro, não cresce em meio a tantas intempéries. Por isso, a sede nacional própria ora inaugurada do PC do Brasil retrata o fascínio pela existência, a mística do papel a cumprir e a vocação por crescer desse partido.
. Sua história é a mesma da vida desse partido, longa, penosa mas fulgurante, através da qual vem conduzindo, pelas décadas afora, a rubra bandeira de um Brasil socialista, passada de geração a geração, tal qual uma tocha olímpica em arrancada triunfal, e que agora chega para reluzir ao alto do edifício que lhe dará guarida.
. Leia o artigo na íntegra http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=37560
Foto: A nova casa, em São Paulo

21 maio 2008

Artigo de toda quarta-feira no JC Online

Blog de Jamildo:
Nem lama nem sangue
Luciano Siqueira

Próximo das convenções partidárias, que acontecerão em junho, tornam-se mais nítidos os contornos da disputa eleitoral que se avizinha. Candidaturas se afirmam, celebram-se coligações. E vem à tona a dúvida sobre o caráter amistoso ou bélico do relacionamento entre os candidatos, o que motiva a idéia, por parte de alguns, de um “pacto de não agressão” – uma redundância, pois a convivência democrática por si mesma pressupõe o respeito às diferenças e a boa e salutar polêmica em torno de idéias.

Provavelmente a expectativa de que desaforos possam obscurecer o debate e que a lama e o sangue venham a contaminar a peleja se deve a uma avaliação errônea que prosperou em certos círculos, cá na província, desde a campanha de 1985, no Recife. Nela ocorreu uma sensacional inversão de intenções de votos que deu a vitória ao candidato Jarbas Vasconcelos e derrotou o deputado Sérgio Murilo Santa Cruz, que faltando cerca de vinte dias para o pleito liderava a disputa.

Vale lembrar. O deputado Sérgio Murilo era acusado, através de panfletos apócrifos, de ser o autor material de um assassinato. O comando de sua campanha resolveu esclarecer o assunto através do rádio e da TV, dando-lhe a ressonância no eleitorado que os panfletos não alcançariam, um golpe decisivo na candidatura do peemedebista.

Como é comum acontecer, políticos e marqueteiros fizeram uma leitura equivocada do episódio, concluindo que para vencer quase sempre é necessário atingir o adversário com ataques de natureza pessoal. “Precisamos de um escândalo o de uma denúncia pesada”, dizem quando em dificuldade.

Recentemente vivemos experiências emblemáticas, nesse sentido. Na campanha de 2000, no Recife e em Olinda, João Paulo e Luciana Santos foram duramente atacados (pelas campanhas de Roberto Magalhães e Jacilda Urquiza, respectivamente), embora sobre ambos nada houvesse, como não há até hoje, que pudesse suscitar dúvidas. Também na última campanha para governador Humberto Costa foi impecavelmente atacado por causa de um inquérito policial tendencioso a propósito de sua passagem pelo ministério da Saúde.

Os que agrediram perderam as eleições. Mas a tese de que a lama e o sangue são armas poderosas continua em vigor. Questão de DNA de quem assim procede.

Na campanha que se iniciará em julho temos tudo para promover um debate esclarecedor e dar o bom exemplo do respeito às diferenças, propiciando que o eleitor julgue o perfil, a história de lutas e as propostas de cada candidato e assim faça a sua escolha livremente.

Nada justifica a agressão pessoal. Paulo Freire dizia: “Se tu diferes de mim, me enriqueces.” Que assim seja.
*
Qual a sua opinião?

História: 21 de maio de 1853

O partido brasileiro da Guerra de Independência na BA, com forte marca popular, não aceita as ordens do general francês Labatut: destitui-o, prende-o e despacha-o de volta para o Rio. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

20 maio 2008

Serenidade e espírito democrático

Na reta final do período pré-eleitoral, é compreensível que as tensões se elevem e que os partidos tomem suas decisões. Uns confirmarão o que já vinham anunciando, outros poderão mudar de posição. Faz parte. Tudo é possível, menos uma vaca criar asas e sair voando por aí.

Por isso caba a cada um manter a serenidade, a coerência e o respeito ao posicionamento de cada um.

O PCdoB sabe o que quer em cada município – e busca atingir seus objetivos a partir de uma visão larga, visando, em última instância unir e fortalecer as forças populares.

Mídia popular

No Vermelho:
Vermelho é eleito o melhor site de política do Brasil
. O portal Vermelho conquistou o tão esperado prêmio iBest 2008 como melhor página de política do Brasil. A boa nova foi comunicada nesta terça-feira (20) pelos organizadores do iBest. Em segundo lugar na categoria Cidadania/Política ficou o site Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim, e, em terceiro, a página do Partido dos Trabalhadores.
. A premiação, que está em sua 11ª edição, é considerada a mais importante voltada para o segmento de internet. Esta foi a segunda vez que o Vermelho ganhou o primeiro prêmio na categoria Cidadania/Política pela votação popular. A outra vez que o Vermelho conquistou o primeiro lugar foi em 2004. No ano anterior (2003), o portal da esquerda bem informada havia ficado entre os três melhores da categoria.

Bom dia, Carlos Drummond de Andrade

O mundo é grande

O mundo é grande e cabe
nesta janela sobre o mar.
O mar é grande e cabe
na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe
no breve espaço de beijar.

19 maio 2008

Sem saneamento básico

Da Agência Brasil:
Crianças de 1 a 6 anos são maiores vítimas da falta de saneamento
. Apenas 46,77% da população brasileira tem acesso ao esgotamento sanitário. As mais prejudicadas pela falta de saneamento são as crianças de 1 a 6 anos. Esta é a conclusão da pesquisa Trata Brasil, organizada pelo instituto que leva o mesmo nome e pela Fundação Getulio Vargas (FGV), divulgada hoje (19) no Ministério das Cidades, em Brasília.
. “As maiores vítimas são as crianças porque são mais afetadas pelas condições ambientais. A criança que brinca na vala negra quando já tem essa idade, mas tem impacto também sobre o aproveitamento escolar. Ao mesmo tempo o acesso ao saneamento básico, as obras, não só evitam problemas de saúde, como também geram emprego e renda onde o emprego é raro, que são nas grandes favelas”, defende o coordenador da pesquisa, Marcelo Neri.
. A pesquisa revela que a taxa de mortalidade de crianças nesta faixa etária, de 1995 a 1999, era de 3,75% entre a população que não possuía acesso à rede de esgoto, e de 2,35%, entre a população que possuía. Entre 2001 e 2006, os números são de 2,89% e 2,25%, respectivamente.
. “A pesquisa identifica um importante impacto sobre a mortalidade de crianças de 1 a 6 anos e do número de filhos nascidos mortos. Isso é só a ponta do iceberg, os custos são muito maiores, as crianças que não têm aproveitamento escolar. O número maior é que cada real que você gasta em saneamento você economiza R$ 4 na área de saúde”, detalha Neri.
. Um agravante para essa situação é que a taxa de redução da pobreza anda quatro vezes mais rápido do que o acesso ao saneamento. Ou seja, nesse ritmo, de acordo com Neri, seriam necessários mais 56 anos para que a meta do milênio - de reduzir pela metade o déficit do saneamento - seja atingida. Há 14 anos, o esgotamento sanitário atingia apenas 36,02% da população - o crescimento nesse período foi de cerca de 10%.
. O dado sobre o saneamento leva em consideração apenas os domicílios em que o esgoto é coletado por redes, descartando aqueles que possuem fossas sépticas – solução que o Ministério das Cidades considera adequada para o destino dos dejetos e eleva o percentual brasileiro de coleta para quase 90%. Para Neri, a pesquisa serve para mobilizar a sociedade sobre seus direitos básicos.
. “A mudança [se dá] através de informar a ação. Quer dizer, a mãe de família perceber qual é a falta de saneamento no seu bairro, no seu município e mobilizar sua população sobre direitos básicos. Uma parte do movimento pode ser chamada de 'ao invés de um computador por criança, uma privada decente por família'. Há coisas básicas da existência das pessoas que estão sendo deixadas de lado. Está se pensando num computador, quando um padrão civilizatório mínimo não está sendo alcançado”, afirma. Todos os dados e os cruzamentos da pesquisa são baseados na última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) e estão disponíveis na internet, no site da Trata Brasil.

Afinal, quem governa?

No Vermelho, por Altamiro Borges:
Aumento dos juros é culpa do Lula
. A recente decisão do Banco Central de elevar em 0,5% a taxa básica de juros e a sinalização de que novos aumentos ocorrerão nas próximas reuniões do Copom (Comitê de Política Monetária) continuam gerando queixas de amplos setores da sociedade. Não são apenas as centrais sindicais e as entidades patronais do setor produtivo que criticam a política macroeconômica do governo. Dos corredores do Palácio do Planalto, o tom da crítica tem se inflamado. A própria composição heterogênea deste segundo mandato do presidente Lula, com a indicação de vários economistas ligados à visão desenvolvimentista, estimula as divergências interrnas, que ficam mais ácidas.

No município a realidade é outra

. Desde que o PT fez a flexão tática de priorizar, em plano nacional, a aliança com o PMB, e não mais como o PCdoB e o PSB, que tem esbarrado na realidade como ela é.
. No Congresso Nacional e na estrutura do governo federal, até que se entendem. Nos estados e municípios, as coisas são diferentes. Predominam as contingências locais e regionais.
. Poucos são os municípios em que PT e PMDB marcharão juntos nas eleições de outubro.

Sinal de expansão

A Gazeta Mercantil informa hoje que ao contrário do que ocorria em 2004 e 2005, quando estava concentrado em setores intensivos em recursos naturais, o investimento se generalizou pela economia brasileira. Por conta da expansão do mercado interno, muitos fabricantes de bens de consumo voltaram a comprar e encomendar máquinas e equipamentos. Retomaram os investimentos os setores automotivo, de construção civil, têxteis, calçados, embalagens, entre outros.

O carro adiante dos bois

Que sejam boas as idéias do novo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. Mas não custa nada ele esperar o primeiro contato com o presidente Lula. Por que tem que antecipar de público o que pensa e o que pretende fazer, inclusive dotações orçamentárias que irá pedir, antes mesmo de consultar o presidente?

Tomara que venha ser um bom ministro – e que aprenda a conter a incontinência verbal.

18 maio 2008

Violência contra crianças

Revista Fórum:
Impunidade marca casos de violência e abuso sexual de crianças
. O Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes foi criado em 2000, em razão do assassinato da menina Araceli Sanchez, que em 18 de maio de 1973, aos oito anos de idade, foi seqüestrada, drogada, espancada, estuprada, morta e queimada por jovens de classe média alta em Vitória (ES). Segundo o Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes os acusados, Paulo Helal e Dante de Bríto Michelini, estão impunes após 35 anos do assassinato de Araceli.
. A morte de Araceli se tornou um marco na luta contra o abuso e a exploração sexual infanto-juvenil. A data é lembrada com mobilizações contra a violação de direitos de crianças e jovens.
. Leia a matéria completa: http://www.revistaforum.com.br/sitefinal/NoticiasIntegra.asp?id_artigo=2937

Herança das décadas perdidas

. O Estado de São Paulo de hoje: Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.
. Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Exercícios contra a obesidade infantil

Ciência Hoje On-line:
Prática regular de atividade física também diminui risco de doenças cardiovasculares em crianças
. As muitas horas na frente de TVs e videogames levam crianças e jovens a ficarem mais sedentários, o que torna cada vez mais precoce o risco de doenças cardiovasculares, como a hipertensão arterial. Uma importante medida para controlar a obesidade infantil e, conseqüentemente, prevenir essas doenças, é a prática de atividades físicas regulares com acompanhamento profissional, segundo estudo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
. A conclusão foi obtida pela fisioterapeuta Márcia Braz Rossetti em sua tese de doutorado, apresentada na Faculdade de Medicina da UFMG. A pesquisadora estudou 45 crianças e adolescentes entre oito e 16 anos com sobrepeso ou obesidade, divididos em dois grupos. Um grupo recebeu o atendimento padrão: apoio médico, nutricional e psicológico. O outro grupo, além desse apoio, participou de atividades recreativas aeróbicas supervisionadas três vezes por semana durante 12 semanas.
. Leia a matéria na íntegra http://cienciahoje.uol.com.br/119632

Boa tarde, Olegário Mariano

Picasso

O enamorado das rosas

Toda manhã, ao sol, cabelo ao vento,
Ouvindo a água da fonte que murmura,
Rego as minhas roseiras com ternura,
Que água lhes dando, dou-lhes força e alento.

Cada um tem um suave movimento
Quando a chamar minha atenção procura
E mal desabrochada na espessura,
Manda-me um gesto de agradecimento.

Se cultivei amores às mancheias,
Culpa não cabe às minhas mãos piedosas
Que eles passassem para mãos alheias.

Hoje, esquecendo ingratidões mesquinhas,
Alimento a ilusão de que essas rosas,
Ao menos essas rosas, sejam minhas.

A economia do casamento

. Informa o Jornal do Brasil de hoje que a indústria de eventos especializados em casamentos movimenta R$ 3,7 bilhões por ano no Brasil.
. Só no Rio, são R$ 360 milhões. Noivos gastam até R$ 35 mil, entre festas e outros preparativos, segundo especialistas, que orientam quem quer uma solenidade perfeita.
. Nos EUA, imobiliárias tentam fugir da crise do setor com promoções em feiras de casamentos.

17 maio 2008

História: 17 de maio de 1932

Decreto de Vargas cria a licença-maternidade (2 meses) e prevê, em tese, salário igual para homens e mulheres que realizem trabalho igual. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

16 maio 2008

Pobres pagam mais impostos que ricos

. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelou ontem, em Brasília, que a população considerada extremamente mais pobre do país compromete 44,5% de sua renda com pagamento de impostos e contribuições.
. Os 10% mais ricos gastam 23% em tributos. A diferença superior a 21 pontos percentuais é atribuída à política tributária brasileira.
. O presidente do Ipea, Márcio Pochmann, considera que o sistema atual aprofunda a desigualdade social.
. Os mais pobres arcaram também com maior elevação no pagamento de impostos em comparação com os ricos.

15 maio 2008

BB ganha com aquecimento

Noticia a Gazeta Mercantil que o lucro do Banco do Brasil (BB) cresceu 66,6% na comparação dos primeiros trimestres, para R$ 2,3 bilhões este ano. Foi o maior ganho entre os bancos do País que já divulgaram resultados financeiros este ano. O desempenho é fruto do aquecimento da economia, que elevou a demanda por crédito. Esse cenário, combinado com a crise das hipotecas de alto risco dos Estados Unidos, que abriga os maiores bancos mundiais, levou as instituições brasileiras a galgar importantes posições em lucratividade quando comparados os seus resultados com os das norte-americanas.

Pão nosso de cada dia

. O governo suspendeu, até o fim do ano, da cobrança de PIS e Cofins sobre pão francês, trigo e farinha de trigo. O objetivo é conter a alta do preço desses produtos.
. Também ficará suspensa até o fim de 2008 a cobrança do Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante nas importações de trigo. Será ainda prorrogado até 31 de agosto o prazo de importação de trigo in natura com tarifa zero.

Bom dia, Jorge Wanderley

Tema da rosa

Parecia uma rosa madrugando
Aquela rosa ali, naquele dia.
Era quando em redor amanhecia,
Porém sem Lugar-Onde ou Tempo-Quando,
Estava eterna e eterna parecia.
Não se sabia a luz que a estava olhando,
Ou se ela olhava a luz desabrochando,
Nem se era dela que esta luz surgia.
Nada movia em torno, mas da haste
Parecia vibrar, tensa e nervosa,
A onda de um acorde num segundo
Sonhando em rubro e alheio a seu engaste,
Que era a história das rosas numa rosa,
A rosa em si, dentro de si, no mundo.

14 maio 2008

Folha de Pernambuco:
TRT/6 condecora 16 personalidades

Para reverenciar o dia 13 de maio, data em que se comemora, em todo o País, os 120 anos da Abolição da Escravatura no Brasil, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT/6) condecorou, ontem, com sua mais alta comenda, a Medalha do Mérito Judiciário Conselheiro João Alfredo Corrêa de Oliveira, 16 personalidades do Estado, do Brasil e do exterior. “Nossa intenção é homenagear aqueles que se destacam não só na vida jurídica, mas em qualquer setor em que preste serviços importantes para Pernambuco”, revelou a presidente do TRT/6, desembargadora Josélia Moraes da Costa.

Entre os contemplados, o vice-prefeito do Recife, Luciano Siqueira; o presidente da OAB-PE, Jayme Asfora; o prefeito de Ipojuca, Pedro Serafim; o jurista italiano, advogado e professor da Universidade de Roma, Giancarlo Perone; e o artista plástico de Olinda, Bajado, no ato representado pela filha dele, Giselda Amâncio.

Em sintonia com o novo tempo

No Blog de Jamildo (JC Online):
Prefeitura como indutora do crescimento econômico
Luciano Siqueira

“A cidade do Recife representa um ato criador da vontade humana para servir às necessidades e aos desejos mais imperiosos de uma coletividade: necessidade de um porto para exportar açúcar, desejo de fazer comércio para enriquecer... A natureza construindo os arrecifes ao largo da costa criou o porto natural. O homem levantando nas terras baixas, situadas por trás desses arrecifes, o organismo artificial de suas construções, criou a cidade.” (Josué de Castro: Fatores de localização da cidade do Recife – um ensaio de geografia humana. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1948.).

Um dos sentidos dessa bela caracterização da gênese do Recife é uma dupla indicação: a de que a cidade se constrói permanentemente; e que essa construção ocorre através de ciclos que se sucedem ao longo de sua história.

Em seus 471 anos de existência o Recife viveu distintos ciclos, determinados pelo evolver de suas próprias contradições e oportunidades; e pelo modo como se inseriu, a cada conjuntura política e econômica, no contexto regional, nacional e global. Traçando uma linha do tempo desse processo de construção da cidade, verificaremos que há uma relação dialética entre permanências e inovações. Uma das permanências: a sua vocação predominante para o terciário, pólo de comércio e serviços que sempre foi, desde o seu nascedouro como cidade-porto voltada para a exportação de produtos primários e para a importação de manufaturados.

Cidade-porto que sempre trocou com as cidades do mundo mercadorias e idéias.

Tenho insistido aqui, nesse generoso espaço do blog que o editor Jamildo Melo concede aos pré-candidatos a prefeito do Recife, na tese de que a cidade há que construir, na seqüência dos dois exitosos governos comandados por João Paulo (do qual tenho sido, com muita honra, co-protagonista na condição de vice-prefeito leal e atuante), uma nova agenda.

É que sobre a base das consideráveis conquistadas alcançadas nesses quase oito anos, será possível ir mais adiante – em sintonia com o novo tempo de crescimento econômico que Pernambuco inicia. Avançar em vários sentidos. Um deles é acentuar o papel indutor do incremento das atividades econômicas em nosso território, no intuito de bem explorar as novas oportunidades que se apresentam para as cadeias produtivas aqui instaladas, sob o impacto de novas demandas decorrentes dos grandes empreendimentos industriais localizados principalmente no Complexo Portuário de Suape.

Devem compor essa nova agenda, uma política fiscal inteligente e flexível, o estímulo à dinamização de cadeias e arranjos produtivos, a atração de novos empreendimentos, a qualificação e a formação da força de trabalho, a melhoria da infra-estrutura e acesso e meios de transportes, o incentivo à produção de novas tecnologias.

Segmentos dominantes na economia do município, o varejo moderno e a logística, o pólo médico, o turismo e a construção civil têm, diante de si, a perspectiva de expansão, assim como os setores de tecnologia da informação, de consultoria e planejamento. Complementariamente, caberá estabelecer eficiente sinergia da economia popular e dos pequenos empreendimentos com esses setores estratégicos - para que crescimento econômico e satisfação progressiva das necessidades básicas da população possam avançar de maneira articulada.

13 maio 2008

Impulsionando indústria naval

. A Petrobras vai impulsionar ainda mais a indústria naval brasileira com uma encomenda de 146 navios de apoio à produção de petróleo em mar.
. O programa começa dia 26, com lançamento de edital para aquisição das primeiras 24 embarcações. Programa similar, destinado à compra de sondas, também está nos planos da empresa.
. A Petrobras lucrou R$ 6,92 bilhões no primeiro trimestre, avanço de 68% sobre igual período de 2007. O crescimento deveu-se à redução de despesas operacionais e ao aumento da produção de petróleo e gás.

12 maio 2008

Parto humanizado

No site da PCR:
PARTO HUMANIZADO É TEMA DE MOSTRA FOTOGRÁFICA
. A capital pernambucana estará presente nas comemorações pela Semana Mundial de Respeito ao Nascimento, celebrada de 10 a 18 de maio, com a realização de uma singela mostra fotográfica. A empreitada tem apoio da Prefeitura do Recife e é encampada pela Rede Parto do Princípio, formada por usuárias do sistema de saúde brasileiro. Composta por cerca de 30 peças em preto e branco, a exposição reúne imagens de mulheres no momento e logo após o nascimento de seus filhos.
. Quinze dos registros foram realizados com pacientes das três maternidades da rede municipal (Arnaldo Marques, no Ibura; Bandeira Filho, em Afogados; e Barros Lima, em Casa Amarela). Eles trazem a assinatura de Antônio Tenório, Carlos Oliveira e Lú Streithorst, fotógrafos da Prefeitura do Recife. Nesse primeiro momento, a mostra está em cartaz na Livraria Cultura, mas a idéia é que ela tenha caráter itinerante e também seja exibida nas unidades de saúde ondem as imagens foram captadas.
Foto: Carlos Oliveira
Na Folha de S. Paulo de hoje:
Universidade paga não segue lei de professor exclusivo
* Menos da metade das escolas privadas tem um terço dos docentes em regime integral.
* Norma existe para incentivar a pesquisa e melhorar o ensino; até hoje, MEC não puniu nenhuma escola fora da regra.
. Só 37 das 86 universidades privadas (43%) cumprem a exigência legal de ter um terço dos docentes trabalhando em regime integral, aponta o Censo da Educação Superior 2006 (mais recente). O prazo para adequação acabou há quatro anos, mas o MEC ainda não descredenciou nenhuma instituição.
. A exigência é da Lei de Diretrizes e Bases, de 1996. De acordo com o MEC, as universidades ainda serão reavaliadas. As que não cumprirem a norma podem perder o título de universidade -o que tira delas o direito de ampliar e abrir cursos sem prévia autorização.
. O objetivo de ter professores em tempo integral é incentivar a pesquisa e oferecer melhores condições de ensino (com horário remunerado para preparação de aulas e correção de provas, por exemplo).. Nesse regime, a carga horária é de 40 horas semanais, mas somente metade em sala de aula. O professor com dedicação exclusiva custa à instituição mais caro do que um pago por hora, já que este último pode ficar 100% do tempo em sala.Nas 90 universidades públicas no censo, apenas seis não cumprem a lei -quatro delas cobram mensalidades.
. O Enade (exame de alunos do governo federal) sugere que a proporção de docentes com dedicação integral influencia na qualidade. Nas dez instituições com menor proporção, as médias de cada universidade (feitas a partir de todos cursos avaliados) variaram entre 2,5 e 3,3 (escala de 0 a 5). Nas com mais docentes em regime integral, a variação foi de 3,5 a 4,4.

Os custos do alcoolismo

. Está no Jornal do Brasil de hoje. O Brasil gasta mais de R$ 33 bilhões anuais com problemas decorrentes do álcool.
. Somam-se aí as despesas com acidentes rodoviários e assistência às vítimas, além dos custos do Sistema Único de Saúde (SUS) com o tratamento direto a pacientes de alcoolismo.
. Segundo o governo federal, faltam dados mais precisos sobre casos que chegam às áreas de cardiologia e neurologia nos hospitais públicos.

Creches para apoiar a mulher trabalhadora

. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) estabelece que a educação infantil não é obrigatória como o ensino fundamental e o médio, mas é um direito público que cabe a cada município atender. Desde 1999, ela deve ser oferecida em creches, para crianças de zero a 3 anos, e em pré-escolas, para aquelas com 4 e 5 anos.
. A importância da qualidade da educação infantil na trajetória escolar do indivíduo, é um das questões destacadas no compromisso Educação para Todos, das Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (Unesco).O acordo firmado em 2000 prevê que até 2015 o Brasil consiga expandir e melhorar a educação e cuidados na primeira infância. Segundo relatório de monitoramento da Unesco, 10,5% das crianças brasileiras de zero a 3 anos tinham acesso à educação infantil em 2001. Até 2006, a meta do Plano Nacional de Educação era chegar a 30%, mas o número ficou em 15,5%.
. Como os municípios não conseguem sozinhos cumprir a sua parte, o Ministério da Educação (MEC) lançou em 2007 o Programa Nacional de Reestrturação e Aquisição de Equipamentos da Rede Escolar Pública da Educação Infantil (Proinfância), como parte do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE).Até 2010, o governo federal investirá R$ 800 milhões para ampliar e melhorar as instalações das unidades. Desde o ano passado, foram conveniadas quase mil projetos e as novas unidades devem ficar prontas até o fim de 2008, atendendo cerca de 140 mil crianças.
. Mais do que necessário, pois segundo a presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais em Educação (Undime), Justina Silva, apenas 13% das mães conseguem de fato ser atendidas. A demanda reprimida é altíssima, chega a 87%.

11 maio 2008

Programa anti-tabagismo

No site da PCR:
PROJETO DA SAÚDE TEM RECONHECIMENTO INTERNACIONAL
. A Prefeitura do Recife, através da Secretaria Municipal de Saúde, foi reconhecida pelo trabalho desenvolvido pelo projeto Ambientes Livres do Fumo e pela assistência aos usuários nos serviços de saúde. A coordenadora de Controle do Tabagismo, Maristela Menezes, foi selecionada para participar do curso Programa de Formação de Líderes Globais para o Controle do Tabagismo, oferecido pelo Instituto Johns Hopkins de Saúde Pública, um dos mais conceituados organismos internacionais na área.
. O evento acontece entre os dias 21 de julho e 1º de agosto, em Baltimore, nos Estados Unidos, e pretende potencializar as informações, desenvolver estratégias de luta contra o tabagismo, além de criar uma rede de apoio internacional. Participarão do curso 50 representantes de países considerados de média e baixa renda, selecionados a partir da análise dos projetos e currículos enviados à comissão do programa.
. Todas as unidades de saúde e repartições públicas municipais da administração direta e indireta foram beneficiadas com o projeto. A Secretaria de Saúde conseguiu estender suas ações para a iniciativa privada, ao ser desenvolvido nos shoppings da cidade, bares, restaurantes e hotéis, totalizando 7.772 ambientes livres do fumo. Para manter esse resultado, 1.201 comissões executivas atuam como multiplicadoras da informação, sendo capacitadas por técnicos da Coordenação de Controle de Prefeitura.

Bom dia, Manuel Bandeira

Pablo Picasso
Nu

Quando estás vestida,
Ninguém imagina
Os mundos que escondes
Sob as tuas roupas.

(Assim, quando é dia,
Não temos noção
Dos astros que luzem
No profundo céu.

Mas a noite é nua,
E, nua na noite,
Palpitam teus mundos
E os mundos da noite.

Brilham teus joelhos,
Brilha o teu umbigo,
Brilha toda a tua
Lira abdominal.

Teus exíguos
— Como na rijeza
Do tronco robusto
Dois frutos pequenos —

Brilham.) Ah, teus seios!
Teus duros mamilos!
Teu dorso! Teus flancos!
Ah, tuas espáduas!

Se nua, teus olhos
Ficam nus também:
Teu olhar, mais longe,
Mais lento, mais líquido.

Então, dentro deles,
Bóio, nado, salto
Baixo num mergulho
Perpendicular.

Baixo até o mais fundo
De teu ser, lá onde
Me sorri tu’alma
Nua, nua, nua...

10 maio 2008

Não deixe de assinar

Para inserir sua opinião, clique sobre a palavra "comentários", abaixo. Você tem a opção de assinar gratuitamente o blog e toda vez que postar seu comentário sua assinatura será imediata. Ou usar a opção “anônimo”, porém assine ao final do texto para que possamos publicar o que você escreveu.

Mais de 90% dos que nos enviam seus comentários o fazem através do e-mail lucianosiqueira@uol.com.br.

"Democrata" tira a máscara

Na Carta Maior, por Flávio Aguiar:
Os caninos do vampiro
. Ao acusar a ministra Dilma Roussef de “mentir” para seus torturadores, o senador José Agripino Maia se excedeu. Excedeu-se? Ou quem sabe só se enquadrou na moldura onde sempre esteve?
. Entre outras coisas nefastas e nefandas, a interpelação a que o senador submeteu a ministra é uma ofensa ao decoro parlamentar. Ao “acusa-la” de ter “mentido” para seus torturadores, o senador extrapolou seu papel legislativo. Tornou-se, como os algozes daqueles tempos, um poder judiciário avant-la-lettre, sendo promotor, juiz e carrasco ao mesmo tempo. Fez a acusação, julgou, promulgou a sentença, passou em julgado e quis aplicar a pena.
. Não deu certo. Por quê? Porque como personagem de comédia (e existem comédias macabras), o senador se achava num cenário e estava em outro. Ele estava “do lado errado da história”. Ele achava que seu único público era feito dos acólitos, arautos e pauteiros que municiam e saúdam esta oposição autoritária na imprensa e na mídia conservadoras. Era um personagem na peça errada. Um estranho no ninho. Nem mesmo esta imprensa o saudou. O episódio é exemplar, no que revela do contínuo autismo político que assola cada vez mais essa oposição de direita que, infelizmente, tem entre seu público parte da esquerda da esquerda.

09 maio 2008

Uma crônica para desopilar

Coluna mensal no site Interpoética
Vidas quase cruzadas
por Luciano Siqueira

Dela soubemos apenas que nasceu em Fortaleza, mudou-se para o Rio de Janeiro onde viveu a infância, a adolescência e o começo da juventude, e alterou períodos fora do país – não disse onde – com retornos intermitentes à terra natal. O sotaque carioca conserva. E o gosto por peças e símbolos orientais, que mistura com motivos nordestinos na decoração da pousada. Tem um cantinho meio esquisito, uma pequena edificação em taipa, onde se encontra um tosco altar para os que desejarem fazer suas preces. – Religião não tenho, mas sou adepta da filosofia budista, explica. De suas andanças e vivências, exibe no corpo tatuagens que quem olha não entende, carece de esclarecimento. Sim, tem também o marido, que usa óculos escuros para proteger a vista do sol, meio obeso e fala ao jeito gaúcho.

Ao café da manhã, demonstra intimidade com quatro hóspedes mulheres que lhe relembram a conversa da noite anterior: - Que história tem vocês, hem. Nós também temos nossas histórias, hoje a gente continua daquele ponto: quando e como tudo começou. Trocam risadas e resmungos, como se segredos estivessem a revelar. Na promessa de detalhes, feita pela branquela, um quê de cumplicidade. São dois casais do mesmo sexo.
Fazíamos nossos pratos, abacaxi, melão, mamão papaia, tapioca, ovos fritos, queijo manteiga, presunto. Suco de acerola. Café forte. Não éramos parte do pequeno grupo que se formara em torno da mesa larga. Nossas intimidades não interessavam, certamente nada tinham a nos contar numa manhã de sol esquentado, naquele mormaço debaixo da grande caiçara. Não tínhamos compartilhado como elas, na noite anterior, coisas vividas, sonhadas, sofridas e comemoradas.
Ficamos à mesa na quina, mais distante, já não ouvíamos a conversa, nem ouviam o que dizíamos.
Entre peças artesanais nordestinas e abajus e estatuetas budistas, espalhados pelos diversos ambientes da pousada, livros e revistas em diversas línguas e uma coleção quase completa de Bravo! A capa sobre os cinqüenta anos de Grande Sertão: Veredas deu o mote para breve troca de impressões sobre o gosto comum pela boa leitura. Nada mais que isso.

Dia seguinte seguimos viagem pelo litoral cearense, deixando a saudação habitual de um bom dia, um abraço fraterno, a paga pelos dois dias ali vividos e a leve frustração, nossa, não sabemos se dela também, por não havermos entrado na roda e compartilhado coisas da vida, de nossas vidas. Nossos destinos por estradas distintas, em paralelo, talvez mais: bifurcados, faltos daquela oportunidade de entrosamento, vidas que não se cruzaram. Por um pouquinho de nada.

Bom dia, Sérgio Milliet

A dama ausente

Brilhará a lua que não vejo
nas montanhas de minha terra?
Para que amores na serra
Brilhará a lua que não vejo?

Mais um dia longe, tão longe
que nem mesmo a intuição alcança
os gestos da dama ausente.
As sombras enchem os meus olhos
fechados para o presente.
Mais um dia longe tão longe
que nem mesmo o amor alcança
os gestos da dama ausente...

Nomes trocados

. Na matéria publicada no site da PCR, que transcrevemos na postagem anterior (veja abaixo), há ligeira confusão quando menciona os participantes da audiência com o prefeito João Paulo.
. Esclarecendo: a delegação do PCP é formada pelo presidente da Câmara do Seixal, Alfredo Monteiro, e pelo dirigente nacional do partido Jorge Cordeiro. Ronald Freitas é secretário nacional de relações institucionais do PCdoB e Ronaldo Carmona é membro da Comissão de Relações Internacionais do PCdoB.

Delegação do PCP no Recife

No site da PCR:
PREFEITO RECEBE MEMBROS DO PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS
. Na noite desta quinta-feira (08), o prefeito João Paulo recebeu em seu gabinete uma visita de cortesia do presidente da Câmera Municipal da cidade de Seixal (Portugal), Alfredo Monteiro, e o membro da Executiva Nacional do Partido Comunista Português (PCP), Ronald Freitas. A visita foi acompanhada pelo vice-prefeito do Recife, Luciano Siqueira, pelo secretário Nacional de Relações Institucionais do Partido Comunista do Brasil (PC do B), Ronaldo Carmona e pelo membro do Diretório Nacional do Pc do B, Jorge Cordeiro.
. Apesar de breve, o encontro foi o início de um processo de troca de experiências e maior aproximação entre as duas gestões. Segundo Luciano Siqueira, a visita tem um grande simbolismo. "Esse momento é muito importante e tem um significado especial. Os representantes do Partido Comunista Português estão visitando um prefeito que é antes de tudo um operário e grande aliado do PC do B, e com quem tenho tido a honra de conviver nesses sete anos", comentou. Já Ronald Freitas destacou que há muitas semelhanças entre o projeto de gestão das duas cidades. "Essa visita tem uma importância muito grande por conta dos nossos objetivos comuns. Temos um projeto de transformação da nossa cidade, assim como em Recife", afirmou.
. Para receber os convidados portugueses, João Paulo fez questão de adequar sua agenda, cancelando outros compromissos. O prefeito ressaltou os objetivos comuns e a frutífera parceria do Partido dos Trabalhadores (PT) com o PC do B em Recife. "Sempre fiz o máximo para construir um projeto que é muito semelhante com o do PC do B e nossa relação é muito boa. Temos muitas experiências importantes para compartilhar", disse.
. Ao final da visita, os representantes do PCP presentearam o prefeito com uma medalha retratando o Moinho das Marés, patrimônio histórico português e um CD com músicas populares de Portugal. Em retribuição, o prefeito presenteou os visitantes com kits do centenário do frevo.
Fotos de Paulo Lopes

08 maio 2008

Coragem e teimosia

Quantas vezes a vida da gente teve o seu curso definido por uma decisão, ou pela ausência de decisão, num momento crucial. Vale para as pessoas, vale para as instituições – os partidos políticos em especial.

Os dias que correm colocam diante de nós contradições, possibilidades e limitações que conformam o cenário no qual decisões devem ser tomadas. Responsabilidade coletiva e individual.

Nesse contexto, cumpre distinguir coragem de teimosia. Quando se tem consciência do que se pretende e certeza da justeza de propósitos, a coragem brota como impulso natural. Diferente da simples e estéril teimosia.

Cana-de-açúcar gera mais energia que hidrelétricas

. Informa a Agência Brasil que o crescimento do mercado de etanol no país, que em fevereiro último ultrapassou o consumo de gasolina pela primeira vez nos últimos 20 anos, fez os produtos derivados da cana-de-açúcar ultrapassarem, em 2007, a fonte hidráulica como geradora de energia, ficando atrás apenas do petróleo e seus derivados. Entre os derivados, estão o próprio etanol e o bagaço, usado como fonte geradora de calor e energia.
. Dados preliminares do Balanço Energético Nacional, divulgados hoje (8) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), indicam que a cana-de-açúcar, que nos últimos anos já vinha se destacando pelo crescimento expressivo na matriz energética brasileira, atingisse 16% na composição das fontes de energia utilizadas no país, contra 14,7% de participação da energia hidráulica e 36,7% do petróleo e derivados. Embora tenha mantido a liderança, a participação do petróleo na matriz recuou em relação aos 37,8% verificados em 2006.
. Os números da EPE foram apresentados pelo seu presidente, Maurício Tolmasquim. Ele disse que a nova posição ocupada pela cana-de-açúcar é irreversível e deve-se, principalmente, ao consumo de etanol no país.
. “O ano passado foi muito importante e simbólico para o setor energético do Brasil: primeiro 70% do crescimento de energia no país foi devido à expansão das fontes renováveis, o que reforça o papel de um país com qualidade muito boa em sua matriz energética; e em segundo lugar, a cana-de-açúcar passou a ser mais importante na matriz energética do que a energia hidráulica. Portanto, é um ano simbólico porque durante décadas, a energia hidráulica era a segunda fonte na matriz depois do petróleo. E tudo indica que isso é uma tendência que veio para ficar”.
. Os dados divulgados pela EPE, empresa encarregada de pensar o planejamento energético do país, indicam ainda que o consumo de álcool hidratado, em razão do crescimento da comercialização do veículos com motor flex, cresceu 46,1% em 2007, atingindo 10,4 bilhões de litros, enquanto o álcool anidro, misturado à gasolina, teve expansão de 19,7%, chegando aos 6,2 bilhões de litros. Já o consumo de gasolina fechou 2007 com queda de 3,9% frente a 2006: 18 bilhões de litros.

1968, quarenta anos

No Vermelho:
artigos.cronologia.vídeos.cartazes
. A imagem mais difundida do movimento de maio de 1968 – que, tendo seu epicentro nas universidades francesas, espalhou-se pelo mundo como um vagalhão – é a do levante estudantil e juvenil.
. A imagem tem força – aquele movimento ganhou visibilidade quando, no dia 3 de maio de 1968, os estudantes parisienses saíram às ruas para protestar contra a decisão da reitoria da Sorbonne de fechar a célebre universidade parisiense, reagindo à um movimento à luta estudantil que crescia desde o final de 1967. Foi a primeira vez que, em 700 anos, a universidade fora fechada e seu recindo ocupado pela polícia, e a decisão foi um choque para a opinião esclarecida dos franceses.
. O movimento de 1968 não surgiu, contudo, como um raio em céu azul, como se diz. E não foi somente estudantil e juvenil. As lutas sociais cresciam na Europa, nos Estados Unidos e em várias partes do mundo, particularmente na América Latina. Elas envolviam os trabalhadores, os estudantes, os negros, as mulheres, a população dos países colonizados da África e da Ásia na luta contra o imperialismo e pela independência, o protesto contra as ditaduras militares que proliferavam na América Latina.
. No Brasil, aquele foi o ano do maior e mais persistente protesto de massa contra a ditadura militar, apenas superado por aquele que ocorreria dez anos mais tarde e que colocaria em xeque no regime dos generais.
. O ano de 1968 ficou na história, assim, como o símbolo do maior protesto anticapitalista ocorrido na segunda metade do século XX e por isso é uma data memorável.
. Veja matérias diárias sobre o assunto http://www.vermelho.rg.br/

Questão ambiental

Coluna semanal no portal Vermelho:
Como o ar que a gente respira
Luciano Siqueira

Tempo de reformas, tempo de debate. O debate é necessário para que reformas democráticas se viabilizem mediadas pela pressão popular. Assim pensam as Fundações Perseu Abramo, Maurício Grabois, Leonel Brizola-Alberto Pasqualini, João Mangabeira e Republicana Brasileira, que promoveram ontem, no auditório Freitas Nobre da Câmara dos Deputados, em Brasília, o seminário Reformas por um Brasil mais justo (onde esse amigo de vocês discorreu sobre a reforma urbana).

De reforma urbana vamos falar aqui muitas vezes. Por ora permitam sublinhar uma questão que se insere na reforma urbana e no projeto nacional de desenvolvimento tanto quanto o ar que você respira – a questão ambiental.

Desenvolvimento econômico, com distribuição de renda e valorização do trabalho não pode dispensar a componente da sustentabilidade ambiental. FHC e sua turma relegavam a questão, daí porque achataram os investimentos públicos em saneamento básico a quase zero.

E nem precisa argumentar muito, basta mencionar as implicações econômicas dos agravos ao ambiente produzidos pelas fenomenais ocupações ilegais dos territórios urbanos por gente carente de moradia. Ou ainda o comprometimento dos nossos mananciais hídricos pondo em risco a vida dos cidadãos e também atividades econômicas cujo lócus natural se situa nas cidades.

O caso é sério – e requer envolvimento de todos nós; dos nossos partidos, dos sindicatos, das organizações comunitárias e juvenis; do empresariado esclarecido; das igrejas, das associações sócio-culturais e esportivas, do mundo acadêmico, da comunidade técnica, de artistas e intelectuais.

O PCdoB está fazendo a sua parte. Realizou recentemente um encontro nacional sobre o tema e apresentou uma “plataforma ambiental” cientificamente fundamentada e politicamente viável (leia no site Partido Vivo www.pcdob.org.br). Nela se incluem a afirmação do papel do Estado no exercício dos mecanismos de aplicação da legislação ambiental; a defesa do etanol, do biodiesel e da energia nuclear como alternativas de matriz energética mais limpa; políticas de tratamento adequado dos resíduos sólidos e coleta seletiva do lixo e criação de mecanismos de gestão ambiental como o ICMS ecológico.

É a luta imediata por um futuro progressista e saudável.

História: 8 de maio de 1945

Festa da rendição da Alemanha na Sé, São Paulo
O mal Keitel assina a rendição incondicional da Alemanha, em Berlim, ocupada pelo Exército Vermelho. Enormes comemorações no Brasil e no mundo. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Resgate histórico

No Vermelho:
Líder da Revolta da Chibata pode receber anistia póstuma
. O ministro da Igualdade Racial, Edson Santos, pediu na terça-feira (6) ao presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), que seja colocado em votação o PL 7198/02, que concede anistia póstuma ao marinheiro João Cândido, grande líder da Revolta da Chibata, ocorrida em 1910, na Baía de Guanabara.
. A Revolta da Chibata - No dia 22 de novembro de 1910, João Cândido deu início à chamada Revolta da Chibata, assumindo o comando do Minas Gerais (capitânea da Armada), pleiteando a abolição dos castigos corporais na Marinha de Guerra do Brasil, quando foi designado pela imprensa, à época, como Almirante Negro. Por quatro dias, os navios de guerra São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Deodoro apontaram seus canhões para a Capital Federal.

07 maio 2008

Reformas democráticas

Realiza-se daqui a pouco o Seminário Reformas por um Brasil mais justo, promovido pelas Fundações Perseu Abramo, Maurício Grabois, Leonel Brizola-Alberto Pasqualini, João Mangabeira e Republicana Brasileira.

Participo como expositor sobre o tema Reforma urbana de uma mesa integrada por Raquel Rolnik, relatora internacional do Direito à Moradia, da ONU; Carlos Siqueira, primeiro secretário nacional do PSB; Léo Rivas, deputado federal e vice-presidente nacional do PRB; Sérgio Vidigal, ex-prefeito de Serra (ES).

O evento acontece no auditório Freitas Nobre da Câmara dos Deputados, em Brasília, a partir das 9 horas.

Bom dia, Waldir Pedrosa Amorim

Doce mistério

Há um espaço
fora do espaço
um tempo
fora do tempo
onde quem
perdeu a memória
o contato
não perdeu
um e outro.

O processo das mudanças

Blog de Jamildo (JC Online):
Mudanças não acontecem por decreto
Luciano Siqueira

Mudar a sociedade, mudar a face de uma cidade – mesmo quando ocorre através de processos de ruptura (pela via revolucionária), implica longa e sinuosa transição. Não acontece por decreto. O novo não suplanta o velho facilmente, de um só golpe; a travessia entre a situação herdada e o que se pretende pôr em seu lugar é necessariamente conflituosa.

Essa reflexão a faço aqui em Brasília, onde me encontro, pouco antes de me dirigir ao seminário acerca das reformas democráticas promovido pelas Fundações Perseu Abramo, Alberto Pasqualini, Maurício Grabois, João Mangabeira e Republicana Brasileira, no auditório Freitas Nobre, da Câmara dos Deputados. Participo de uma mesa sobre a reforma urbana, ao lado da urbanista Raquel Rolnik, ex-Secretária Nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades.

É que o tema surge pela primeira vez no início dos anos sessenta, precisamente em 1963, no Hotel Quitandinha em Petrópolis, no Rio de Janeiro, quando se realizou um seminário sobre o tema; transita com dificuldade sob o regime militar; ressurge nos anos setenta através das lutas de associações de bairros por moradia, regularização dos loteamentos clandestinos, pelo acesso aos serviços de educação e saúde, e a implantação de infra-estrutura nas áreas de ocupação; e nos anos oitenta, no bojo do processo constituinte, ganha força com a criação do Movimento Nacional pela Reforma Urbana. Alcança expressivas vitórias com a aprovação, em 1979, da Lei 6766, que regula o parcelamento do solo e criminaliza o loteador irregular; com a introdução do capítulo temático específico na Constituição de 1988 (artigos 182 e 183) e, onze anos após, com a promulgação da Lei Nº 257, de 10 de julho de 2001, denominada Estatuto da Cidade.

Assim, é possível afirmar que a reforma urbana está em curso e é produto de uma luta de mais de quatro décadas. E o seminário de hoje busca contribuir para reativá-la.

O momento é oportuno. O país está mudando, de maneira lenta e penosa, mas está. Inclusive quanto à consciência de que urge transformar o perfil dos aglomerados urbanos em bases modernas. Pois têm evoluído, concomitantemente, as bases objetivas que justificam a necessidade da reforma e o seu conteúdo teórico e a sua abrangência política. Do Seminário do Quitandinha (de 1963) ao Movimento Nacional pela Reforma Urbana e o Forum Nacional pela Reforma Urbana (criados nos anos oitenta), verifica-se uma significativa evolução conceitual que procura dar conta das novas e complexas demandas decorrentes do rápido e desordenado crescimento das cidades. Inicialmente toda a ênfase era dada ao planejamento territorial e ao problema da moradia. Apenas nos anos oitenta são incorporados problemas como a crise de financiamento do Estado, o crescimento das zonas de ocupação ilegal, o empobrecimento da população, a fragmentação sócio-territorial, a ineficiência das políticas públicas em vigor – ao que se contrapunham os chamados direitos urbanos, a função social da propriedade e a introdução de instrumentos de participação na gestão pública.

Um bom exemplo da seriedade com que devemos enfrentar os temas centrais de nossa cidade no pleito que se avizinha.

Tem gente falando bobagem porque sequer se dá ao trabalho de aprofundar a compreensão dos reais problemas de uma cidade da dimensão e da complexidade do Recife. Tomara que o eleitorado seja capaz de perceber isso e discernir o joio e o trigo.

Iniciativa oportuna

. Informa a Agência Brasil que no próximo domingo (11), Dia das Mães, o Ministério da Saúde começará uma campanha para incentivar as mulheres a fazer parto normal. A intenção é diminuir o alto número de cesarianas desnecessárias realizadas anualmente no Brasil.
. Voltada para gestantes, familiares e médicos, a Campanha de Incentivo ao Parto Normal será veiculada no rádio, na televisão, internet e outros meios de comunicação até 2010.
. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que apenas 15% dos partos sejam realizados com intervenção cirúrgica – porcentagem referente aos partos de risco, aqueles em que a cesárea é indispensável. A média no Brasil é de 43% de cesarianas e entre as mulheres que utilizam planos de saúde esse índice chega a 80%.

05 maio 2008

Bom desempenho

. Segundo a pesquisa trimestral Indicadores Industriais da CNI (Confederação Nacional da Indústria), a indústria apresentou ritmo de crescimento intenso no primeiro trimestre deste ano, em relação aos três últimos meses de 2007.
. Os números confirmam as expectativas da Sondagem Industrial, divulgada no mês passado e revelam o maior crescimento trimestral desde 2003. A sondagem mostra a tendência do comportamento do setor para o trimestre.. O emprego aumentou 4,9% e a massa salarial cresceu 6,8%, o que indica aumento da produtividade. Os setores que mais cresceram, em relação ao primeiro trimestre do ano passado, foram os de equipamentos de transporte (30,7%), máquinas e equipamentos (15,3%) e veículos automotores ( 14,2%).
. As horas trabalhadas cresceram 25% na área de alimentos e bebidas, 21% na área de máquinas e equipamentos e 17% na de veículos automotores, no primeiro trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado. A capacidade instalada ficou estável, o faturamento real variou 7,6% e as horas trabalhadas cresceram 6%.
. O comportamento do setor, no mês de março, em relação à março do ano passado, no entanto, apresentou recuo, de 0,5% no faturamento e de 0,3% nas horas trabalhadas.

Manhã do poeta

No site da PCR:
PREFEITURA DO RECIFE PRESTA HOMENAGEM AO POETA ASCENSO FERREIRA
. Um dos mais importantes poetas pernambucanos e grande nome do modernismo, Ascenso Ferreira foi homenageado na manhã desta segunda-feira (5) por literatos e admiradores no ato de entrega do túmulo do poeta, no Cemitério de Santo Amaro, centro do Recife. O vice-prefeito do Recife, Luciano Siqueira, oficializou a homenagem na presença da viúva de Ascenso Ferreira, Lourdes Ascenso.
. Os poetas Jommard Muniz, Freddy Lopes e Cida Pedrosa declamaram algumas poesias célebres de Ascenso Ferreira, como Gênio da Raça e Maracatu. O vice-prefeito reafirmou o compromisso da gestão com a valorização da cultura no município. ”Ascenso foi capaz de traduzir em versos e sons a essência do nosso povo”, comentou.
. Relembrando a paixão que o poeta nutria pela cidade e povo recifense, Lourdes Ascenso revelou algumas passagens da história do Recife. “Ascenso sempre amou esta cidade e, sobretudo, viveu esta cidade”, relatou emocionada. O assessor executivo da Secretaria de Serviços Públicos, Antônio Valdo, relembrou que a Prefeitura do Recife, através do Circuito da Poesia, presta uma homenagem à prosa e poesia produzida na cidade. Ao final da cerimônia, houve um toque de silêncio executado por um integrante da cavalaria da Polícia Militar de Pernambuco. No próximo dia 9, sexta-feira, será lançada uma coletânea com os três livros de poesia de Ascenso Ferreira: “Catimbó”, “Cana Caiana” e “Xenhenhém”, com organização e introdução de Valéria Torres. O evento é aberto ao público e terá início às 18h30 na Livraria Cultura, no Bairro do Recife.
. Todo em granito, o túmulo ocupa um terreno de 3m² doado pelo Governo Municipal. Na lápide foi reproduzido o poema “Noturno”, em que Ascenso Ferreira alude a ícones da capital pernambucana, como as ruas do Bairro do Recife e o rio Capibaribe. Os versos dele ainda trazem a pergunta que vem à mente de todos seus admiradores ao olhar sua atual moradia: Que diabo tu vieste fazer aqui Ascenso? Os restos mortais do escritor, que agora estão no novo túmulo, encontravam-se em um mausoléu alugado, desde o seu falecimento.
. A cerimônia marcou ainda os 43 anos da morte do poeta, que aconteceu em 05 de maio de 1965. Ascenso Carneiro Gonçalves Ferreira nasceu, no ano de 1895, na cidade de Palmares. Em 1920, mudou-se para o Recife, onde foi colaborador de alguns jornais locais e deu início a sua carreira literária. Ele se voltou para temas regionais, que foram reunidos em livros como "Catimbó" (1927), "Cana Caiana" (1939), "Poemas 1922-1951" (1951), "Poemas 1922-1953" (1953), "Catimbó e outros poemas" (1963), "Poemas" (1981) e "Eu voltarei ao sol da primavera" (1985). Outros livros ainda foram publicados postumamente.
Na foto, Rosas para Lourdes Ascenso (Luciano Ferreira).

Mês das decisões

Pode ser das mães e das noivas, esse mês de maio. Mas é sobretudo o mês das decisões políticas, no rumo das convenções eleitorais de junho.

As convenções homologarão as decisões tomadas agora. Por isso, cada minuto vale por um dia. E, para acumular forças na direção dos objetivos pretendidos, tudo vale a pena, desde que alma não seja pequena – conforme ensina Fernando Pessoa.

Aliás, palavra de poeta vale numa hora dessas. Razão emoção devem caminhar juntas, assim como determinação e leveza; firmeza de propósitos e habilidade tática.

Os resultados virão à tona antes mesmo da fogueira de São João.

História: 5 de maio de 1818


O jovem Karl Marx
Nasce em Treves, Alemanha, Karl Marx, fundador ao lado de Engels do socialismo científico, autor do "Manifesto do Partido Comunista" e de "O Capital", dirigente da 1ª Internacional e principal teórico da luta dos trabalhadores nos últimos 150 anos pela superação do capitalismo.

Sabedoria popular cibernética

Ditados do Século 21
Waldir Pedrosa Amorim

1. A pressa é inimiga da conexão.
2. Amigos, amigos, senhas à parte.
3. Antes só que em chats aborrecidos.
4. A arquivo dado não se olha o formato.
5. Diga-me que chat freqüentas e te direi quem és.
6. Para bom provedor uma senha basta.
7. Não adianta chorar sobre arquivo deletado.
8. Em briga de namorados virtuais não se mete o mouse.
9. Em terra off-line, quem tem discada é rei.
10. Hacker que ladra, não morde.
11. Mais vale um arquivo no HD do que dois baixando.
12. Mouse sujo se limpa em casa.
13. Melhor prevenir do que formatar.
14. Quando a esmola é demais, tem vírus anexado.
15. Quando um não quer, dois não teclam.
16. Quem ama um 486, Core duo lhe parece.
17. Quem clica seus males multiplica.
18. Quem com vírus infecta, com vírus será infectado.
19. Quem envia o que quer, recebe o que não quer.
20. Quem não tem banda larga, caça com discada.
21. Quem nunca errou, que aperte a primeira tecla.
22. Quem semeia e-mails, colhe spams.
23. Quem tem dedo vai a Roma.com .
24. Um é pouco, dois é bom, três é chat.
25. Vão-se os arquivos, ficam os back-ups.

04 maio 2008

Meio ambiente em pauta

No Vermelho:
PCdoB reafirma visão marxista da preservação ambiental
. Depois de realizar seu primeiro seminário sobre a questão ambiental e o desenvolvimento, o PCdoB prepara sua participação na 3ª Conferência Nacional de Meio Ambiente, dias 7 a 10 de maio, em Brasília. O convite feito aos comunistas é resultado do aprofundamento e contundência dos debates ocorridos durante o evento do partido, feitos com base na visão marxista que procura equilibrar desenvolvimento e preservação.
. Além de ser representado por dezenas de delegados eleitos durante os processos estaduais de debate – ao todo foram 115 mil pessoas mobilizadas em todo Brasil – o PCdoB contará ainda com cinco participações especiais, entre elas a do secretário nacional de Meio Ambiente, Aldo Arantes; do membro do Comitê Central, José Carlos Ruy e de Gilda Almeida, responsável pela área de defesa de Meio Ambiente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).
. Para afinar a atuação dos comunistas na conferência do governo federal, haverá uma reunião preparatória com todos os delegados do PCdoB eleitos para o evento. Será no dia 7, quarta-feira, a partir das 17h na sede nacional do partido em Brasília. O objetivo é que os comunistas participem da conferência norteados pelos resultados obtidos no seminário.
. Em entrevista ao Vermelho, Aldo Arantes faz um balanço dos principais aspectos tratados durante o seminário Meio Ambiente e Desenvolvimento, que reuniu 117 participantes de 17 estados dias 10 e 11 de abril, em Brasília. Acompanhe os principais trechos http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=36990
Foto: Aldo Arantes, dirigente do PCdoB

03 maio 2008

Millôr sabe o que diz

O hai-kai,
Descobri noutro dia,
É o orvalho da poesia.