28 fevereiro 2009

Acordo ortográfico

Na Revista Bravo!, por Anna Carolina Raposo:
Qual o destino dos livros depois da reforma ortográfica?
O novo acordo ortográfico dos países lusófonos trouxe, além da unificação da língua escrita, também algumas inquietações a editores e escritores: os livros que não ganharem reedições ficarão datados? Sofrerão desvalorização? O que fazer com os acervos bibliográficos?
. Caem tremas, hífens, acentos diferenciais e começam as preocupações de escritores, editores e educadores. Com o novo acordo ortográfico, uma grande quantidade de material editorial terá de ser revisada, substituída, descartada. Alterações que envolvem esforço e investimento. As editoras já prepararam novos exemplares dos livros didáticos e paradidáticos, incluindo os destinados à compra governamental. Mas o mesmo não aconteceu com a literatura adulta, sem cota prevista de vendas. O escritor Fernando Molica preocupa-se com um possível desaparecimento de títulos. Molica tem quatro livros publicados - o último deles, O Ponto da Partida, em 2008, ainda sob a ortografia antiga.
. O escritor prevê que, com as novas regras, os livros escritos na grafia antiga tenham uma vida útil de apenas dois anos. "Depois disso, quando o leitor já estiver habituado, a escrita velha vai causar um estranhamento, um desconforto". Ele questiona o que vai acontecer com os que não passam da primeira edição. "Temo uma retirada de catálogo, uma limpeza de estoque, e fico com muito medo da produção contemporânea brasileira sumir. A gente corre o risco de perder conteúdo", explica.
. Os editores não compartilham desse medo. Eles argumentam que o que determina a permanência ou não das obras no mercado é a demanda, e garantem que o sumiço está fora de questão.
. "Na verdade, o que comanda a reedição é o interesse do mercado, na medida em que o estoque acaba. O público é quem pede. Não vamos reeditar um livro com uma tiragem mínima de três mil cópias, mas que vendeu 800. Mas também não vamos retirá-lo do mercado", afirma Sérgio França, coordenador editorial da Editora Record.

‘Ciência às seis e meia’ na rede

Ciência Hoje Online:
Palestras de divulgação científica para o público leigo serão transmitidas em tempo real pela internet
. A partir de março de 2009, o ‘Ciência às seis e meia’, projeto que oferece palestras de divulgação científica ao público leigo, terá uma grande novidade: será exibido on-line e em tempo real na página virtual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência do Rio de Janeiro. Parceria entre a SBPC-RJ e o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), as palestras de 2009 acontecerão nas primeiras quartas-feiras do mês, a partir de março, no auditório do CBPF Ministro João Alberto Lins de Barros.
. Segundo Marcio Antonio Maia, pesquisador do Observatório Nacional e organizador do projeto, foi a parceria com o CBPF e o fato de este contar com infra-estrutura para transmissão de eventos pela internet que levou à ideia da exibição em tempo real das palestras de 2009.
. “Com isso, virtualmente passamos a levar este ciclo para qualquer lugar do mundo com acesso à internet”, lembra Maia. “A ideia é ampliar a audiência, e por isso também entraremos em contato com museus e planetários para estimular a transmissão do evento em suas salas, e assim atingir um público ainda maior.”
. Como em 2009 se comemora o Ano Internacional da Astronomia e o Ano Internacional do Planeta Terra, haverá quatro palestras dedicadas a esses temas: ‘Uma breve história do Universo’, sobre o Big Bang; ‘A descoberta da nascente do rio Amazonas’; ‘Clima espacial – O que temos a ver com isto?’; e ‘Buracos Negros: rompendo os limites da ficção’. Também estão programadas palestras sobre os costumes e a arte dos egípcios antigos, sobre bioarqueologia, sobre a crise econômica e sobre experimentos modernos que buscam entender a natureza da matéria, como o colisor de hádrons.
. Para o astrônomo, o ‘Ciência às seis e meia’ teve um resultado positivo nos anos anteriores. “Existe uma clientela ávida por saber das novidades da ciência. Contamos com uma parcela de ‘sócios de carteirinha’ que são assíduos frequentadores das palestras desde 2005, quando o projeto começou”, afirma ele. “Alguns dos temas das palestras de 2009, inclusive, foram propostos por esse público cativo.”
. Maia ainda lembra que, para assistir às palestras em tempo real na página virtual da SBPC-RJ, não é necessário nenhum programa específico além do navegador de internet, e que as palestras continuarão a ser gravadas e disponibilizadas em rede.

27 fevereiro 2009

Midia parcial

Carta Maior, do blog de Rodrigo Vianna:
Contra PSDB, jornais exigem provas
. Imagine se um ex-assessor do governo da Bahia, do PT, tivesse morrido, poucos dias antes de depor ao Ministério Público, num caso que envolve corrupção? Imagine as manchetes a essa altura: "Ex-assessor petista aparece morto em Brasília". Seria manchete semana inteira, com matéria na Veja, e editorial na Folha.
. Em 2005, Roberto Jefferson deu uma entrevista exclusiva à Folha, em que lançava dezenas de acusações contra o governo federal. Foi nessa entrevista, também, que Jefferson cunhou a expressão "Mensalão". Vocês se lembram da manchete da Folha de S. Paulo na época? Não? Então, relembremos: "PT dava mesada de R$ 30 mil a parlamentares, diz Jefferson".
. Agora, comparemos com o título da última sexta-feira (20/02/2009 - no "pé" da primeira página da Folha), sobre a denúncia do PSOL de Luciana Genro contra Yeda Crusius, governadora do PSDB:"Sem provas, PSOL acusa tucanos de corrupção no RS".
. Por que este "sem provas" tão cuidadoso, no título da última sexta-feira (20/02/2009)? Por uma questão de isonomia, o correto seria "Governo tucano tem corrupção e caixa dois, diz PSOL".
. Por que o mesmo "sem provas" não apareceu na manchete quando Jefferson deu sua entrevista?

Boa tarde, Cora Coralina

Velho

Estás morto, estás velho, estás cansado!
Como um suco de lágrimas pungidas
Ei-las, as rugas, as indefinidas
Noites do ser vencido e fatigado.

Envolve-te o crepúsculo gelado
Que vai soturno amortalhando as vidas
Ante o repouso em músicas gemidas
No fundo coração dilacerado.

A cabeça pendida de fadiga,
Sentes a morte taciturna e amiga,
Que os teus nervosos círculos governa.

Estás velho estás morto! Ó dor, delírio,
Alma despedaçada de martírio
Ó desespero da desgraça eterna.

Dívida pública/PIB

Da Agência Brasil:
Dívida do setor público chega a R$ 1,091 trilhão e representa 36,6% do PIB
. A dívida do setor público chegou a R$ 1,091 trilhão em janeiro, o que corresponde a 36,6% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Em relação a dezembro, houve um aumento de 0,8 ponto percentual, segundo dados divulgados hoje (27) pelo Banco Central.
. Segundo o Banco Central, o aumento é devido aos juros, a ajustes por conta do aumento do câmbio e à paridade da cesta de moedas que integram a dívida externa líquida.Quanto menor a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB, maior a confiança dos investidores de que o país honrará os seus compromissos.
. Para este mês, a projeção do BC é que a dívida em relação ao PIB chegue a 36% e a 35% ao final do ano.

Solidariedade ao MST

No Vermelho:
CNBB defende MST contra parcialidade de Gilmar Mendes
. Porta-voz da Confederação Nacional dos Bispo do Brasil (CNBB), o padre Nelito Dornelas, criticou as reações públicas contra o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) no conflito que resultou nas mortes de quatro seguranças das fazendas Jabuticaba e Consulta em Pernambuco. Diante do caso, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, combateu o financiamento público às entidades que “promovem ocupações ilegais.”
. Nesta quinta (26), depois de condenar as ocupações em Pernambuco durante o carnaval, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) elogiou a posição do presidente do STF. O mesmo fez o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), para quem Gilmar Mendes “prestou um grande serviço ao Brasil.”
. “A igreja fica indignada com essa parcialidade. Por que a Justiça é tão ágil para se posicionar contra os movimentos sociais, mas não para julgar os latifundiários? Somos radicalmente contra a morte, mas essa parcialidade nos entristece”, disse o padre Dornelas em entrevista ao Jornal do Brasil.
. Segundo ele, a CNBB espera que o caso seja apurado rapidamente e que os culpados sejam punidos, mas criticou as reações públicas contra o movimento. O padre informou que os advogados da Comissão Pastoral da Terra já estão acompanhando o caso. Ele diz que o MST não é um movimento marginal e nem terrorista.
. O padre Dornelas exemplificou como parcialidade a não condenação do fazendeiro acusado de matar a missionária Doroty Stang em Anapu (PA), caso que completou quatro anos na última quinta (12). O mandante do crime, fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, foi absolvido pela Justiça do Pará no ano passado.
. Em nota, o MST afirmou que os acusados de matar os quatro seguranças em Pernambuco agiram em legítima defesa para evitar um massacre. Segundo o movimento, desde sábado pistoleiros e milícias armadas rondavam os acampamentos. Eles entraram no local e agrediram um trabalhador. O tumulto começou quando um dos segurança sacou uma arma.

26 fevereiro 2009

O olhar de Enio sobre a disputa Dilma X Serra

Charge de Enio Lins publicada na Gazeta de Alagoas.

Meu artigo semanal no site da Revista Algomais

Fragmentos da vida longe da folia
Luciano Siqueira

É um velho hábito. Deixo se acumularem sobre uma cadeira, ali na varanda, próximo à rede, folhas e folhas de jornais dias a fio. De vez em quando arranco uma página qualquer e me deixo surpreender pelo que está escrito.

Outro dia li que o presidente de uma grande empresa jurara de pés juntos que não demitiria trabalhadores em razão da crise financeira global. - Nossa empresa é saudável, bem planejada, cronogramas em dia, não há motivo para dispensar ninguém. Isso foi há nada mais do que dez dias. Mas em todos os jornais de anteontem há manchetes falando de quase seis mil demissões em três unidades da empresa espalhadas por dois estados.

E tem o caso da atriz global fotografada aos mimos com o namorado. – Nosso amor é indestrutível, basta de fofocas! Mas a vida parece bem mais complexa do que mexericos de colunistas mundanos. Não é que foram parar na delegacia de polícia, a atriz e o namorado, por uma surpreendente troca de sopapos em restaurante fino do Rio!

Não são todos os dias, que tenho mais o que fazer, mas que me divirto não posso negar, mexendo em recortes de jornais velhos.

Comentando o assunto com um amigo, ouvi de pronto a sentença condenatória: - Coisa de quem quer perder tempo!

Mas não é isso, não. O amigo está completamente enganado. Ganho tempo. E aprendo. Como assim? Observando as coisas da vida, ora.

Agora mesmo tenho comigo um recorte tipo verso e reverso da condição humana. É da Folha de S. Paulo. De um lado, o anúncio de faraônico condomínio residencial com tudo o que nem consigo imaginar. Coisa para aquela elite sofisticada que concentra mais de noventa por cento da renda do país. Do outro lado, notícias de ocupação de imóveis abandonados por sem-teto.

Mexo nessas coisas e faço essas anotações sem eira nem beira em pleno carnaval, longe da folia e às voltas com coisas que guardo justamente para isso: consultar quando nada tiver para fazer além de matar o tempo.

Longe da folia, sim. Bem que podia estar subindo e descendo as ladeiras de Olinda ou me deliciando no Recife Antigo, atrás de blocos, troças, maracatus, caboclinhos, bois. Mas acontece que o uso do cachimbo entorta o lábio. Oito anos distante da festa para fugir do roteiro oficial de vice-prefeito, resolvi escapar novamente, recolhido às minhas leituras ou protegido pela película escura do carro, a salvo das tentações de Momo. Por enquanto, antes que um fato novo me desminta.

Bom dia, Lêdo Ivo

Barsot

Soneto puro

Fique o amor onde está; seu movimento
nas equações marítimas se inspire
para que, feito o mar, não se retire
das verdes áreas de seu vão lamento.

Seja o amor como a vaga ao vago intento
de ser colhida em mãos; nela se mire
e, fiel ao seu fulcro, não admire
as enganosas rotações do vento.

Como o centro de tudo, não se afaste
da razão de si mesmo, e se contente
em luzir para o lume que o ensolara.

Seja o amor como o tempo — não se gaste
e, se gasto, renasça, noite clara
que acolhe a treva, e é clara novamente.

Educação privada sob risco

. A informação se refere a São Paulo, mas reflete a realidade do conjunto do país. São os efeitos da crise sobre empresas privadas de educação.
. Estudo feito pelo Semesp (sindicato das escolas particulares) indica que 41,5% das universidades privadas de São Paulo terão neste ano um número menor de novos alunos em relação a 2008. Para o setor, a queda é reflexo da crise e do aumento do desemprego.
. Entretanto, para alguns analistas há a incidência de outros fatores: má qualidade de cursos e oferta de vagas superior à demanda.
. Para atenuar os efeitos da crise, as instituições privadas de ensino vão pedir ao BNDES linha de crédito especial, com recursos públicos e juros inferiores aos cobrados pelo mercado.
. Mas o MEC irá recomendar que empréstimos só sejam dados a escolas com boas notas nas avaliações.

Partilha desigual

. O trabalhador paga duas vezes. Nos períodos de expansão da economia é submetido a condições em geral escorchantes da venda de sua força de trabalho, via salários insuficientes e direitos via de regra desrespeitados. Em tempo de crise, as empresas colocam o corte de mão de obra no primeiro item da redução de custos. E disso se aproveitam para imporem suas condições.
. O Valor Econômico noticia que os acordos para redução de jornada e de salários multiplicaram-se em fevereiro e envolveram trabalhadores de um número maior de segmentos. O número de trabalhadores que tiveram sua renda reduzida em função desses acordos, licenças ou suspensão temporária dos contratos praticamente triplicou em fevereiro, totalizando 90.163 pessoas, contra 31.553 em janeiro.
. Além dos setores que sofrem os efeitos do agravamento da crise internacional desde o fim de 2008, como o automobilístico, também fizeram acordos empresas dos setores agrícola, de alimentação, borracha e aviação. . O total das demissões em massa (considerando cortes de pelo menos cem pessoas por empresa) também aumentou, totalizando 9.454 até o momento, contra 6.791 em janeiro. Os cortes envolvem empresas de grande porte e que fazem parte de uma longa cadeia produtiva, como Embraer, AGCO, Dana e Nilza.

Magistrado parcial

. Com todo respeito que devemos ter pelo cargo que ocupa, é claro que o presidente do Superior Tribunal Federal, Gilmar Mendes, fala demais. E diz o que não deve.
. Se todo juiz deve se eximir de tomar partido em questões de aberto conflito político e social, para que não se possa argüir adiante sua suspeição, mais ainda o ministro que presidente a suprema corte do país.
. A última de sua incontinência verbal: atacou de uma só vez o MST, pela forma como luta pelo direito à terra para quem nela deseja trabalhar e precisa; e o governo federal, que julga o ministro ser conivente como o movimento por permitir linhas de financiamento à produção em assentamentos.
. Aliás, as extemporâneas e inadequadas declarações do ministro – que o colocam em postura nitidamente parcial – são enaltecidas pela grande mídia. Se fosse o contrário, o ministro apoiasse o MST e o governo, estaria sendo execrado.
. Analise e tire suas próprias conclusões.

Ritmo intenso

Coluna Diário Político (Diário de Pernambuco:
No acelerador - Depois de três mandatos como deputado federal, o prefeito de Olinda, Renildo Calheiros (PCdoB), diz que ainda não teve tempo de dimensionar as diferenças entre o Legislativo e o Executivo. Explica que não teve tempo de fazer reflexões diante da carga de trabalho que enfrentou para preparar e realizar do carnaval da cidade. Sabe apenas que o ritmo da administração tem sido, até agora, mais acelerado que o frevo rasgado.

25 fevereiro 2009

Enio vê a ministra Dilma no carnaval do Recife

Um presente para o nosso modesto blog, do amigo Enio Lins, da Gazeta de Alagoas, depois que comentei com ele a falta de jeito da ministra Dilma na abertura do carnaval do Recife, sexta-feira última: "Maracatu é nome de bloco?", teria perguntado ela quando assediada pela imprensa... (LS).


Meu artigo de toda quarta-feira no Blog de Jamildo (JC Online)

Agora é cinzas e a vida recomeça
Luciano Siqueira

Estávamos no regime militar e uma revista semanal (Veja ou Manchete, não lembro bem) botou na capa uma foto do general Costa e Silva solitário e o título “O carnaval acabou. Façam a crise, senhores.” Como se a folia tivesse sido uma trégua que agora dava lugar à guerra.

Deve ter sido. A ditadura fechava as portas à participação de civis na cena política, mas abrigava em seu seio – no Estado Maior das Forças Armadas principalmente – a luta renhida pelo controle da máquina do Estado, nem sempre dissimulada ou restrita à caserna.

Agora que respiramos democracia, mesmo defeituosa e elitista, as coisas acontecem às claras. O jogo do poder transcorre na esquina mais próxima e nas páginas dos jornais – ora em termos elevados, ora pelas vias deploráveis de acusações pessoais, intrigas, traições e quejandos. Mas numa coisa há semelhanças com os sombrios tempos ditatoriais: o carnaval continua sendo uma referência do antes e depois, no que se refere à luta política e a muitas outras coisas importantes da vida do país e cá da província.

Isso vale sobretudo para Pernambuco, onde em alguns lugares a festa já começa no primeiro dia de janeiro – Olinda, então, nem se fala – e só termina no próximo domingo. Tudo o que aconteceu antes terá sido apenas uma tosca prévia do que agora vem pra valer.

Pois bem. Hoje é quarta-feira de cinzas e ainda tem carnaval rolando por aí. Mas a vida real abre o seu espaço. Em tudo. Da crise mundial aos conflitos no campo brasileiro e às démarches para o pleito de 2010.

O presidente Obama, no seu Discurso à Nação, estreando no parlamento norte-americano, ontem (lá não tem carnaval), disse que "chegou o momento de abrir os olhos" e assumir a responsabilidade pelo futuro do país diante da crise econômica e pediu leis mais fortes para controlar a especulação e o sistema financeiro dos Estados Unidos. Uma mea culpa com todas as letras em nome do império do norte.

Aqui pertinho de nós o MST informa que os trabalhadores que participaram do confronto que causou a morte de quatro capangas do proprietário, sábado, em São Joaquim do Monte, abandonaram a fazenda ocupada. É a ponta do iceberg de um conflito histórico que está longe de acabar em nosso país.

E na política o que se viu durante a algazarra de Momo foi apenas o desfile de parte dos atores mais ativos na cena, aqui e alhures. Uns porque sempre brincaram o carnaval, são filões de quatro costados; outros na esperança de ganharem um pontinho a mais na preferência do eleitorado.

Aliás, terminando essa divagação, comentei com Enio Lins, cartunista da Gazeta de Alagoas, o desconforto da ministra Dilma na abertura do carnaval do Recife, sexta-feira última, e dele ganhei uma charge exclusiva para o meu blog www.lucianosiqueira.blogspot.com, que aqui disponibilizo para o amigo e editor Jamildo.

Um conto para curtir a ressaca

As Pretinhas do Congo
Marco Albertim*
A água do rio Goiana não refletiu as cores da bandeira d’As Pretinhas do Congo; não neste carnaval. Justo no ano em que o bloco conseguiu dois mil reais da Fundarpe, para mostrar sua devoção à iabá que a protege. Trinta negros, entre homens e mulheres, a maioria moços, usando roupas vermelhas e negras, puseram-se entre o rio e a casa. A bandeira, abrigada na sala, apoiada na parede feito um altar; a ponta, em cima, alcançou o telhado. Valdo, o pescador, pusera-a ali para, no culto ruidoso que faz em homenagem ao orixá, aumentar a força da divindade; sentir, ele, os benefícios no fundo do jereré içado do rio. Pusera-a antevendo siris, camarões, pitus, peixes miúdos. Fora tecelão o negro de 71 anos. A fábrica fechou, faliu, ele virou pescador, forçou-se dentro de uma canoa, no manejo do remo, inda que a usina tenha tingido a água com a calda da cana.
Leia o conto na íntegra http://ma.albertin.zip.net
* Jornalista e escritor.

Frevo, ironia e cachaça

O carnaval que cada um merece
Maviael Melo*

Lendo uma coluna de algum jornal desses virtuais, deparo-me com um texto de alguém, que insatisfeito com o carnaval, falava mal tanto de quem ficou na cidade, quanto de quem saiu, segundo ele, da sua “cidadela”.

Pôrra! O cara não viaja e reclama de quem vai. Fica e reclama de quem fica... ou seja: nem viaja e nem fica, contradizendo os poetas dos Vates e Violas. (Quem não viaja! Fica!)

Eu, a cada ano que passa, descubro quantos carnavais ainda terei que inventar, e seguirei poeta, criando uma marchinha para cada emoção, dançando em salões di-versos diferentes, de acordo com as rimas de versos na mente, com os amigos, que assim com eu também constroem seus próprios carnavais, com mais ou menos cédulas disponíveis, sim, pois cada carnaval tem seu custo. Mas será que custa muito pensar em como se diverti, ou é melhor aceitar e ficar na minha cidade sem grana, sem graça, bradando em alto e bom som: “esse carnaval de merda.” mas de quem é a merda? Até onde se acredita no carnaval enquanto manifestação culturalmente popular?

Como diria Jessier: “... basta subir pra riba, meio dúzia de corruto, quatro babão, cinco putas...” nesse caso: meia dúzia de amigos, amigas, os bebuns de plantão, os amantes da folia e se possível é claro uma ruma de quenga. “... dois piston e um tarol e pode até ficar melhor ficar melhor com uma torcida pra torcer”, levantar da cadeira, desligar a porra da TV, comprar uma caixa de cerveja, cachaça, enfeitar com uns enfeites, o que pode ser enfeitado, criar um refrão e pronto... eis o carnaval.

Segundo o mestre Luciano Siqueira no seu texto Alegria Guerreira, quando se refere à festa: “Manifestação do modo de sonhar, sofrer, lutar, sentir e amar de nossa gente” (www.lucianosiqueira.blogspot.com), então, cada um sonha, sofre, luta, sente, ama e goza, do jeito que tem que ser, ou do jeito que consegue, através do que o coração sente e da capacidade individual de cada um produzir, conquistar e convencer.

Fazer carnaval é viver!

Ficou na cidade, acorde seu sonho
não espere a palavra pra onde seguir...
escreva seu frevo pra assim prosseguir
e tire da mente o verso tristonho
olhe o negro d´água, sinta ele risonho
faça do seu canto a sua aquarela
não fique falando, criando querela
escreva seu verso sem tanta tristeza
desligue a TV... levante da mesa
ou entre no bloco "dessa cidadela"!

Bispo Maviael Melo
Acabando de chegar do carnaval que merece... pense numa cachaçada boa que só a gota serena!
___
* Poeta e folião.

23 fevereiro 2009

No YouTube

. É apenas um trecho, em vídeo. Mas dá uma idéia do que foi o nosso primeiro pronunciamento na Câmara Municipal do Recife situando politicamente o nosso mandato.
. Basta acessar YouTube service@youtube.com e procurar As prioridades do mandato de Luciano Siqueira.

Aquecimento global no carnaval

. Coisa de quem está fora da folia. Ao invés dos acordes do frevo e do maracatu, notas de leitura. Daí pensar em aquecimento global em pleno carnaval...
. Deu na Folha de S. Paulo dias atrás. A Agência Internacional de Energia tem uma má notícia para o planeta: na melhor das hipóteses, o aquecimento global neste século deverá ser de trágicos 3C em relação à era pré-industrial. A redução de emissões de gases-estufa necessária para evitar a mudança climática perigosa pode não ser tecnicamente viável.
. O veredicto está no "Panorama Global de Energia 2008", documento que apresenta as tendências do cenário energético mundial. O período analisado vai de 2006 a 2030.
. Segundo o relatório, a estabilização da concentração de gás carbônico (CO2) em 450 ppm (partes por milhão) na atmosfera -que produziria um aumento "seguro" da temperatura global de 2C- dificilmente será obtida. O máximo a que o mundo pode aspirar, e a um custo alto, é a estabilização em 550 ppm, o que produziria um aquecimento de 3C.

Boa noite, Waldir Pedrosa Amorim

Picasso
À mesa

À mesa posta,
um condimento
desvendado.
Afetos denunciados
no pão, no vinho, nos pratos.

Sob o prisma da soberania nacional

No Vermelho:
A questão da natalidade
Eduardo Bomfim*

O Brasil, ao longo dos últimos anos, vem alcançando um estágio mais elevado de crescimento econômico, apesar de algumas décadas serem consideradas como perdidas e efetivamente o foram.

Para quem não observa o mundo e o seu país simplesmente através de uma espécie de presente contínuo, é possível enxergar que houve mudanças quantitativas e qualitativas nas realidades dos mundos rurais e urbanos das várias regiões da nação.

Tem sido um caminho sinuoso, cheio de avanços e recuos, mas tem prevalecido, pela vontade dos brasileiros, dos segmentos progressistas e patrióticos, a necessidade histórica do país atingir um patamar civilizatório condizente às suas potencialidades naturais e larga extensão continental.

Há ainda, a singular miscigenação decorrente da cultura africana, indígena, e quanto aos portugueses, também de um caldeirão de inúmeros povos fruto de sucessivas invasões, dos godos, visigodos, do império romano aos mouros, só como exemplos.

De tudo isso, no que já foi denominado como a América portuguesa, vem sendo forjada uma nova civilização tropical, constituída por cento e oitenta e cinco milhões de habitantes. Uma população, diga-se de passagem, muito aquém das imperiosas necessidades de povoamento de um imenso espaço continental extremamente cobiçado por inúmeras nações do chamado primeiro mundo.

E nesse caso há um intenso debate sobre o controle da natalidade no Brasil, uma polêmica que muitas das vezes adquire um caráter unilateral. Porque é fundamental considerar o inquestionável direito dos casais em planejar as suas proles, ao lado da absoluta necessidade do povo brasileiro em preencher as vastas imensidões do território nacional.

Essa é uma das questões determinantes para a manutenção da integridade do território brasileiro, relativa à defesa nacional. Por outro lado, é falsa a tese de que se combate a pobreza através do controle da natalidade.

Ela não será reduzida pela esterilização dos pobres, mas através da distribuição da riqueza nacional, da consolidação de um poderoso mercado de trabalho e o aumento persistente da renda do trabalhador. Na modernização, em escala bem mais avançada, das relações de produção e trabalho no grande Brasil rural, dos Grandes Sertões e Veredas de Guimarães Rosa.

Com muitos sofrimentos, uma vocação extraordinária para a felicidade, o povo brasileiro vai povoando o seu país e construindo o seu futuro.
* Advogado, ex-deputado federal constituinte, atual presidente da Fundação Cultura de Maceió.

Com o lábio torto...

. O uso do cachimbo entorta o lábio, diz sabiamente nosso povo. E é a pura verdade.
. Oito anos distante da folia para escapar às obrigações oficiais na Prefeitura, esse amigo de vocês – agora livre, podendo comandar a própria agenda – escapou novamente.
. Recolhido à leitura ou protegido pela película escura do carro está a salvo das tentações de Momo.
. Por enquanto.

O prazer e a dor

. As chuvas de ontem trouxeram muitos transtornos ao Recife. A fúria do vento e da água derrubou árvores e destruiu barracas ao lado do HR.
. Mas não impediu a alegria do povo que brinca de qualquer jeito, no sol ou na chuva.

22 fevereiro 2009

Tentando compreender a diversidade

Por e-mail, sobre o meu artigo “Divergências sem ruptura”: A vida é tão multidimensional, bem como suas relações e as condições objetivas que nos encontramos que as relações interpessoais se multiplicam em contextos. Desta forma, concordo com seu pensamento inicial. Realmente os cientistas políticos estão fora do foco da cotidianidade e tentam entender as chamadas reengenharias políticas sem de fato viver a realidade da prática política organizacional partidária ou institucional. Quanto ao sistema de alianças entre as alternativas limitantes e a indicação óbvia, sugiro outra linha de pensamento que é a de por estarem aliados não necessariamente devem estar alinhados, mas paradoxalmente devem se mostrar aliados, assim, o processo de discussão interna deve mostrar quais os caminhos a tomar e neste contexto a democracia vem a restabelecer o impasse estratégico. Neste caso venho a concordar com a finalização de seu pensamento. Ainda concordo com a afirmativa da diversidade partidária no que se refere às alianças contextuais das condições reais que se apresentam nos contextos experimentais: seja social ou econômico da vida social. Quanto ao ano de 2010, acredito que muitos debates ainda virão e muitas alianças ainda a construir.” (Ana Cláudia Dantas).

Carnaval: painel de comentários:

Sobre “A alegria guerreira” (veja postagem anterior), comentários recebidos por e-mail:
. “Seu texto, como sempre muito bom. Carnaval-Alegria Guerreira, muito bem dito. Desde pequena sempre gostei e participei dos carnavais de Recife e Olinda, carnavais democrático de rua, ao lado do povo. Escrevi três artigos sobre os velhos carnavais, depois encaminharei para você. A decoração da cidade está linda, parabéns à Prefeitura!” – Inah Lins,
. “Não há festa popular no nordeste que se compare ao carnaval. Não tem Axé, micarande, micaroa, festival de inverno... que supere o carnaval de recife e Olinda. Sou paraibano, mas tenho a humildade de dobrar os joelhos aos bonecos de Olinda, as troças, ao Maracatu Rural e aos bombos que soam no Recife Antigo. PARABÉNS PERNAMBUCO GUERREIRO!” - Melquiades Pereira.
. “Adorei! Gosto muito também da frase de Ronidalva:” Todo pernambucano tem um compromisso cívico com o carnaval". – Cacilda Medeiros.

Maestro Fernando Borges vive

O "Galo da Madrugada”, para mim, é saudade!
Marieta Borges*

A manhã ensolarada convida ao frevo a multidão que segue o GALO DA MADRUGADA, pelo centro do Recife... Como sempre, alegorias enfeitam essa cidade de rios e de pontes. Gente fantasiada, irreverente e criativa por todos os lados. O frevo “rasga” os espaços lotados. Aqui e ali outros ritmos pernambucanos abrem lugar para mostrar a diversidade desse carnaval bonito e diferenciado de todos os outros estados do Brasil. Carros alegóricos e trios elétricos se sucedem, todos compromissados em executar apenas a música plena de riqueza desse Pernambuco de tantas nuances musicais...

De longe, olho a multidão e escuto seu “grito de guerra”: “Ei, pessoal! Vem, moçada! Carnaval começa no Galo da Madrugada”... E esse refrão aumenta a minha saudade de outros carnavais, quando um enorme palco fechava a Ponte da Boa Vista, para esperar que o Galo chegasse... Era ali, naquele espaço privilegiado, que pontificava o talento, a animação e o virtuosismo do Maestro FERNANDO BORGES, que por horas e horas mantinha aceso o ardor da multidão que o rodeava.

Era um deslumbramento! Todo aquele povo dançava e cantava junto com ele! Para a frente, toda a Avenida Guararapes... Para os lados, toda a Rua do Sol, beirando o Rio Capibaribe... Para trás, toda a Avenida Conde da Boa Vista e a Rua da Aurora, essa também cortejando o rio... Horas de frevo genuíno, de canções fora-de-época, adaptadas para o alucinante ritmo pernambucano.

Fernando Borges era soberano naquele palco! Sua alegria, sua resistência, sua capacidade de animar e fazer pular todo o enorme público que lotava o centro recifense, tornava a espera uma delícia, até que o cortejo chegasse e ele cedesse ao “Galo” o direito de conduzir o povão a partir da Praça Joaquim Nabuco.

Já se passaram dez anos desse carnaval, que esperava o “Galo da Madrugada” chegar ao centro do Recife, mantendo a chama de força e da animação, para continuar com os trios depois que o “Esperando o Galo” silenciava.

Até o dia que o Maestro calou-se para sempre! Até o dia em que o Carnaval perdeu o seu maestro, agora reconhecidamente patrono da Escola Municipal de Frevo, que leva o seu nome e cultua a sua memória.

Hoje, um galo de proporções gigantesca enfeita a mesma ponte que fez o delírio de tantos. O maestro de muitos carnavais foi substituído por outros artistas, cada um dando o melhor do seu talento para manter viva a tradição carnavalescas que tanto nos honra.

Para mim, admiradora de todo esse passado, o “Galo da Madrugada” é também a lembrança do meu irmão, do meu ídolo, do meu Maestro FERNANDO BORGES, que deve – com certeza – “estar fazendo Carnaval no céu”, como cantou o compositor Getulio Cavalcanti...

Para mim, o Galo da Madrugada é, principalmente, saudade!
________
* Educadora, poeta, historiadora e pesquisadora. Autora de "“Fernando de Noronha: Cinco Séculos de História”.

Por dentro das novas regras

. Para quem quer ficar por dentro das novas regras estabelecidas pelo Acordo Ortográfico, aqui vai uma dica.
. A professora Cláudia Suassuna ministrará curso sobre o assunto no Espaço Cultural Ariano Suassuna, na Estrada do Arraial, 2900, Casa Amarela (logo após o Hospital Agamenon Magalhães, seguindo em frente no sentido cidade-bairro).
. Para turmas de 25 alunos.
. Carga Horária: 04 horas/aula (01 encontro semanal, com duas horas de duração - 04 encontros). Período: dias 10 /17/24/31 de março. Horário: 19h às 21 h.
. Custo: R$ 130,00 em duas parcelas de R$ 65.00, a primeira no ato da inscrição.

Carroça feminista

Carroça coberta por frases contra a violência sexista flagrada na Rua Gervásio Pires, no Recife.

21 fevereiro 2009

20 fevereiro 2009

Bom dia, Cecília Meireles

Picasso
Mulher ao espelho


Hoje, que seja esta ou aquela,
pouco me importa.
Quero apenas parecer bela,
pois, seja qual for, estou morta.

Já fui loura, já fui morena,
já fui Margarida e Beatriz,
já fui Maria e Madalena.
Só não pude ser como quis.

Que mal fez essa cor fingida
do meu cabelo, e do meu rosto,
se é tudo tinta: o mundo, a vida,
o contentamento, o desgosto?

Por fora, serei como queira,
a moda, que vai me matando.
Que me levem pele e caveira
ao nada, não me importa quando.

Mas quem viu, tão dilacerados,
olhos, braços e sonhos seus,
e morreu pelos seus pecados,
falará com Deus.

Falará, coberta de luzes,
do alto penteado ao rubro artelho.
Porque uns expiram sobre cruzes,
outros, buscando-se no espelho.

Para quem vai viajar

No G1:
Recomendações da Polícia Rodoviária Federal:
. O motorista deve se informar sobre as distâncias que vai percorrer, condições do tempo, pontos de parada, existência de postos de combustíveis e de restaurantes à beira da estrada. Não esquecer documentação pessoal e do veículo;
. É necessário providenciar a checagem do automóvel mesmo para pequenas viagens. As lâmpadas dos faróis devem estar funcionando, os pneus, calibrados e em bom estado, o motor revisado, com óleo e nível de água do radiador em dia. Não esqueça de verificar a presença e estado dos equipamentos de porte obrigatório, principalmente pneu estepe, macaco, triângulo e chave de roda, além dos limpadores de para-brisa e luzes do veículo;
. As paradas devem ser feitas de três em três horas. A polícia diz que, quem se expõe a muitas horas dirigindo, fica sujeito à "hipnose rodoviária", mantendo os olhos abertos, mas sem percepção da realidade à sua volta. Ela geralmente é acompanhada de sonolência, perda de reflexos e de força motora;
. Evite circular à noite, por causa da queda da visibilidade e do aumento dos crimes nesse período;
. Observe as placas de sinalização, principalmente as que indicam os limites de velocidade e as condições de ultrapassagem.

Millôr e o carnaval do Rio


Comissões técnicas

Folha de Pernambuco, por Gilberto Prazeres:
Câmara escolhe presidentes de comissões
Ex-prefeito do Recife Luciano Siqueira (PCdoB) comandará a Comissão de Desenvolvimento Econômico
. Nos últimos dois dias, foram instaladas as 12 Comissões Permanentes da Câmara Municipal do Recife. A vereadora estreante na Casa, Marília Arraes (PSB), assumiu a presidência da Comissão Permanente de Políticas Públicas da Juventude. A socialista, que ficará à frente do grupo no próximo biênio, afirmou que, em reunião com os demais membros da comissão (o vice-presidente Inácio Neto - PTN, Priscila Krause - DEM e a suplente Aline Mariano - PSDB), ficou acordado que, com a proposta de fazer a população conhecer melhor o trabalho dos parlamentares, serão implementadas ações para aproximar as comunidades da Casa de José Mariano.
. “Ainda temos o plano de levar debates dos temas discutidos na Câmara às escolas públicas. A ideia é fazer com que o jovem entenda o papel e a importância do vereador para a cidade”, destacou Marília. O ex-prefeito do Recife Luciano Siqueira (PCdoB) comandará a Comissão de Desenvolvimento Econômico. A importância do diálogo com os diversos setores econômicos do Recife e a necessidade de capacitar os jovens para que eles possam concorrer às vagas de empregos a serem geradas na cidade foram as questões destacadas pelos integrantes no primeiro encontro do grupo, ocorrido ontem.
. Com o escândalo das notas frias, na última legislatura, uma comissão que deverá ganhar espaço na Câmara é a Ética Parlamentar. O grupo, que será presidido pelo vereador Amaro Cipriano - o Maguari (PDT) - foi criado para colaborar com o bom funcionamento da Casa e zelar pela imagem do Poder Legislativo. O pedetista acredita que esta será uma tarefa fácil de conduzir. “Assumo este posto com muita tranquilidade porque conheço a procedência de meus pares. Esta é uma Casa composta por parlamentares de um nível ético e cultural acima da média”, assegurou. Os nomes dos presidentes foram escolhidos pelos próprios membros de cada grupo nas reuniões realizadas durante a manhã no Plenário da Casa de José Mariano.

No clima

Blog da Folha:
. O vereador do Recife Luciano Siqueira (PCdoB) vê com bons olhos a vinda da ministra Dilma Roussef para o carnaval recifense. Segundo o comunista, o clima da festa popular pode contagiar positivamente a chefe da Casa Civil. "Dilma me parece eficiente, trabalhadora, mas talvez ainda com pouco jogo de cintura política. Quem sabe ela se deixe encantar com o frevo e o maracatu e adquira essa habilidade", brincou, em entrevista à Rádio Folha.
. Siqueira também minimizou a entrevista do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) à Veja, assunto de maior reverberação no meio político durante a semana. "Não li a entrevista na íntegra e prefiro não opinar por tratar-se de uma questão interna do PMDB. Acho, porém, pelo que vi, que não merecia toda repercussão que foi dada pela mídia", analisou.

19 fevereiro 2009

Carnaval

A alegria guerreira
Luciano Siqueira*

Fábrica de sonhos, festa demoníaca, desperdício de energias e dinheiro, expressão do modo de viver de nossa gente ou alegria guerreira. Depende do olhar de quem o vive, presencia ou analisa.

Talvez chamar o carnaval de fábrica de sonhos seja impróprio: os sonhos o precedem, durante a festa apenas se exteriorizam, extravasam de múltiplas formas.
Invenção do demônio é uma pecha que lhe atribuem olhos puritanos e repressivos desde que surgiu, dizem, nas sacristias católicas da Idade Média – como forma de desfazer-se da carne e enaltecer o espírito.

Desperdício para os que não enxergam as muitas nuances de toda uma cadeia produtiva que envolve investimentos, lucros e oportunidades de trabalho. Somas fabulosas – do merchandaise à geração de empregos temporários, diretos e indiretos.

Manifestação do modo de sonhar, sofrer, lutar, sentir e amar de nossa gente, sim – tudo traduzido na forma de uma alegria guerreira, na expressão cunhada pela pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco Rita de Cássia Barbosa de Araújo, autora do belíssimo artigo “Carnaval do Recife: a alegria guerreira” (revista Estudos Avançados – USP, abril de 1997).
É que no final do século XIX e início do século XX, só às elites era permitido participar da festa desfilando alegorias e clubes de máscaras, restando ao povo apenas ver e aplaudir. Daí o surgimento de agremiações populares destinadas a lutar pelo direito de brincar, abrindo alas e suplantando a norma iníqua e a repressão policial. Vassourinhas, Pás Douradas, Lavadeiras, Lenhadores e tantos outros surgiram inspirados na luta por direitos corporativos e pela liberdade de participar dos folguedos.

Deu no que temos hoje – no Recife, em Olinda e em muitas partes do território pernambucano o folião cai no frevo ou se deixa envolver pelo batuque mágico do maracatu, livre e espontaneamente, nas praças e nas ruas. Do jeito que lhe vier à telha, sem regras nem amarras.

Um carnaval democrático isento de proibições e restrições econômicas. Jamais pensar na compra de abadás nem em alguns privilegiados protegidos por cordões de isolamento no Galo da Madrugada, no Recife, ou em Pitombeiras e Elefante nas ladeiras de Olinda. Vale a liberdade conquistada há pouco mais de um século com muito sangue, suor e cachaça.
* Publicado simultaneamente no portal Vermelho www.vermelho.org.br e no site da Revista Algomais www.revistaalgomais.com.br.

18 fevereiro 2009

Meu artigo de toda quarta-feira no Blog de Jamildo (JC Online)

A crise, as queixas de Lula e o emprego
Luciano Siqueira


Em sua recente passagem por Salgueiro e Recife, o presidente Lula se queixou do empresariado brasileiro a quem acusa de dispensar trabalhadores além da conta usando como pretexto a crise. Segundo ele, se determinados setores industriais, por exemplo, vem recebendo apoio governamental não deveriam reduzir a força de trabalho empregada, ainda que amargando relativa redução de sua taxa de lucro.

É preciso, entretanto, ir além do sentimento de frustração do presidente. Pois o que aqui acontece é reflexo do fenômeno que assola a economia mundial a partir do seu epicentro situado nos EUA. O desemprego não é mero efeito natural da crise. Faz parte de toda uma engrenagem própria do sistema capitalista e que retorna sempre que nem sinal clínico intermitente em doente grave.

Há hoje duas faces da economia capitalista que se entrecruzam e guardam entre si relação contraditória – a economia produtiva, dita real; e a ciranda financeira, dita virtual.

Na economia produtiva o bloqueio da circulação do capital resulta de uma espécie de superprodução relativa de mercadorias – quando a produção excede em muito a capacidade de consumo da sociedade. De modo simplificado esta é a essência de todas as crises cíclicas do sistema.

Na economia dita virtual, que expressa a enorme defasagem entre a produção real e os registros contábeis estratosféricos de capital fictício, o capital tem interrompido a sua circulação com a restrição abrupta do crédito e de outras modalidades de investimento financeiro.

As duas coisas acontecem simultaneamente hoje no mundo, puxadas pela débâcle financeira.

Nesse ambiente econômico restritivo, cai substancialmente a taxa média de lucro e o empresariado é levado a reduzir custos de todas as maneiras possíveis. Começa dispensando seus empregados. E é aí que o desemprego converte-se a um só tempo em conseqüência e causa. Diminui a capacidade real (e não apenas a vontade subjetiva) de consumo dos trabalhadores; aprofunda o fosso entre a produção e consumo.

Daí que o governo precisa associar a garantia do emprego ao conjunto das medidas de socorro aos setores produtivos de nossa economia. Não basta flexibilizar a cobrança de tributos e facilitar o crédito; é preciso exigir como contrapartida a permanência dos empregados em seus postos de trabalho. Pois é óbvio que não se estimula o consumo e a produção num cenário de desemprego crescente.

Moral da história: ao Estado cabe como resposta à crise defender o emprego como condição sine qua non da eficácia da ajuda ao empresariado – sob pena de tão somente contribuir para aumentar a concentração da riqueza, a semidestruição das forças produtivas e a exclusão de parte substancial da força de trabalho.

17 fevereiro 2009

O peso do Banco do Brasil

. Houve tempo – no tempo de FH e seus seguidores – que a sanha privatista que atingiu estatais de importância estratégica para o desenvolvimento do país ameaçou seriamente o Banco do Brasil, que passaria à iniciativa privada.
. Era o primado ta tese neoliberal do Estado mínimo.
. No tempo atual – de Lula e das forças desenvolvimentistas -, onde se reconhece o papel decisivo do estado como indutor do crescimento econômico, o Banco do Brasil cumpre seus muitos papéis.
. O BB irá atuar no crédito á habitação de baixa renda, atuando no financiamento de imóveis para setores de baixa renda, apesar de se segmento não ser o foco da instituição, informa hoje a Folha de S. Paulo.
. A decisão é em função de que a Caixa Econômica Federal encontra dificuldade para levar o mercado atingir a meta de financiamento do governo – 500 mil unidade neste ano e 500 mil no seguinte. A intenção do Planalto é anunciar o pacote de habitação popular depois do Carnaval.
. Seus maiores benefício estão sendo direcionados para os trabalhadores com renda até dez salários mínimos (R$ 4.650). Segundo estimativas do governo, é nessa camada da população que estará a maior parte de demanda por imóveis nos próximos 15 anos (Mais de 70%). Lula também quer reforçar a base eleitoral para fazer seu sucessor em 2010.

Recifrevando com Jomard

LUNAS & RUPTURAS
Jomard Muniz de Britto

Poesia? Poetaria? Poemação?
Talvez seja a mais fácil e farta
das artes. Mas não é. Perigo.
Uma fatal atração pelas margens
dos rios aos desertos oceânicos.
Tudo pode nos conduzir ao cemitério de
Santo Amaro das Salinas: chuvas, porres,
lamas, buracos, flores dolosas, êxtases.
Talvez seja a mais nua e cruel
das expressões lírico-depressivas.
Mas ainda pode não ser. Em suspense.
Porque mariposas não são borboletas.
Desígnios e desejos não fraternizam
rebeldia e pueril ancestralidade. Cuidado.
Obsceno charme suicidando-se.
Canto de cisne sem auroras. Suspeitas.
Poesia no liquidificador dos pobres e
porosos empoderamentos. Lunas de fel.
Talvez seja uma voz rouca desencarnando
outra solidão tão lúcida por loucuras.
Mas não pode ser ofídio para burocratas.
Assim a morte enfrenta eternidades.

OUTRAS ESTRANHEZAS
Do veneno imaginário em gentilezas por
Lênin, Lenine, Lavigne, a Paulinha.
Zizek desatando nós de João do Morro.
Mas tudo é muito mais no Bloco do NADA:
dia 23, segunda de carná, à tarde no
Mercado da Boa Vista. Surpresas.
O aglutinador Carlos Fernando em ondas
e beijos pelas ASAS da (trans)AMÉRICA.
Banda CAETANO para trelosos no Marco O.
Bossa sempre nova de Aristides Guimarães
poetizando mesmices da folia oficiante.
Coca-ÍMÃ das ilusões infladas. Craques
sem futebol. Pau do índio desmatado.
Nossa cotidiana PSIcarnavalização.
Assim a morte encara finitudes.
Recifrevando, fevereiro de 2009.

Bandeira de nossa poesia

Manuel Bandeira, 40 anos depois
Cyl Galindo*

. Importantes revelações sobre a personalidade do Poeta Manuel Bandeira, como o sentimento de pernambucanidade, o caráter humanista, o profundo conhecimento literário, os relacionamentos amorosos e até comportamento doméstico, foram feitas pelo seu amigo e escritor Cyl Gallindo, em depoimento exclusivo para a Revista Brasileira, da Academia Brasileira de Letras. Fase VII – Outubro – Novembro – Dezembro 2008 – Ano XV – No. 57.
. O convite do Acadêmico Antonio Carlos Secchin, da Comissão de Publicações da Academia, veio por intermédio da escritora Elvia Bezerra, pesquisadora de Literatura Brasileira e autora do livro A Trinca do Curvelo: Manuel Bandeira, Ribeiro Couto e Nise da Silveira, em colaboração com Monique Cordeiro Figueiredo Mendes, Coordenadora das Publicações da ABL.
. Inicialmente, Cyl Gallindo confessa que inúmeras pessoas, inclusive Carlos Drummond de Andrade, Waldemar Lopes, Plínio Doyle, sugeriram ou pediram-lhe para escrever sobre sua convivência com o autor de Itinerário de Pasárgada, e ele relutava. . Ao chegar o irrecusável convite da ABL, para memorar os 40 da morte do Poeta: 13-10-1968, membro da Academia de 1940, quando substituiu Luiz Guimarães Filho.
. Gallindo temia ser acusado de usar amizades para promoção pessoal. Livre do temor, ele relata sua mudança para o Rio de Janeiro, sua aproximação com o Poeta, que se deu porque ele “queria matar as saudades desse sotaque safado do Recife, que você o tem, bem genuíno”. Revela os cuidados que Bandeira mantinha para não transmitir a outrem sua tuberculose de que foi vítima; como era a vida dentro de casa, seu interesse pelas mulheres, de quem recebia visitas frequentemente; como foi apresentado a Jorge Amado e Guimarães Rosa. Os amigos que Bandeira cultivava no Recife, como Gilberto Freyre, Gilberto Osório, Mauro Mota, Stella Griz/Ascenso Ferreira, e muitos outros detalhes singulares constam nas 16 páginas de Revista, com seu artigo sob o título: LÁ FUI AMIGO DO REI.
. No mesmo volume da Revista, Marcos Vinícios Vilaça comemora os 110 anos da Academia Brasileira de Letras; João de Scantimburgo e Adriano Espíndola enfocam Guimarães Rosa, ao completar 100 do seu nascimento; Elvia Bezerra fala de Jayme Ovalle: o homem que conhecia “a temperatura da alma"; Arnaldo Niskier, de Liberdade de expressão, Ledo Ivo está com uma narrativa; Ivan Junqueira, Luiz de Miranda e Reynaldo Valinhos Alvarez publicam poesias e Anderson Braga Horta, praticamente fecha a publicação, com as traduções dos poemas de Rodolfo Alonso.
* Poeta e jornalista.

15 fevereiro 2009

Crise e perspectiva

No Vermelho, por Eduardo Bomfim:
A perspectiva política
. Alguns segmentos políticos e financeiros, retrógrados, buscam vender pela mídia a idéia de que a crise no país é brutalmente maior do que a realidade, buscando mais lucros e dividendos políticos. São as hienas da nação.
. Como plataforma política para esse cenário, há propostas ao povo brasileiro. Lutar pelo aprofundamento e maior radicalidade de políticas públicas de investimento em infra-estrutura, inclusão social, e fortalecimento do mercado interno.
. Defender com intensa mobilização o emprego e a renda dos trabalhadores, a ampliação do mercado de trabalho. E bater-se, em larga perspectiva, pela soberania econômica, política, e a integridade do país. São bandeiras que agregam e unem a maioria do povo brasileiro.
. Leia o texto na íntegra http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=50976

14 fevereiro 2009

Lula e o povo

Queda da barreira de linguagem explica fenômeno Lula
Sérgio Augusto Silveira*
sergioaugusto_s@yahoo.com.br

Discutiu-se tanto neste país sobre os motivos da popularidade grande ou pequena dos governantes. Sempre se relevou motivações de caráter econômico, com medidas contra ou a favor do maior acesso aos bens produzidos. Claro que essas medidas têm seu papel importantíssimo na definição dos humores e disposição dos cidadãos diante dos governantes. No entanto, não são razões suficientes para que se explique o tamanho da popularidade do presidente, do governador ou do prefeito.

Na sua mais recente análise sobre a popularidade enorme do presidente Lula, o repórter especial da revista Época, Ricardo Amaral, faz um excelente apanhado das razões econômicas que explicam os 84 por cento de aprovação alcançados, segundo a última pesquisa Sensus/CNT. No entanto, ao nosso ver o entendimento dessa popularidade pode ser mais exato se considerarmos um fator comumente desprezado nesse campo. Trata-se das razões de linguagem.

A lingüística tem um papel determinante nas relações boas ou más entre o governante e governados. Ao notarmos que o presidente Lula não tem pejo em abrir a boca e empregar expressões usadas pelo mais simples dos sem teto ou dos sem terra deste país, vemos nisso um novo fator interferindo na nossa vida política: a democratização e total comunicabilidade do chefe de estado com a maioria.

Foi derrubada a tradicional barreira que prendia o mandatário num círculo de ferro imposto pelo elitismo do linguajar, fator de classe que sempre divorciou o governante em face daqueles que o elegeram. No passado, o Brasil teve uma experiência que chegou perto do rompimento dessa barreira. Foi quando o ditador e depois presidente eleito Getúlio Vargas foi ao encontro do operariado brasileiro, garantiu direitos e abriu o verbo toda vez que iniciava seu discurso: trabalhadores do Brasil!

Esse chamado chegou a quebrar a barreira da linguagem, principalmente depois que Getúlio legitimou-se no poder com o voto popular, em 1950. Foi um momento importantíssimo de nossa História no século passado. Os udenistas, seus adversários, viam nisso uma mera tática trabalhista para isolar a oposição. No entanto, agora vemos que se tratou de uma quebra de barreira de classe, capaz de liquidar com a tradição lingüística na política nacional.

Assim entendemos o que ocorre com o presidente Lula, só que num processo mais completo, na medida em que lembramos da origem social deste presidente. Origem que prevalece no momento em que ele escolhe a maneira de dizer o que pensa e o que se passa. Uma maneira totalmente descompromissada com a tradição elitista que mantinha o chefe de estado num altar inalcançável.

Pois bem, isso acabou, pelo menos ao longo do mandato deste presidente. A comunicabilidade entre Lula e o povão firmou-se mais do que nunca. E parece que não se trata apenas de uma marolinha.
*Jornalista

Infecções hospitalares – até quando?

Ciência Hoje Online:
Os principais fatores por trás desse grande problema de saúde pública atual
. Hospitais deveriam ser lugares seguros, aonde vamos curar nossas doenças. Eles jamais deveriam ser fonte de enfermidades. Mas essa situação tem mudado de forma drástica com o enorme problema das infecções hospitalares. Recentemente um médico amigo meu foi hospitalizado com infarto agudo de miocárdio. Ele logo se recuperou do infarto... mas quase morreu de uma infecção, adquirida na UTI, que até hoje lhe causa problemas.
. Entre os maiores avanços da medicina no século 20 estão a descoberta da penicilina e o desenvolvimento de outros antibióticos eficientes contra um grande número de bactérias e fungos até então letais. Agora, no século 21, a utilidade desses medicamentos milagrosos está sendo severamente limitada pelo seu uso abusivo em pessoas e animais.
. Como já dizia Millôr Fernandes, para as bactérias, penicilina é doença. A alta capacidade reprodutiva das imensas populações de bactérias as torna capazes de respostas seletivas, com o desenvolvimento rápido de resistência a qualquer agente que lhes seja tóxico, incluindo antibióticos.
. Trata-se de um simples mecanismo darwiniano: bactérias resistentes aparecem inicialmente por mutações aleatórias. A partir do momento em que tais mutantes são geradas, elas começam ser selecionadas pela presença do antibiótico, que rapidamente consegue matar os micro-organismos originais suscetíveis. Aí então, o antibiótico vira refresco! Para complicar, uma mesma bactéria pode ser tornar resistente a vários antibióticos (multirresistente), tornando-se uma super-bactéria.
. Um agravante é que a resistência bacteriana frequentemente não está associada a mutações no cromossomo bacteriano, mas reside em pequenos elementos extracromossômicos circulares chamados plasmídeos. Estes são transmitidos verticalmente para as gerações seguintes, mas também podem ser propagados horizontalmente para outras bactérias por um fenômeno chamado conjugação. Assim, a resistência aos antibióticos se espalha com extraordinária velocidade nas populações bacterianas.
. Leia o texto completo http://cienciahoje.uol.com.br/137715

Lula devia impor contrapartidas

. Ao invés de reclamar de empresários que demitem trabalhadores apesar da ajuda do governo que recebem, o presidente Lula devia impor a manutenção do emprego como contrapartida.
. "Todos ganharam muito dinheiro em 2008, então não era possível que, no primeiro mês depois da quebra dos bancos americanos, mandassem trabalhadores embora", disse o presidente ontem, no Recife.
. Ora, onde a simples reclamação de um presidente da República surte efeitos num caso como esse?

13 fevereiro 2009

História: 13 de fevereiro de 1922

A Semana, na ácida porém bem-humorada visão de Belmonte
1º dia da Semana de Arte Moderna, no Municipal, escandaliza e fascina São Paulo. Terá efeitos de longo fôlego na construção cultural brasileira. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Meu artigo semanal no site da Revista Algomais

Quem não gosta do Bolsa Família?
Luciano Siqueira

Certa vez dois amigos radialistas tomavam um chope no Bar Savoy, no centro do Recife, por volta de meio-dia, quando foram abordados por um mendigo que pedia alguns centavos para comprar um pão. – “Não posso, amigo, se você comer um pão agora vai perder o apetite para o almoço”, respondeu o mais espirituoso (e cínico), provocando risos entre os presentes.

A piada de péssimo gosto e nenhum respeito para com o sofrimento do miserável, mutatis mutandis, como dizem os juristas, é mais ou menos o mesmo que andam dizendo oposicionistas nada sensíveis ao drama da população mais pobre.

No finzinho de janeiro o governo federal anunciou a elevação do teto da renda máxima por família atendida pelo Bolsa Família – de R$ 120 para R$ 137 – como uma correção inflacionária e a inclusão de mais 1,8 milhão de famílias no programa. De imediato parlamentares de oposição levantaram a voz em protesto com o argumento de que o programa é um instrumento que pode garantir a liquidez e o consumo nas camadas mais baixas, mas não é capaz de dar conta das pressões recessivas da economia. O benefício, segundo eles, apenas fomenta o consumo de curto prazo na medida em que os beneficiários encontram dificuldade de inserção imediata no mercado produtivo (subestimam o incremento das pequenas economias locais e desconhecem que quase 2 milhões de pessoas já conseguiram sair do programa desde a sua origem).

O mesmo que negar o pão ao faminto sob o pretexto de que assim ele se desmotivaria para degustar a refeição completa!

Nessa linha, o líder do Democratas no Senado, José Agripino, reclamou: “O investimento na questão social é meritório. Mas como um dia se corta R$ 37 bilhões e no dia seguinte se anuncia uma ação social? Estamos à beira de um processo recessivo, causa perplexidade e se impõe uma resposta à sociedade: o dinheiro vem de onde?”

Segundo ele, o governo estaria desperdiçando recursos públicos. Algo comparável aos milhões advindos da flexibilização do compulsório que beneficiou os bancos? Ou aos igualmente volumosos valores ofertados como socorro a grandes setores industriais em momentânea dificuldade? Nada disso. O Bolsa-Família paga para as famílias consideradas extremamente pobres um benefício fixo de R$ 95. E mais R$ 20 por criança entre 0 e 15 anos, em um limite de três por família, e mais R$ 30 por jovem de 16 e 17 anos, em um máximo de dois. O orçamento do Bolsa Família em 2009 está fixado em R$11,8 bilhões.

Moral da história: quando se trata de atender as necessidade dos mais pobres, não faltam argumentos técnicos supostamente zelosos dos recursos púbicos. Mas quando se trata de socorrer bancos e grandes empresas, tudo bem; nenhuma palavra contra.

12 fevereiro 2009

Fatiada para ser ruim

. Matéria de tamanha importância não pode ser resumida a uma PEC e seis projetos – protesta, com razão, a deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) contra o encaminhamento que se pretende da reforma política na Câmara dos Deputados.
. Dificilmente sairá daí uma reforma de fato, que represente o acúmulo conceitual alcançado no Congresso Nacional. Deve vir coisa ruim, a gosto faz grandes legendas e da natureza restritiva do processo democrático.
. Por que fatiar a reforma se já tramitam 62 emendas constitucionais apensadas ao Projeto de Emenda à Constituição 142, que tem o voto do relator, Deputado João Paulo Cunha, ex-presidente desta Casa, apreciando a admissibilidade?, pergunta a deputada mineira.

Coluna semanal no portal Vermelho

Divergências sem ruptura
Luciano Siqueira

A vida não cabe num esquema. Esquemas valem apenas como referencias teóricas na análise concreta da realidade como ela é, e não como subjetivamente desejamos que fosse. No entanto, frequentemente nos deparamos com pontos de vista acerca de determinado fato ou fenômeno fundados precisamente numa compreensão rígida e esquemática da realidade.

Na política, então, basta conferir o que dizem e escrevem analistas da grande imprensa ou certos cientistas políticos circunscritos à vida acadêmica: quanta distância da vida real!

Quer um exemplo? PCdoB e PT são partidos aliados, logo devem estar alinhados em tudo; se divergem, instala-se uma crise na relação entre os dois partidos com risco de ruptura. Certo ou errado? Assinale, óbvio, a segunda alternativa.

Ora, relações entre entes distintos comportará sempre convergências e discrepâncias, unidade e luta. Não há outro caminho para dar consistência ao entendimento entre as partes que não a discussão aberta e franca - e a polêmica quando necessária.

Partidos se aliam em função de idéias e propósitos que se mostram comuns, ressalvadas, porém, diferenças conceituais e metodológicas.

Outro exemplo. Antigos adversários jamais poderão se juntar. Novamente errado. Partidos antes postos em campos distintos podem, sim, somar esforços numa mesma direção em dado momento em favor dos interesses do povo; ou, no caso de partidos conservadores, em defesa do status quo. E nada impede que adiante voltem a divergir e a pelejarem entre si.

Por que essa digressão? Porque o raciocínio esquemático inspira inquietações em militantes e ativistas a propósito das diferenciações entre o PCdoB e o PT, e o Bloco de Esquerda (PCdoB, PSB, PRB e PMN) e o PT e seus aliados ao centro no interior da ampla de apoio ao governo Lula (vide a recente eleição da Mesa da Câmara dos Deputados). Tais diferenciações refletem a complexidade da sociedade brasileira, suas desigualdades e conflitos e a dimensão dos desafios que a heterogênea coalizão governista tem diante de si.

Para 2010, então, um debate há que ser enfrentado – a necessidade de um novo pacto social e político que ultrapasse os limites da Carta aos Brasileiros assumida por Lula no segundo turno das eleições de 2002 – compromissos com o sistema financeiro que entravam o crescimento econômico. Passar indene pela crise financeira global implica ir mais além – e esta deve ser a base da candidatura presidencial que venha a unir as forças hoje reunidas em torno do governo Lula. Mais um tema polêmico, sem dúvidas.

Sobre o “queijo suíço”

No Blog da Folha:
Luciano Siqueira diz que PMDB é mais furado que queijo suíço
. A força do PMDB após a conquista das presidências da Câmara e do Senado e o impacto desse novo cenário na sucessão presidencial tem sido teme predileto das especulações dos analistas políticos. Em seu blog, o vereador do Recife Luciano Siqueira (PCdoB) também fez um sucinto comentário sobre o assunto. O comunista reconhece o PMDB como aliado preferencial do PT para 2010, mas alerta para a “inconsistência” desta iguaria partidária, o que deve inviabilizar tal união dentro dos conformes formais.
. “...o PMDB, dividido em dois blocos conflitantes, embora maior partido do país, e agora noiva dos sonhos do PT e do PSDB, não reúne condições de apresentar candidatura própria à presidência da República. É mais furado do que queijo suíço. Na verdade o partido é um mosaico de grupos regionais que lhe tira a possibilidade até de marchar unido em torno de candidato de outro partido…”, diz o texto do parlamentar.
. E a profecia deve ser cumprida. Ao menos que Dilma ou o candidato tucano chegue à época da eleição com a faixa presidencial já encomendada – e talvez mesmo que isso aconteça -, o PMDB não se coligará oficialmente com qualquer dos dois partidos. Caminha dividido no pleito e depois se abriga no ninho vencedor. A um custo alto, claro.

11 fevereiro 2009

A palavra empenhada

No Partido Vivo, por Daniel Vilarouca:
Siqueira reafirma seu compromisso com o povo
. Em seu primeiro pronunciamento na Câmara de Vereadores do Recife, na tarde desta terça-feira (10), Luciano Siqueira reafirmou seu compromisso com o povo. O comunista deixou claro que chegou para trabalhar pelo bem da cidade e seus moradores, cumprindo o papel fiscalizador e propositor de projetos para o qual foi eleito. Por sua firmeza e convicção política, o parlamentar foi saudado pelos demais vereadores.
. Em um discurso bastante enfático, Siqueira revelou para os companheiros da Câmara a intenção de contribuir para uma melhoria na qualidade de vida dos recifenses, através de um desenvolvimento econômico com renda e sustentabilidade ambiental. “Nossa luta e compromisso é por uma cidade mais humana”, argumentou.
. De acordo com o vereador, esse crescimento só é alcançado com uma melhor mobilidade urbana, espaços públicos mais seguros e a derrubada de todos os tipos de preconceito. “Sobretudo, os de raça e gênero”, acrescentou. O comunista disse que, como militante e líder do PCdoB na Casa de José Mariano, o seu compromisso maior “é a classe operária e o proletariado”.
. “Estamos unidos nos ideais de liberdade, de progresso, de democracia e de um futuro mais socialista”, ressaltou.
. Nesse ponto, Siqueira explicitou a honra em fazer parte da bancada de apoio ao prefeito João da Costa, que tem um excelente projeto político para o Recife, mas também não se esquivou do direito de cumprir o papel de fiscalizador. “Seremos fiscalizadores do executivo e propositores de projetos para a melhoria da cidade”, falou.
. No pronunciamento dos demais parlamentares, inclusive os de outros partidos, o comunista foi saudado por sua segurança e comprometimento com o povo do Recife. Na opinião do correligionário e companheiro de bancada, o vereador Vicente André Gomes, por exemplo, Siqueira é “um profundo defensor dos ideais democráticos, um exemplo para todos”.
. “Luciano é um verdadeiro professor, um homem de lealdade extrema”, disse o líder do governo na Câmara, o vereador Josenildo Sinésio (PT).

O olhar crítico de Millôr


Espírito democrático

No site da Câmara Municipal do Recife, por Viviane Rolemberg:
Pronunciamento de Luciano Siqueira mobiliza parlamentares
. Em seu primeiro discurso como vereador do Recife, Luciano Siqueira, do PC do B, falou sobre a importância da capital pernambucana na história política do país e reafirmou o compromisso de seu partido com o governo municipal na construção de políticas que garantam a melhoria da qualidade de vida dos recifenses. Membros das bancadas do governo e de oposição fizeram questão de saudar o colega.
. A sessão plenária desta terça-feira, dia 10, foi marcada pelo primeiro pronunciamento de Luciano Siqueira (PCdoB) como vereador do Recife. O parlamentar que combateu o regime militar na época da ditadura, chegando a ser preso e torturado, falou da honra em representar o PC do B no Legislativo Municipal.
. “O PC do B foi um dos primeiros partidos a fazer parte da Câmara do Recife e, em 1947, já tinha uma representante feminina em sua bancada. Júlia Santiago foi a primeira vereadora de nossa cidade”, lembrou, saudando especialmente a atual bancada feminina, composta por Priscila Krause (DEM), Marília Arraes (PSB) e Aline Mariano (PSDB).
. Ex-deputado estadual, Luciano Siqueira foi vice-prefeito do Recife por oito anos e é considerado por todos um político de convicções e compromisso com o progresso da cidade e de seus moradores. Em seu discurso, ele avaliou a importância da capital pernambucana na história política do Brasil e reafirmou o compromisso da bancada de seu partido com o atual governo municipal para a melhoria da qualidade de vida dos recifenses.
. Os secretários municipal de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico, José Bertotti, e estadual de Esportes, George Braga, que também preside o PC do B no Recife, compareceram à sessão especialmente para acompanhar o pronunciamento de Luciano Siqueira.
. A maioria dos parlamentares presentes fez questão de saudar o colega: Luiz Eustáquio (PT), Carlos Gueiros (PTB), Marília Arraes (PSB), Daniel Coelho, (PV), Jurandir Liberal (PT), Josenildo Sinesio (PT), Priscila Krause (DEM), Gilberto Alves (PTN), Marcos Menezes (DEM), Aline Mariano (PSDB), Gustavo Negromonte (PMDB), Jairo Britto (PHS), Vicente André Gomes (PC do B) e Romildo Gomes Filho (DEM).
Frases:
. "Luciano é um profundo defensor dos ideiais democráticos, um exemplo para todos nós".
Vicente André Gomes (PC do B)
. “Tenho a honra e uma grande satisfação em tê-lo como amigo”.
Romildo Gomes Filho (DEM)
. “O sentimento por ele é de admiração e respeito”.
Carlos Gueiros (PTB)
. “É um dos homens mais sérios, éticos e com espírito público que conheço”.
Priscila Krause (DEM) – líder da oposição
. “Vamos trabalhar em parceria para construir soluções para o Recife”.
Daniel Coelho (PV)
. “Luciano é um verdadeiro professor, um homem de lealdade extrema”.
Josenildo Sinesio (PT) – líder do governo
. “A Câmara e o Recife só ganham com a experiência e a história de Luciano Siqueira”.
Jurandir Liberal (PT)

Feito queijo suíço

. Quadro de forças para 2010 ganha contorno com as recentes eleições para as Mesas do Senado e da Câmara, com o fortalecimento do PMDB como aliado preferencial do PT.
. Mas o PMDB, dividido em dois blocos conflitantes, embora maior partido do país, e agora noiva dos sonhos do PT e do PSDB, não reúne condições de apresentar candidatura própria à presidência da República. É mais furado do que queijo suíço.
. Na verdade o partido é um mosaico de grupos regionais que lhe tira a possibilidade até de marchar unido em torno de candidato de outro partido, do PT ou do PSDB.

Unidade necessária

No Vermelho:
Renato Rabelo alerta para união da esquerda na festa do PT
. Para uma platéia formada por dirigentes, parlamentares, militantes do PT e da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, candidata à sucessão do Presidente Lula, o presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, falou em nome dos representantes dos partidos aliados, na festa de 29 anos do PT na noite desta terça-feira (10), em Brasília. Rabelo alertou para a necessidade do governo Lula manter a união dos partidos de esquerda no processo de continuidade do projeto político inaugurado por ele.
. “Para dar continuidade a esse ciclo aberto pelo Lula e alcançar nível superior, é necessário levar em conta a unidade entre nós, porque esse ciclo não pode ser truncado”, destacou, acrescentando que “não podemos nos perder em interesses próprios, de cada partido, interesses menores, e deixar de lado o objetivo maior que é dar continuidade a esse ciclo e impedir que ele seja truncado com a volta de outras forças que foram responsáveis pela situação anterior.”
. As palavras do dirigente comunista representam uma crítica velada à posição adotada pelo PT na sucessão na Câmara dos Deputados, em que apoiou o candidato do PMDB à Presidência da Casa. O Bloco de Esquerda, formado pelo PSB, PCdoB, PMN e PRB, aliados tradicionais do PT de Lula, apoiou a candidatura do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) à Presidência, o mesmo nome que presidiu a Câmara no período da crise do “Mensalão”, que atingiu o Governo Lula e o PT.
. Renato destacou que nesse momento de crise econômica, pelo impacto e repercussão que pode ter no País, a responsabilidade é ainda maior. Ele explica que “uma hora como essa requer uma unidade maior do povo, e essas forças de esquerda têm papel importante - de ser aquele núcleo da base de Lula, núcleo de partidos mais consequentes, que sabem o que querem.”
. O presidente do PCdoB lembrou ainda que “nós somos aliados do PT e do Lula desde 1989, somos responsáveis também pelos resultados e vitórias alcançadas pelo governo que representa Lula, que abriu novo ciclo político do País e a partir daí adquiriu novo rumo, e nós temos orgulho de ter participado disso tudo”, afirmou.

Pacto pelo Brasil

. A quem interessa manter o crescimento econômico e a melhora dos índices sociais em nosso país, apesar da crise financeira global?
. Ao povo brasileiro, em primeiro lugar. E ao conjunto da nação.
. Daí o enfrentamento da crise não ser apenas tarefa do governo. É preciso envolver toda a sociedade.
. Isso tem um nome: pacto. Um novo pacto há que se construído envolvendo todos os segmentos da sociedade verdadeiramente interessados no progresso do país.
. O setor rentista da economia, que continua aferindo lucros espantosos apesar da crise, bem que pode ficar de fora. Isolado.

Boa tarde, Sérgio Augusto da Silveira

O tempo do Carnaval

No Carnaval
Toda hora é hora
E lá vem a troça da hora
Na batida sempre de agora.
Olha a Menina da Tarde
E agora a Mulher do Dia,
O Homem da Meia Noite
Sob as asas cantantes
Do Galo da madrugada,
Que em tempo de Carnaval
Toda hora é agora!
Toda hora é chegada!

História: 11 de fevereiro de 1998

Com o Congresso cercado por manifestantes, espancados pela cavalaria da PM, a Câmara aprova em 1º turno a Reforma da Previdência. Manifestações por todo o Brasil. Paralisação de protesto no metrô-São Paulo. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Meu artigo de toda quarta-feira no Blog de Jamildo (JC Online)

500 mil casas ainda é muito pouco
Luciano Siqueira

Melhor do que nada – é o que dizemos comumente quando precisamos de muito e o que conquistamos ainda é insuficiente. Como agora que o governo federal anuncia a construção 500 mil unidades habitacionais para a população de baixa renda.

É muito pouco em dois sentidos. Um: o déficit habitacional beira os seis milhões de casas, atingindo cerca de 30 milhões de pessoas.

O outro, é que além de viabilizar mais casas impõe-se a retomada da trajetória interrompida pelas mudanças ocorridas no Ministério das Cidades.

Explico. A questão urbana em nosso país, e o problema habitacional nela incluída, demanda abordagem consistente, corajosa, estruturante. E é o que o governo começou a fazer quando criou o Ministério das Cidades e este, em sua primeira gestão, tendo o ex-governador gaúcho Olívio Dutra no comando de uma equipe qualificada, deu passos importantes. Mobilizou a sociedade em torno da questão urbana através de conferências que culminaram na Conferência Nacional de Cidades. Formulou um Plano Nacional de Habitação, indicando alternativas de financiamento destinado às populações de renda abaixo de 3 salários mínimos. Gerou um ambiente institucional e político favorável à implementação do Estatuto das Cidades, lei federal que dota o poder público local de instrumentos de intervenção sobre o território no sentido da democratização do direito à cidade saudável. Retomou, desse modo, em patamar elevado, a possibilidade de realização de uma reforma urbana.

Porém, infelizmente, com os rearranjos ocorridos na composição do governo, o Ministério das Cidades reduziu-se a tocar obras, indo pelo ralo o acúmulo alcançado em termos de política pública e os liames estabelecidos com os segmentos vivos da sociedade. As chances de avançarmos no sentido da reforma foram brecadas.

Isso impede o governo de abordar de modo conseqüente um dos maiores entraves ao desenvolvimento econômico em bases democráticas e socialmente justas. Pois a rápida ocupação do território urbano ocorrida no país – em cinco décadas inverteu-se a relação população urbana/rural, que hoje é, grosso modo, de 80/20 por cento – se deu aos moldes do capitalismo de tipo dependente, precocemente monopolizado, concentrador da produção, da renda e da riqueza e socialmente excludente que aqui se desenvolveu a partir dos anos 30 e assumiu plenamente seu caráter perverso nas últimas três décadas do século passado. E que fez as cidades desiguais e desumanas que temos hoje, nas quais é negado aos trabalhadores e às populações mais pobres o acesso a habitação, equipamentos e serviços e condições sanitárias que proporcionem uma vida digna.

Retomar o fio da meada é, portanto, urgente. Para além da construção imediata de 500 mil casas, recuperar a iniciativa via mecanismos de participação da sociedade (Conselho das Cidades, Fundo Nacional de Habitação), e dar concretude ao Plano Nacional de Habitação.

O PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), que continua na primeira linha de prioridades do governo e destina recursos de grande monta a urbanização dos assentamentos precários (favelas, palafitas, etc.), pode ser um dos instrumentos de trabalho nessa direção.

E da parte do movimento pela reforma urbana cumpre alevantar essa bandeira com vigor, amplitude e senso de oportunidade.

10 fevereiro 2009

Na CBN

. Daqui a pouco, às 10,30, estarei nos estúdios da Rádio CBN.
. Serei entrevistado pelo âncora Mário Neto sobre questões da atualidade.

Antecipar reunião do Copom?

. A sugestão é do presidente do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA), Márcio Pochmann, apresentada ontem em encontro de prefeitos a que também compareceu a ministra Dilma Rousseff. Antecipar a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) para reduzir ainda mais a taxa de juros Selic.
. Pochmann considera que o cenário da economia já se alterou "drasticamente" desde a última reunião do Copom, quando a taxa de juros foi reduzida em um ponto percentual.
. Ele defende a redução dos juros Selic, até o fim de ano, de quatro a cinco pontos percentuais para manter a economia aquecida e reduzir os efeitos da crise. Pochmann lembrou que a maioria dos países já opera com taxas de juros negativas, ou seja, taxas praticadas que se encontram em patamar inferior à inflação.

Na tribuna da Câmara

. Ocupo hoje, pela primeira vez, a tribuna da Câmara dos Vereadores, no grande expediente.
. Para situar politicamente o meu mandato e renovar compromissos assumidos perante o povo do Recife.

Entrevista no JC de domingo

. Tem gente pedindo o texto integral da longa entrevista que concedi às repórteres Ana Lúcia Andrade e Joana Rozowykwiat, publicada no Jornal do Commercio de domingo, 8.
. Fácil você mesmo acessar o JC (se for assinante ou se tiver conta no UOL): http://jc.uol.com.br/jornal/2009/02/08/not_318815.php
. Se preferir me solicite pelo e-mail lucianosiqueira@uol.com.br.

O medo e a razão

. Está no Jornal do Brasil de hoje. Setores de vestuário e calçados admitem que exageraram na dose e anunciam recontratações. Deram-se conta de que cortaram mais vagas do que precisavam. Agora planejam voltar a contratar para repor os estoques perdidos com as demissões.
. Intensivos em mão-de-obra, os segmentos admitiram que exageraram na dose por temor da crise econômica, que se tornou mais psicológica do que real nos dois setores. Ambos foram os principais responsáveis pela queda do emprego na indústria, segundo informou ontem o IBGE: o emprego caiu 1,8% em dezembro - cerca de 110 mil vagas entre 6 milhões de trabalhadores, o maior recuo desde que o instituto começou a fazer a pesquisa, em 2001.

09 fevereiro 2009

08 fevereiro 2009

Nordeste contemporâneo

No Vermelho, por Eduardo Bomfim:
Outros Sertões
. São muitos os estudos econômicos e os ensaios sociais, demonstrando uma realidade que surgiu e mudou irreversivelmente a face dos Estados nordestinos, exigindo uma nova reflexão e uma outra intervenção política transformadora.
. Intelectuais de grande competência científica, como Tânia Bacelar, produzem excelentes diagnósticos e apresentam soluções para esse novo cenário. Recentemente apareceu um ensaio de Roberto Cavalcanti de Albuquerque do Instituto Nacional de Altos Estudos sobre a perspectiva nordestina.
. Ele lembra que grandes ações em infra-estrutura, transporte e investimentos produtivos estão sendo executadas no Nordeste, elevando a competitividade sistêmica da região, além da condição atual de segundo mercado energético de uso residencial do país.
. Leia o artigo na íntegra http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=50665

06 fevereiro 2009

Meu artigo semanal no site da Revista Algomais

Uma conquista dos trabalhadores
Luciano Siqueira


Já se foi o tempo em que todos os anos, ao se aproximar o 1º. de Maio, tinha início um cortejo de manifestações de trabalhadores reclamando aumento do salário mínimo. Uma luta dura, quase sempre perdida no que concerne ao percentual de aumento.

Foi-se esse tempo, sim, pois esse compromisso do presidente Lula desde a sua primeira campanha vitoriosa em 2002 - o aumento gradual do salário mínimo em seu valor formal e em seu valor real – vem sendo cumprido. Não como dádiva, mas como reconhecimento da justeza do pleito dos trabalhadores e da força mobilizadora dos sindicatos.

Bom para quem vive do trabalho, ótimo para o funcionamento da economia. Assim, o novo salário mínimo de R$ 465, que passa a vigorar neste mês, melhorará o poder de compra de nada menos que 42 milhões de brasileiros, entre trabalhadores formais e informais (cerca de 25 milhões) e pensionistas (aproximadamente 17,8 milhões), segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego.

Mais: isto significa um aporte de R$ 23,1 bilhões ao mercado interno no transcurso do ano.

O presente reajuste de 12,05% propicia ao trabalhador um aumento real de 6,39%. Consolida uma tendência ascendente, pois de 2003 a 2009 o reajuste alcança 72%, o que corresponde ao crescimento real acumulado de 46,05%.

Como no cálculo do reajuste são levados em conta a inflação e o crescimento do PIB, vê-se que o crescimento da economia tem lastreado a decisão do governo.

Óbvio que ainda é pouco, consideradas as necessidades objetivas do sustento do trabalhador e de sua família. Mas é preciso reconhecer que se trata de um avanço significativo, até porque a maioria das categorias profissionais reconhecidas tem um piso salarial superior ao salário mínimo. De certo modo seus salários são indexados ao valor do salário mínimo, conforme os termos da negociação dos reajustes anuais.

Assim, o aumento do valor real anual do salário mínimo além de importante conquista é também estímulo à luta dos trabalhadores por seus direitos fundamentais e em prol de um modelo de desenvolvimento assentado em bases democráticas, soberanas e ambientalmente sustentáveis, que valorize o trabalho e amplie o emprego.

Da geração 68

. A desembargadora Eneida Melo Correia de Araújo assume hoje a presidência do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Pernambuco. Dirigirá a Corte no biênio 2009-2011.
. Na magistratura desde 1980, atuou como corregedora do TRT. É também professora adjunta da Universidade Federal de Pernambuco, sendo mestra e doutora. Publicou dois livros sobre matérias relacionadas com a Justiça do Trabalho.
. Belo currículo, ao qual cabe acrescentar: Eneida foi líder estudantil na década de 60 – tempo em que se iniciou nossa amizade. Portanto, uma legítima representante da Geração 68.
. Participando de reunião da Comissão Política Nacional do PCdoB em são Paulo, não poderei participar da solenidade. Parabenizo-a por telefone.

05 fevereiro 2009

Coluna semanal no portal Vermelho

A candidatura de Aldo e o papel do Bloco de Esquerda
Luciano Siqueira

O resultado das eleições para as mesas diretoras do Senado e da Câmara comporta muitas leituras e diversas nuances podem ser sublinhadas. Uma delas: o sentido da candidatura de Aldo Rebelo, patrocinada pelo Bloco de Esquerda (PCdoB-PSB-PMN-PRB), na Câmara.

Menos importa avaliar se essa candidatura tinha ou não viabilidade, em face do rolo compressor do chamado “blocão” reunido em torno do peemedebista Michel Temer. Cabe, sim, reconhecer que os 76 votos obtidos pelo deputado comunista representam uma postura autônoma e altiva de um segmento da base governista que pugna por posições programáticas orientadas para o avanço das mudanças em curso no país.

O Bloco de Esquerda não podia se diluir no tal “blocão”. Nem contemplar pacificamente a consolidação da aliança privilegiada entre o PT e o PMDB que inclina o partido do presidente da República ao centro e enfraquece em certa medida, na coalizão governista, o peso de aliados à esquerda, como o PCdoB e o PSB.

Há quem prefira ver no empenho dos petistas em favor da candidatura de Michel Temer um dado positivo por representar o cumprimento de acordo celebrado há dois anos atrás, quando da eleição do deputado Arlindo Chinaglia para a presidência da Câmara. Que se cumpram acordos firmados é, em si, uma boa conduta nas relações políticas. Mas, neste caso, não cabe esquecer que o tal acordo significou uma espécie de pacto com o diabo. O PT, naquela ocasião, rompeu unilateralmente o entendimento em torno da reeleição de Aldo Rebelo, então presidente da Câmara, e conquistou a vitória de Chinaglia justamente com o apoio decisivo da banda peemedebista liderada por Temer, que votara contra Lula no primeiro e no segundo turno do pleito de 2006. Agora o diabo cobrou a fatura e os petista a pagaram.

Na política tudo se move conforme a correlação de forças. Na coalizão governista as posições centristas se fortalecem com o predomínio do PMDB na Câmara e no Senado, além do controle de seis ministérios e uns tantos postos de destaque em empresas estatais. Isto vale para os termos em que se dará, a partir de agora, a governabilidade e também para a construção do projeto eleitoral de 2010.

Nesse contexto, o Bloco de Esquerda tem um papel relevante a cumprir. Mantém-se na base governista, compartilha a obra de governo com o presidente e continua aliado do PT. Mas terá que continuar combinando a busca da unidade com a saudável polêmica em torno dos rumos do país. A começar da construção de uma candidatura presidencial unitária que se apóie em programa avançado para o próximo governo.