28 fevereiro 2010

Tucanos em apuros

“Todos pela continuidade”, comentário de Ana Lúcia Andrade na sua coluna no Jornal do Commercio hoje emblemático das dificuldades de Serra.

Porta-vozes atônitos

Na Folha de S. Paulo de hoje editorial e colunas atônitas com o crescimento de Dilma. E haja apelo a Serra para que se mexa.

Um mínimo de ética

Que disputa eleitoral seja acirrada (não é um convite para jantar), tudo bem. Mas nada justifica ataques pessoais e acusações mentirosas.

Brasil quer levar cópias dos acervos da ditadura para programa de memória da Unesco

.  A notícia é da Agência Brasil. O ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, estará em Paris na próxima quarta-feira (3) para tratar da oferta de documentos da época da ditadura militar (1964-1985) ao programa Memória do Mundo, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).
. A oferta brasileira, na verdade uma candidatura que deve ser aprovada pelo comitê internacional do programa, reune documentos do Sistema Nacional de Informações e Contrainformações (Sisni), criado em 1970, coordenado pelo extinto Serviço Nacional de Informações (SNI) e alimentado por documentos do próprio SNI, da Comissão Geral de Inquérito Policial-Militar, da Comissão Geral de Investigações e do Conselho de Segurança Nacional.
. Além do Sisni, o Brasil quer tornar disponível ao programa Memória do Mundo os arquivos das Delegacias de Ordem Política e Social (DOPS) dos estados do Ceará, do Espírito Santo, de Goiás, do Maranhão, de Minas Gerais, do Paraná, de Pernambuco, do Rio de Janeiro e de São Paulo.
. O acervo é organizado pelo Arquivo Nacional e tem documentos (texto, fotos e desenhos) sobre operações de repressão, investigações policiais-militares, relatórios, cassações de direitos políticos e individuais e controle de atividades de pessoas e organizações sob suspeita de “atuação subversiva”, como tratava os órgãos de informação e repressão naquele período.
. De acordo com Jaime Antunes da Silva, diretor-geral do Arquivo Nacional, caso a candidatura seja aprovada, os documentos brasileiros serão o maior e mais detalhado conjunto de documentos sobre o período de ditadura militar em países do Cone Sul. Só do SNI são 220 mil fichas de microfilmagens, o equivalente a mais de 5 milhões de páginas impressas.

Modo de viver

Sugestão de domingo: Não procure explicação imediata para tudo. Viva intensamente o que lhe emociona e lhe perece justo. Depois entenderá.

Bom dia, William Butler Yeats


Ele deseja os tecidos do paraíso

Tivesse eu os tecidos bordados do paraíso,
Adornados com luz dourada e prateada,
Os azuis, sombrios e escuros tecidos
Da noite e da luz e da meia-luz,
Eu os estenderia sob seus pés:
Porém, sendo pobre, tenho apenas meus sonhos;
Eu estendi meus sonhos sob seus pés;
Pise suavemente porque você está pisando em meus sonhos.

He Wishes For The Cloths Of Heaven

Had I the heavens’ embroidered cloths,
Enwrought with golden and silver light,
The blue and the dim and the dark cloths
Of night and light and the half light,
I would spread the cloths under your feet:
But I, being poor, have only my dreams;
I have spread my dreams under your feet;
Tread softly because you tread on my dreams.

Tradução: Ricardo Cabús
(Enviado pela amiga Fátima Amorim).

27 fevereiro 2010

Nanopartículas que salvam vidas

Ciência Hoje Online:
Carlos Alberto dos Santos mergulha na nanotecnologia e esclarece por que ela é importante para a medicina. Como exemplo, ele explica detalhadamente o funcionamento das nanopartículas usadas como contraste em ressonância magnética.
O uso das nanopartículas na ressonância magnética ajuda a localizar tumores muito pequenos, aumentando a chance de cura.
Acima, a identificação de um cisto descoberto no intestino grosso (Foto: American Journal of Roentgenology).
. A literatura sobre a utilização de nanopartículas magnéticas em biomedicina é extensa e pode levar o leitor não especializado a equívocos quanto ao estado da arte. Nas colunas anteriores, mencionadas acima, os conceitos fundamentais foram apresentados de acordo com o estado da arte da pesquisa básica. Mas uma leitura muito cuidadosa tem que ser feita para distinguir os casos em que os resultados foram obtidos em experimentos in vitro daqueles obtidos in vivo. Entre estes, também é importante saber quais foram obtidos em casos clínicos. Por exemplo, é ampla a literatura sobre o uso de nanopartículas magnéticas em tratamentos de câncer por meio da hipertermia, mas até o momento nenhum caso clínico foi relatado na literatura.
. Micropartículas magnéticas vêm sendo usadas em diagnóstico e terapia desde o início dos anos 1970. É uma interessante história de desenvolvimento científico e tecnológico, mas não a abordaremos aqui. Vamos considerar aqui tão somente as aplicações de nanopartículas magnéticas. Ou seja, vamos deixar de lado a escala micrométrica (o micrômetro é a milésima parte do metro) e ingressar na escala nanométrica, mil vezes menor do que a micrométrica. Entre as várias aplicações de nanopartículas magnéticas em farmacologia e medicina, a literatura indica que o diagnóstico por imagem e a administração de medicamentos são as mais bem sucedidas.
. Leia a matéria na íntegra http://migre.me/lAJs

"Terrenos de Marinha": a palavra do professor Geraldo Santana

O fruto mais valioso
Geraldo Santana – arquiteto
santanag@elogica.com.br

Os exploradores das terras brasílicas, nas suas viagens de fundação das Capitanias, fizeram importantes tratados descritivos do território. Assinalaram os acidentes geográficos, as espécies da flora e da fauna, cursos navegáveis, portos naturais, fontes de água doce, e povoações indígenas, ao longo do litoral. Buscavam identificar as riquezas e os sinais que indicassem ocorrências minerais, do ouro e da prata. Seriam esses os frutos que mais cobiçavam, e que melhor justificariam aquelas arriscadas expedições e custosos investimentos – promissores “frutos da Capitania”.

Como colonizadores do imenso litoral, aí aportaram e se fixaram, e plantaram as primeiras vilas, integradas aos melhores sítios portuários. E no seu entorno as primeiras empresas rurais de exploração, os engenhos. Traziam as ordenações do Reino, definindo objetivos, diretrizes, direitos e obrigações, para prosseguimento da conquista, estabelecimento da colônia e defesa do território. E para demarcação das primeiras parcelas de terra, as capitanias, todas elas litorâneas.

Sem descobertas de minerais preciosos nessa faixa litorânea, dois vegetais foram arduamente trabalhados: um nativo, o pau-brasil (hoje, ironicamente, extinto); o outro importado e bem adaptado no seu novo habitat, a cana de açúcar, hoje em expansão como fonte de energia renovável. Mas o progresso e sucesso do modelo de exploração colonial, por quase 200 anos, permaneceu restrito ao espaço litorâneo, sem se interiorizar, até a descoberta do ouro das Minas Gerais, no final do século 17. Na expressão do Frei Vicente do Salvador (1627), os portugueses ficaram presos ao litoral, como caranguejos.

Na passagem do século 16 para o século 17, o “fruto mais valioso” da Capitania de Pernambuco foi o seu açúcar, que despertou a cobiça dos holandeses a serviço da Companhia das Índias Ocidentais. Em 1630, atacaram Pernambuco e por 24 anos dominaram todo o Nordeste brasileiro, sediados em Olinda-Recife, melhor dizer, entre Itamaracá e o Cabo de Santo Agostinho, seu estratégico e fortificado litoral.

Nos dias atuais, quais seriam os “frutos mais valiosos” agora produzidos em Pernambuco? O momento é de euforia e grandes expectativas com os sucessos esperados para as novas indústrias e serviços pesados em implantação no Complexo Industrial Portuário de Suape, o que certamente consolidará sua histórica vocação portuária. O litoral pernambucano acolherá refinarias, terminais marítimos, estaleiros e siderúrgicas, capazes de processar milhões de toneladas de aço, petróleo, etanol, biodiesel, e cargas – o esperado ápice da sua indústria pesada.

Nesse contexto favorável às especulações sobre a economia de Pernambuco, fui atraído pelas novidades no modelo de produção imobiliária, observáveis, sobretudo, nos espaços litorâneos. Significativos aumentos na entrada de capitais externos (europeus e americanos) estão sendo orientados para empreendimentos turístico-imobiliários, de diversos tipos, localizados e desfrutando do clima e encantos das praias do nordeste. Novos produtos caracterizados como “ecoturísticos e de segunda residência”, plantados em terrenos beira-mar – nosso valioso solo litorâneo, re-parcelado e re-produzido – originário daquela primordial divisão do Brasil em Capitanias. E que agora é convertido em divisas, apenas trocando de mão. Ao preço de 30 euros o metro quadrado, em glebas a urbanizar. Atraídos pelo sol e pelo mar, e sem preconceito com os caranguejos, os investidores do ecoturismo de segunda residência se concentram no litoral.
(Este artigo está publicado no Diário de Pernambuco, edição de 4/fev./2010, p. A19).

Legenda impede aventura de Ciro

. O Blog de Jamildo (JC Online) registra declaração do deputado iro Gomes a uma emissora de rádio de Fortaleza em que ele estaria admitindo ser candidato a vice-presidente da República, desde que o governador mineiro Aécio Neves viesse a substituir José Serra como candidato à presidência.
. Ele especula que José Serra trocaria as incertezas da arenga presidencial pela segurança de uma recandidatura ao governo de São Paulo. “Nesse caso, o PSDB vai chamar o Aécio [Neves] para ser candidato”, teoriza Ciro. “E, em algum momento, o Aécio vai me chamar para ser vice dele”- anota Jamildo Melo.
. Estranho, muito estranho. Ciro é um político experiente e sabe que a possibilidade de o PSB lhe permitir legenda para essa aventura é igual ao casamento de um porco-espinho com uma girafa.
. Afinal, o PB é o partido a que Ciro se encontra filiado. E não há nenhum sinal de que os socialistas deixariam a coalizão que apóia Lula para um inusitado casamento com os tucanos.

Tucanos não cuidam bem da educação

. Imagine se fosse um estado governado pelo PT ou outro partido de esquerda. A grande mídia estaria fazendo o maior escarcel. Mas como se trata de São Paulo, sob governos tucanos há dezesseis anos, a notícia é apresentada com moderação.
. A Folha de S. Paulo de hoje informa que os resultados do Saresp, prova de português e matemática aplicada pelo governo paulista, mostram que, na rede estadual, o desempenho dos alunos do 3º ano do ensino médio não chega ao esperado para a 8ª série.
. O exame avalia os estudantes da 4ª e da 8ª séries do ensino fundamental e da 3ª série do médio. Em 2009, foi registrada melhora na 4ª série: a média subiu de 180 para 190, 4 em português, numa escala que vai até 500.
. O avanço foi mais tímido na 8ª série e inexistente no 3º ano do ensino médio, ambos com desempenho abaixo do que é considerado ideal. Em matemática, houve pequeno recuo na média geral (de 273,8 para 269,4).
. A gestão José Serra alega que, embora a situação não seja satisfatória, políticas adotadas pelo governo melhoraram os resultados. Especialistas classificaram como “pífio” ou “tímido” o desempenho dos alunos.

Mídia democrática em debate

No Blog do Miro, por Altamiro Borges
Os empresários progressistas da mídia
. Neste sábado, dia 27, pequenos empresários e empreendedores individuais da mídia realizam, na capital paulista, evento para discutir formas de atuação do setor. Na 1ª Conferência Nacional de Comunicação, no ano passado, eles deram os primeiros passos na sua organização, contrapondo-se aos monopólios que controlam a mídia. Em São Paulo, veículos progressistas – como o sitio Carta Maior e as revistas Caros Amigos, Fórum e Retrato do Brasil – elegeram 20 delegados entre os representantes da “sociedade civil empresarial” e jogaram papel decisivo na Confecom.
. Na sequência, decidiram criar uma entidade para organizar o setor, que não se sente representado pelas entidades dos barões da mídia – como a Associação Nacional dos Jornais (ANJ), que reúne os jornalões oligárquicos do país. O evento do sábado reunirá revistas, jornais, sítios e blogueiros progressistas. Como afirma sua convocatória, o objetivo é iniciar a discussão para a “fundação de uma entidade nacional que represente os interesses políticos e econômicos de empreendedores e empresas de comunicação que se enquadram no campo da imprensa contra-hegemônica”.
. Na primeira parte, o evento tá uma mesa redonda, coordenada pelo jornalista Flávio Aguiar e que contará com as presenças dos professores Bernardo Kucinski, Venício Lima, Laurindo Lalo Leal Filho e Denis de Oliveira. Na parte da tarde, os presentes debaterão desde o nome da futura entidade até seus princípios, objetivos e formas de atuação. O encontro é aberto à participação de todos os interessados, já que, como afirma a convocatória, “o apoio à nossa causa deve ser dar na sociedade civil, nos movimentos sociais e no meio acadêmico”.

Comunicação em debate

Daqui a pouco, aqui em São Paulo, com Inamara Mélo e Guido Bianchi (de Pernambuco), participo do Encontro Nacional de Comunicação do PCdoB.

Quem deve a quem

Não se trata de pedir desculpas a Humberto, mas de reconhecer o grave erro perante o povo. Mendonça, Jarbas, Guerra & caterva estão devendo.

Atitude consequente

Dica de sábado: Reflita, respire fundo, conte até dez... para manter o equilíbrio e evitar precipitações. Na política e na vida pessoal.

25 fevereiro 2010

Para restringir a liquidez na economia

. Está no Valor Econômico de hoje. O Banco Central vai recolher R$ 71 bilhões dos R$ 99,8 bilhões que injetou no mercado financeiro em depósitos compulsórios, em 2008, para irrigar os bancos, sobretudo as pequenas e médias instituições. Com as novas regras, o BC vai enxugar a liquidez disponível no mercado e reduzir o potencial de expansão da oferta de crédito na economia, que é um dos motores do crescimento.
. Os efeitos das medidas anunciadas ontem pelo BC, para restabelecer os compulsórios, serão sentidos em duas etapas: a alíquota incidente sobre depósitos a prazo, que tinha caído para 13,5%, voltará a 15% a partir de 9 de abril, com impacto sobre a liquidez estimado pelo BC em R$ 34 bilhões. A exigibilidade adicional sobre depósitos à vista e a prazo, cujas alíquotas tinham baixado para 5% e 4%, respectivamente, será novamente de 8% a partir de 22 de março, anunciou o presidente da autarquia, Henrique Meirelles. Com essa última medida, o BC volta a recolher R$ 37 bilhões.
. Os bancos também terão de destinar às suas reservas no Banco Central outros R$ 74 bilhões em espécie para substituição de compulsórios hoje constituídos por títulos públicos.

Bom dia, George Arribas



Meus olhos...

Meus olhos aquietam a minha alma
Despindo-me por onde vou
Distantes vão eles entre as calles
Incautos passeiam entre a dor

Meus olhos e minhas lembranças
Bordados de mundos que eu vi
Porções preciosas de tempo
Que em tantos portos perdi

Segui olhos cegos e insanos
Presas tão fáceis dos meus
Cruéis servis dos enganos
Nas armadilhas do adeus

Minha coluna semanal no portal Vermelho

Programa, partido e governo

Luciano Siqueira

Que a grande mídia bata forte no PT, em Lula e Dilma e que os porta-vozes demo-tucanos também o façam, tudo bem. Faz parte do jogo pesado da sucessão presidencial. Mas não precisa atravessar o samba tanto assim.

Vejam. O PT fez o seu congresso, aprovou uma proposta de programa de governo a ser oferecida ao conjunto das forças políticas que se congreguem em torno da candidatura da ministra Dilma. Uma proposta avançada sob muitos aspectos, diga-se, e por isso mesmo alvo de verdadeiro bombardeio.

Uns atiram porque consideram a proposta progressista em demasia (contrariando os interesses deles), demonizando itens como a redução da jornada de trabalho sem perda salarial e a democratização dos meios de comunicação. Outros esbravejam contra o que consideram “incoerência”petista: o programa aprovado não seria exatamente o programa do futuro governo. Tamanha ignorância! Ou tergiversação.

É preciso compreender a correta relação entre programa partidário, programa de coalizão político-eleitoral e programa de governo. Melhor será dizer, para ser exato, “programa”, “plataforma” e “plano de governo”.

Todo partido político tem seu programa. O PCdoB, por exemplo, atualizou o seu no 12º. Congresso ocorrido no final do ano passado, que se constitui num enorme avanço teórico e político, entrelaçando proposições táticas, visíveis no horizonte político de curto e médio prazo, com o objetivo estratégico, a transição ao socialismo.

Pois bem. Numa coalizão partidária, nenhum partido que a integra abre mão do seu programa, mas reconhece que não dá para exigir que os demais o adotem. Firma-se, então, um programa (plataforma) comum, consensual, em torno das proposições que todos considerem indispensáveis para que estejam juntos e que expressa o que se pretende realizar no governo.

Mas acontece que uma vez no governo, há irremediavelmente uma discrepância entre o programa apresentado na campanha (a plataforma) e o programa de governo propriamente dito – ou, melhor dizendo, plano de governo, cuja fidelidade à proposta original será maior ou menor dependendo de um conjunto de fatores, entre os quais a correlação de forças existente. Lula, por exemplo, elegeu-se duas vezes em pleitos em que a maioria dos senadores e deputados federais se elegeu articulada com o oponente derrotado. Para governar, então, o presidente teve que fazer acordos com partidos que não marcharam com ele nas eleições, mas passaram a apoiar o governo. Isso tem conseqüências sobre o plano de governo, porque implica em acordos e concessões, ainda que não se abra mão do conteúdo essencial da plataforma com a qual o presidente se elegeu.

Portanto não há, nesse caso, nenhuma incoerência do PT.

O ritmo de cada um e o ritmo de todos

. É preciso muita sensibilidade e equilíbrio para a travessia de agora até as convenções partidárias, em junho. Porque cada partido tem o seu ritmo.
. Ritmo e pretensões – todas legítimas, mas nem todas viáveis. Daí a necessidade de unidade interna em cada um para que se estabeleça o melhor diálogo com os demais. E assim se encontre o ritmo de todos – e a unidade da Frente Popular, fator decisivo para a vitória, se consolide.

História: 25 de fevereiro de 1981

A Justiça Militar condena Lula e mais 10 sindicalistas do ABC, com base na Lei de Segurança Nacional, pela greve de 1980. As penas mais tarde serão revogadas. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Meu artigo semanal no Blog de Jamildo (Jornal do Commercio Online)

Tamarineira entre o verde e o lucro

Luciano Siqueira*

O ótimo deveria ser bom para todos. Simples? Claro que não. Mas bem que se essa idéia prevalecesse na ocupação e uso do território da cidade muitos equívocos poderiam ser evitados - tanto em intervenções urbanísticas de responsabilidade do poder local, como em empreendimentos privados. No entanto, há sempre a incidência de um conjunto de variáveis que via de regra coloca em pólos opostos a reprodução do capital versus o direito de todos à cidade saudável.

É o que parece acontecer na polêmica questão do uso a ser dado ao terreno do hospital psiquiátrico da Tamarineira. Mais do que o conflito de ordem jurídico-formal entre a Santa Casa de Misericórdia (e o grupo econômico com o qual transacionou o terreno) e o poder público municipal acerca da decisão final – constrói-se ou não um shopping center preservando 70% de área verde ou se a converte integralmente em parque público -, pesam as repercussões de uma ou outra alternativa para a qualidade de vida da população.

Ora, ninguém desconhece que empreendimentos comerciais de porte contribuem para a dinamização da economia local, inclusive para a oferta de novos postos de trabalho. Mas é igualmente certo que há muitas outras implicações a se ter em conta, contabilizadas como impactos sobre a vida no entorno. Por exemplo, a mobilidade – ou seja, transtornos inevitavelmente advindos da circulação extra de 2 a 3 mil novos veículos que se abrigariam no estacionamento, conforme o projeto esboçado.

Daí a absoluta legitimidade da oposição ao empreendimento sustentada por parcela expressiva da sociedade, liderada pelos “Amigos da Tamarineira”.

“Se o terreno é privado e o projeto respeita as leis vigentes, ninguém pode impedi-lo”, se poderia dizer. Correto, sob prisma meramente jurídico ou burocrático. Errado sob o prisma da defesa da vida.

Mais: a Constituição promulgada em 1988 estabelece em seu artigo 170, inciso 3, a função social da propriedade. Conceito confirmado no Estatuto da Cidade, que coloca à disposição do gestor municipal um conjunto de dispositivos precisamente destinados a resolver situações de conflito segundo os interesses superiores da população.

O argumento se justifica mais ainda, tanto quanto se considere a dimensão reduzida do nosso território – apenas 218 km quadrados – para abrigar uma população que ultrapassa 1 milhão e 500 mil habitantes. Ter ou não mais áreas verdes é, assim, uma variável decisiva.

Tudo faz crê que se trata de uma pendenga de longo curso, cujo desenlace certamente dependerá do tamanho da pressão exercida pela sociedade.
* Colaboraram Custódio Amorim, Janaina Granja e Márcia Branco.

Luciana e Renildo em almoço dos comunistas com Dilma

No Vermelho:
Dilma encontra líderes do PCdoB
. A pré-candidata do PT à Presidência da República, ministra Dilma Roussef, recebeu a direção do PCdoB e os líderes do Partido na Câmara para um almoço na residência dela, nesta quarta-feira (24), em um primeiro de vários contatos que pretende manter com todos os partidos aliados. A escolha do PCdoB como um dos primeiros se deve ao fato dos comunistas serem “aliados históricos” do PT, justifica o presidente do PT, José Eduardo Dutra, que participou do almoço.
. O presidente do PCdoB, Renato Rabelo, saiu da reunião adiantando a decisão do PCdoB de promover um grande ato de apoio formal à candidatura de Dilma Roussef. Sem data definida, o evento deve ocorrer no início de abril.
. Ele lembra que esses contatos já vinha ocorrendo antes mesmo da formalização da pré-candidatura. E que as conversas giram em torno das propostas de campanha. O PCdoB manifesta a necessidade de, em um governo Dilma Roussef, serem estimulados os investimentos na produção.
. A ministra, segundo contou o líder comunista, tem recebido as propostas do PCdoB como uma comunhão das ideias do PT para o seu governo. Os dirigentes petistas e comunistas também avaliam que o governo Dilma terá condições de avançar nas conquistas e vitórias dos sete anos do governo Lula.
. “O governo da Dilma vai dar continuidade ao governo Lula mas com avanços, aprofundando questões que, até em função das circunstâncias em que o governo Lula assumiu o Brasil em 2003, hoje temos condições de fazer um governo mais avançado”, explica Dutra.
Prioritário e fundamental - Também existe afinidade entre os dois partidos quando avaliam o histórico de atuação juntos na política nacional e dos estados. “O PCdoB é um aliado histórico do PT, desde 1989, na primeira candidatura do Lula. Aliado conosco na vida nacional e nos estados que governamos, portanto um dos partidos prioritários e fundamental para viabilizar essa aliança”, disse ainda Dutra.
. Para o presidente do PT, esse contatos, que vão se amiudar a partir de um calendário de conversas que será montado, vai servir para “afinar a viola.” A líder do PCdoB na Câmara, Vanessa Graziottin (AM) faz a mesma avaliação. Segundo ela, o mais importante é que assumimos um compromisso de ajuda mútua para garantir a eleição, não apenas da Dilma, mas de governadores e uma grande bancada, que vão garantir a governabilidade.
. Participaram do almoço o presidente e a vice do PCdoB, Renato Rabelo e Luciana Santos; o prefeito de Olinda, Renildo Calheiros, o ministro do Esporte, Orlando Silva, o secretário de Organização, Walter Sorrentino, o líder do Bloco de Esquerda na Câmara, deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) e a líder do PCdoB na Câmara, deputada Vanessa Graziottin.
. Do PT, participaram, além da própria pré-candidata, o presidente do Partido, José Eduardo Dutra, o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vacarezza (SP), o ministro das relações Institucionais, Alexandre Padilha e o ex-prefeito de Belo Horizonte (MG), Fernando Pimentel.
(Da sucursal de Brasília, Márcia Xavier).

22 fevereiro 2010

Guerra na vice de Serra é aposta furada

. A Carta Capital desta semana traz nota assinada pelo jornalista Mauricio Dias sugerindo que o senador Sérgio Guerra estaria cotado para a vice de Serra. O próprio Guerra estaria trabalhando nesse sentido.
. Pode até ser. Mas não me parece o mais provável, pois o governador paulista necessitaria de um nome de apelo popular, real influência política e densidade eleitoral.
. Ora, fora da mídia, onde tem algum destaque por ocupar a presidência do PSDB, o senador pernambucano pouco representa na região. Mesmo em Pernambuco a sua força eleitoral parece suficiente para a conquista de uma cadeira na Câmara dos Deputados, já que dificilmente terá votos para renovar o mandato de senador.
. A aposta do colunista da Carta Capital carece de fundamento. Mas se vier a se confirmar – em política tudo é possível -, será um indicativo seguro de fragilidade da candidatura Serra.

Mais investimento em infraestrutura

. Está em O Estado de São Paulo de hoje. Infraestrutura terá R$ 274 bilhões até 2013, sendo que os investimentos em energia e telecomunicações crescerão 37,3%, segundo prevê BNDES.
. Os grandes projetos nas áreas de energia e de telecomunicações continuarão a liderar a expansão da infraestrutura do País, que deve receber R$ 274 bilhões em investimentos nos próximos quatro anos. A projeção consta de estudo do BNDES, que prevê alta de 37,3% nos investimentos do setor entre 2010 e 2013, ante R$ 199 bilhões entre 2005 a 2008.
. O ano de 2009 ficou fora da comparação porque os dados não estão fechados. . Do total de investimentos para o atual quadriênio, 33,6% virão de projetos de geração, transmissão e distribuição de energia. Os R$ 92 bilhões previstos até 2013 com grandes obras, como as hidrelétricas na Região Norte e a terceira planta nuclear de Angra, vão significar aumento de 35,7% no setor ante o período entre 2005 e 2008. Para os técnicos do BNDES, o volume deve ser ainda maior, já que novos projetos poderão surgir, consolidando a liderança da energia elétrica na expansão da infraestrutura.

21 fevereiro 2010

Serra sob olhar crítico

A opinião de um professor sobre o pré-candidato tucano
Tadeu Colares

Quando eu era garoto (faz um bom tempo), ouvia de minha avó "historias de Troncoso". Já adolescente, ela me dizia que eu tinha a mania de contrapor certos fatos da historinha com a realidade. Eu insistia.. Ela então dizia, meu neto, "faz de conta...".

Pois é justo isto que o Serra tem feito.Vai ver as enchentes, os estragos, de perto; o desespero do povo, de longe (pela TV). Suas sucessivas declarações aos jornais e na TV, dão a impressão de se encontrar naquele torpor das pessoas que perdem um ente querido e ficam com aquele olhar fitando o infinito.

Se alguém lhe faz cobranças, invariável suas respostas se parecem com aquela atitude de minha finada avó:" faz de conta...". Faz de conta que nada tem a ver com ele.É isto mesmo. Frente às críticas, Serra sempre faz de conta que não é com ele.E vai ficando neste eterno "faz de conta". O Serra com certeza tem tudo ver com minha avó, "faz de conta.".

O povo sofre, não num "faz de conta". Mas as eleições vêem aí. O povo bem poderá fazer um "faz de conta" nas urnas... Ele ficará num "faz de conta" que é presidente... Quem viver verá...

Painel de comentários sobre o meu artigo “Praça do Poço da Panela e da reinvenção da vida”

Maravilhoso... Realmente o que estamos fazendo... reinventando a vida com mais amor e solidariedade e nada como uma "praça" que na sua graça faz isto com sua beleza ingênua e solidaria. (Sandra Brito).
*
Limito-me ao comentário aqui escrito, muito bom! , porém, quanto à praça ainda não conheço , conheci quando criança a praça que ficava na frente da igreja e a casa de D. Olegarinha, ali era realizada a festa do poço da panela anualmente com todos os brinquedos existentes nas festas de rua ou de largo, era uma festa lindíssima, ocasião também das férias escolares quando meus tios e primos vinham de férias do Rio de Janeiro para a casa da mãe do esposo da minha tia a D. Adelaide, a casa ficava justamente de esquina com a lateral voltada para a casa de D. Olegarinha e a Igreja... Brinquei bastante... O poço ali terminava, não havia casas até as margens do Capibaribe era o que chamavam de areal... Poço da Panela foi marco da nossa historia antes de 1888, na casa de D. Olegarinha existia um túnel onde ela escondia os escravos (cheguei a conhecer), acabaram com ele assim como também acabaram a nossa história... Hoje o Poço da Panela é habitado 80% pela burguesia. (Graças Carvalho).

A morte de Neuton

. Perdemos um amigo e companheiro: Neuton Miranda, presidente do PCdoB no Pará, militante comunista há 38 anos.
. Viverá sempre em nossa luta.

Diálogo pra que te quero?

Sugestão de domingo: Evite falar para quem não quer lhe ouvir. Só dá desgaste e desencontros.

Recriação ousada da ciência

Ciência Hoje Online:
Anarquistas da ciência
Da teoria da relatividade à mecânica quântica, Adilson de Oliveira discute os avanços no conhecimento sobre o mundo físico, que muitas vezes surgem do rompimento com os modelos preestabelecidos.
. A física é uma ciência que vem sendo construída ao longo de centenas de anos por diversos cientistas e pesquisadores. Alguns se destacam mais nessa empreitada, mas a grande maioria é formada apenas por pequenos coadjuvantes.
Ilustração da curvatura do espaço-tempo causada pela presença de matéria (no caso, a Terra). Esse efeito faz parte da teoria da relatividade geral, proposta revolucionária de Albert Einstein que é hoje um dos pilares da física (imagem: Wikimedia Commons).

. Por exemplo, milhares de artigos científicos na área da física são publicados por mês em todo o mundo, sendo que quase todos relatam apenas resultados e teorias incrementais, ou seja, que se tornam pequenos avanços – embora essenciais – para a compreensão do mundo físico. As grandes descobertas são raras e as que revolucionam profundamente a física são ainda mais difíceis de acontecer.
. Esse fato mostra que a física é um campo de conhecimento sólido, que não é facilmente alterado, pois somente aquilo que é realmente verificado e testado de maneira independente e exaustiva se consolida.
. Em certos momentos, alguns cientistas resolvem desafiar o status quo e propor ideias revolucionárias. Como se fossem ‘anarquistas científicos’, tentam quebrar os modelos e a ordem estabelecida dentro do campo científico.
. Contraditoriamente, um dos maiores anarquistas da ciência durante a juventude transformou-se em um forte conservador quando ficou mais velho. Seu nome: Albert Einstein (1879-1955).
. Leia o texto na íntegra http://cienciahoje.uol.com.br/colunas/fisica-sem-misterio/anarquistas-da-ciencia

Dúvida óbvia

“Discutir” com Jarbas pelos jornais sobre candidatura a governador é pra valer ou mero jogo de cena enquanto se decide quem enfrentará Eduardo?

O desabafo de um cidadão atento

Trata-se, obviamente, da opinião pessoal do autor - que não coincide em vários aspectos com a do "blogueiro". Mas reflete a opinião média de um segmento considerável da população e por isso mesmo suscita reflexão. (LS).
O voto. Só tenho o meu
Paulo Salles Cavalcanti, economista
sallescavalcanti@hotmail.com


2010 está às portas. Eleição geral para todos os gostos. É hora de novamente pensar no voto. Fico surpreso quando vejo um determinado candidato dizer que tem tantos mil votos, ou ainda que os votos de candidato tal irão para o candidato qual. E por aí vai. São proprietários de muitos votos. Serão mesmo?
Não sou candidato a nada e só tenho um voto: o meu. Por isso tenho que analisar bastante a quem vou destina-lo. Até porque ando meio ressabiado com o regime democrático, mesmo tendo aprendido ser ele o melhor sistema político. Na verdade, a tal “democracia brasileira” desviou-se bastante dos ideais da doutrina política criada pelos antigos gregos: governo do povo, pelo povo e para o povo. Notadamente quando os políticos se arvoram de donos dos votos. Elege-se um candidato e ele simplesmente abandona o seu eleitor e relega tudo que havia antes pregado. Não se elege o seu candidato e, como minoria, fica o constrangimento de respaldar tudo o que é decidido pelo governo constituído. Desde o abrigo a criminosos ao abraço a déspotas, golpistas, terroristas e outros governantes que tais. Afinal, o posicionamento do governo brasileiro é o posicionamento do povo brasileiro. Será? E eu, como fico? Não fico. E não me venham com o argumento de que há um parlamento que decide. Ora, se eu tenho maioria, ou costuro essa maioria, para que tudo seja aprovado como eu quero, a democracia está sendo usada tão somente como respaldo a um sistema político ditatorial. E ainda pior: com o meu voto. E não adianta chiar. É choro de minoria. Resta a famosa alternativa de que se pode mudar a cada 4 ou 8 anos. Não tenho tanta certeza. E se eu não conseguir eleger o meu candidato? Retorna-se ao ciclo vicioso acima. Na verdade, no regime democrático eleger um candidato significa dar-lhe um papel assinado em branco ou se preferirem um “cheque assinado e não preenchido”. Contraditoriamente, ainda há os casos em que se decide diversa do pensamento da maioria dos brasileiros. Por exemplo: a maioria repudia a corrupção e eles protegem o corrupto. A maioria se manifesta contrária a oficialização do aborto e da união de pessoas do mesmo sexo, e eles aprovam. Resta-me um profundo sentimento de impotência e frustração. Será que não estamos vivendo a pior das ditaduras: aquele referendada pelo voto popular?. Onde estariam as chamadas “salvaguardas” da democracia? Quais seriam, na essência , suas vantagens? E eu, cidadão brasileiro, só tenho um voto: o meu.

20 fevereiro 2010

Devagar que o santo ainda não está pronto

. Com todo respeito pela movimentação interna em cada partido, a escolha dos nomes para o Senado é assunto para consenso a ser firmado entre todas as forças da coligação governista.

. Por enquanto tudo está em aberto, salvo Eduardo Campos como cabeça de chapa.

Obstáculo eventualmente intransponível

Dica de sábado: Água mole em pedra dura tanto bate até que fura? Nem sempre.

História: 20 de fevereiro de 1981

Setembro de 1980: greve das 33 universidades
Congresso de professores em Campinas, SP, cria a Andes (Associação Nacional de Docentes do Ensino Superior), coroando a mobilização de uma categoria de recente mas ativa tradição sindical. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Rumos opostos para o Brasil

No Vermelho, por Eduardo Bomfim:
O confronto decisivo

Tem sido comum aos comentaristas políticos evocar Terra Desolada de T. S. Eliot, especialmente quando o grande escritor norte-americano diz que Abril é o mais cruel dos meses. Pode ser, às vezes pode não ser.

Tudo depende da ação e do movimento consciente dos homens que geram contradições muitas vezes antagônicas e outras vezes nem tão antagônicas assim.

E isso sempre está associado aos fatores imponderáveis que não dependem da vontade desse ou daquele cidadão ou dessa ou daquela corrente política. Além do que as coisas sempre estão subordinadas à vontade coletiva, ao nível real da compreensão da sociedade.

Portanto na luta política interagem vários fatores complexos, muitos dos quais não podem ser previstos antecipadamente, até porque alguns surgem no curso de um determinado confronto, inclusive em uma campanha eleitoral.

E é exatamente sobre uma circunstância dessas que o diretor da Vox Populi, Marcos Coimbra, explica a situação do candidato tucano à presidência da República, José Serra.

Diz ele que o grande dilema do tucano é que, em 2002, quando as pessoas queriam mudança, ele era a continuidade. Agora, todos querem a continuidade, ele é a mudança.

Evidente que essa é uma análise de um especialista em pesquisa e tendências eleitorais. Falta nessa excelente radiografia o conteúdo político, o cerne dos programas e projetos que os partidos, as coalizões eleitorais defendem para a nação e o povo brasileiro.

Em nosso país, para ficarmos só no Brasil, muitos presidentes, governadores e prefeitos eleitos começaram suas campanhas às vezes com menos de dois dígitos nas pesquisas e no decorrer do processo eleitoral alcançaram a vitória.

Portanto, como diria o conselheiro Acácio, pesquisa é pesquisa e campanha é campanha. Na verdade, nesta eleição atual o voto terá mesmo caráter plebiscitário. Ou bem continuamos com o projeto nacional de desenvolvimento com inclusão social ou retornaremos às políticas neoliberais da época de FHC.

Essa tendência plebiscitária irá se estender a todas as instâncias, notadamente, presidente, senadores e governadores, além dos demais cargos eletivos. O povo vai escolher o seu futuro em uma luta muito difícil, contra uma elite política que se considera locadora do poder.

19 fevereiro 2010

Armando decidido

. No Diário de Pernambuco de hoje Armando Monteiro Neto afirma com todas as letras que não disputará a reeleição para deputado federal sob nenhuma hipótese. Está decidido a concorrer ao Senado.
. “Ou é o Senado, ou nada”, afirma.
. Respeitável postura de candidato majoritário. Para início das conversações entre os partidos, que agora tomarão ritmo e rumo definitivo até desembocarem nas convenções partidárias, em junho.

Bom dia, Clóvis Campêlo




Pra não dizer que não falei de amor...


Pra não dizer que não falei de amor
despojei-me de qualquer medida,
encarei sem receio a própria vida,
sanei no verso torto toda dor;

busquei lembrar do brilho dos teus olhos,
do toque morno da língua em tua boca,
do teu corpo úmido, nú, sem roupa,
do teu regaço onde me recolho;

joguei por terra a vã filosofia,
transformei profundo abismo em ponte,
fiz do firmamento novo horizonte,
transpus em noite quente a tarde fria.

Pra não dizer que não falei de amor...

Tempero da crise global

. Está no Valor Econômico de hoje. Os bancos internacionais têm uma exposição gigantesca de US$ 3,4 trilhões ao grupo de países europeus com maior vulnerabilidade fiscal e que ameaçam a zona do euro - Grécia, Portugal, Espanha, Irlanda e Itália, os chamados Piigs, na sigla em inglês.

. A cifra inclui bônus dos governos, dívidas de empresas e até empréstimos pessoais. Os dados do Banco Internacional de Compensações (BIS) indicam que, embora as atenções dos investidores estejam focadas na Grécia e em Portugal, a exposição da banca é muito maior na Itália, Irlanda e Espanha.
. O risco de calote provoca especulações de qual seria a perda potencial dos bancos envolvidos nesses países. Dados consolidados obtidos pelo Valor mostram que a banca internacional tem exposição de US$ 298 bilhões na Grécia, a maior parte de instituições alemãs. Na Itália, ela chega a US$ 1,196 trilhão; na Espanha, a US$ 944 bilhões e na Irlanda, a US$ 710 bilhões. Por sua vez, a exposição dos bancos em Portugal é de US$ 252 bilhões, a menor do grupo.

Onde Dilma já ganharia de Serra

No Vermelho, por Bernardo Joffily:
Ibope: Dilma passou Serra no Nordeste e no Norte
Entre dezembro último e este mês, a presidenciável Dilma Rousseff, do PT, ultrapassou José Serra, do PSDB, tanto do Nordeste como no Norte/Centro-Oeste, conforme a pesquisa Ibope/Diário do Comércio divulgada nesta quinta-feira (18). A informação não foi dada nem pelo diário que promoveu a pesquisa e nem pela grande mídia que a comentou. Mas está disponível no relatório do Ibope e você pode conferi-la no mapa que ilustra esta matéria.
. Os dados regionais – e os sociais – ajudam a entender a pesquisa. Olhe o mapa ao lado. Ele mostra aonde Dilma foi buscar sua alta de oito pontos nacionalmente, bem acima da margem de erro, de dois pontos para cima ou para baixo; e aonde Serra perdeu dois pontos, dentro da margem de erro.
Os cenários regionais - Nem tudo são boas notícias para Dilma, que o PT deve lançar oficialmente como sua candidata no sábado. No Sul, a candidata do presidente Lula perdeu um ponto e seu adversário ganhou dois – ambos dentro da margem de erro. A vantagem de Serra, que já era de 17 pontos, aumentou para 20
. O resto foram boas notícias. No Sudeste, maior colégio eleitoral do país, a vantagem de Serra permanece grande, 22 pontos, mas caíu seis pontos.

. Já no Nordeste e no Norte/Centro-Oeste ocorreu uma virada, segundo o Ibope. No fim do ano passado, segundo o Ibope, Serra tinha 16 pontos de vantagem no Nordeste e 11 pontos no Norte/Centro-Oeste. Agora está perdendo por cinco pontos numa região e por dois na outra.
. Ciro Gomes, presidenciável do PSB – veja o mapa – segurou-se bem no Nordeste e até cresceu no Sul. Oscilou para baixo na contagem nacional devido essencialmente aos quatro pontos que perdeu no populoso Sudeste. Já Marina Silva, do PV, oscilou positivamente em todas as regiões, dentro da margem de erro. Seu melhor desempenho é no Norte, onde chegou a 11%.
Dilma caíu nos mais ricos... e subiu no resto - O relatório do Ibope também traz outras informações. Dilma subiu das capitais, de 18% para 27%, na periferia, de 16% para 23%, e no interior, de 17% para 25%. Avançou nas pequenas, médias e grandes cidades.
. A petista perdeu dois pontos percentuais, de 25% para 23%, na faixa que ganha mais de dez salários mínimos por mês (que segundo o Ibope equivale a 3,6% do eleitorado brasileiro). Mas ganhou oito (de 21% para 29%) na camada seguinte, de cinco a dez mínimos. Outros oito na de dois a cinco. Ganhou seis pontos na de um a dois mínimos (a mais numerosa). E subiu 14 pontos, de 11% para 25%, na camada que ganha menos de um mínimo, a "faixa do Bolsa Família".
. Ainda assim, o desempenho de Dilma nesta faixa repete a sua média: 25%. O que indica que há muito para crescer aí quando começar a campanha, já que é nas faixas mais pobres que a popularidade de Lula é maior.
. José Serra, o virtual candidato da oposição conservadora (embora não tenha ainda assumido a candidatura), descreveu uma trajetória inversa. Consolidou-se na camada mais rica, passando de 43% para 44%. Mas teve seu maior tombo na faixa seguinte, de cinco a dez mínimos: uma perda de oito pontos, de 42% para 34%.
Por que Ciro sair é bom para Dilma - A pesquisa testou apenas dois cenários: um com Ciro – que comentamos até aqui – e outro sem Ciro. Neste último, Serra aparece com cinco ponto a mais (41%) e Dilma com três a mais (28%).
. Dez entre dez analistas e jornalistas da grande mídia que comentaram estes números concluiram que, portanto, uma retirada de Ciro favoreceria Serra. Um dos mais enfáticos foi Sergio Kapustan, do próprio Diário do Comércio. "A retirada da candidatura de Ciro Gomes causaria um efeito exatamente oposto ao que espera o presidente Luiz Inácio Lula da Silva", escreveu Kapustan.
. Divirjo humildemente dessa impressionante unanimidade e fico com Lula. Esta é uma análise que não pode se contentar com os dados quantitativos globais, tem que entrar no detalhe.
. Primeiro, porque o reduto de Ciro é no Nordeste, e é no Nordeste (por exemplo no Ceará, que elegeu o deputado do PSB com retumbante votação) que a avenida para o crescimento de Dilma está mais desimpedida: apenas um governador, o de Alagoas, está no palanque de Serra.
. Segundo, porque durante a campanha Ciro teria que se diferenciar para crescer além dos 11% que o Ibope lhe atribui. E não poderia faze-lo com elogios ao governo Lula, que só ajudariam Dilma, e sim com críticas e/ou ataques.
. Terceiro, porque os eleitores que não escolheram candidatos segundo o Ibope (disseram que votariam em branco, nulo ou não souberam escolher um candidato) somaram 20% no primeiro cenário (chegando a 23% na camada mais pobre) e 21% no segundo (25% na mais pobre). Estes indecisos, que possivelmente decidirão a eleição presidencial tendem a ser os mais disponíveis para ouvir o pedido de voto de Lula, cuja popularidade o Ibope confirmou, em um cenário polarizado; mas é mais fácil que dispersem suas escolhas em um quadro menos nítido.
. Seria ingênuo acreditar que Luiz Inácio – um reconhecido prodígio em matéria eleitoral – esteja redondamente enganado em uma questão como esta. E mais ingênuo ainda supor que a cabala do "fica Ciro" tomou conta da mídia hegemônica com o intuito de ajudar Dilma.
. Isto, mais até que os dois pontos perdidos desde dezembro e os seis desde setembro, deve estar frequentando as reflexões de Ciro Gomes depois deste Ibope. E também os de seu partido, que ele promete obedecer "docilmente".
. Na espontânea, empate: 9% a 10% - Os números da pesquisa espontânea també merecem um comentário. Há empate técnico entre Serra (10%) e Dilma (9%), seguidos de longe pelo Tucano Aécio Neves (3%), enquanto os outros presidenciáveis não passam de 1%. Porém Lula lidera a espontânea, com 23%. E os que não escolheram ninguém chegam a 52% no Brasil e 63% na Região Sul, onde são mais numerosos.
. Na espontânea Dilma tem seu pico nos homens (11%), na faixa entre 30 e 39 anos (11%), e sobe de 6% na faixa com escolaridade até a quarta série para 14% na de nível superior. Oscila entre 7% no Sul e 10% no Nordeste e Norte/Centro-Oeste.
. Serra vai melhor nos homens (12%), nas faixas com mais de 40 e de 50 anos (11%), e também melhora de preformance conforme a escolaridade, de 8% para 15%. Vai de 5% no Nordeste a 12% no Sudeste e Norte/Centro-Oeste.
. Quanto à renda, Dilma na espontânea tem seu pico nas faixas de mais de 10 salários mínimos (13%) e em especial de cinco a dez (14%), caindo para 10% e 8%, até chegar a 6% na faixa de até um salário mínimo. Serra alcança espetaculares 24% na votação espontânea dos que têm renda acima de dez salários mínimos; depois decresce escalonadamente, até chegar a 7% na vaixa que ganha menos de um mínimo.
. E Lula, o campeão da espontânea? Ele segue o caminho inverso de Serra... e também de Dilma. Tem 13% na faixa de mais de dez mínimos, e sobe para 15%, 21%, 26%, até chegar a 29% na "faixa do Bolsa Família". O que confirma que, conforme os analistas já estão reconhecendo, não existe a mais ínfima base para profetizar que Dilma Rousseff "bateu no seu teto".
. A pesquisa foi realizada com 2.002 eleitores a partir dos 16 anos entre os dias 6 a 9 de fevereiro, em 144 municípios de todo o Brasil. O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Esta pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral, sob o protocolo nº 3196/2010.

18 fevereiro 2010

Ponha na agenda. E compareça

UEP protesta contra assassinato de estudante

No site da UNE:
Nota de indignação: estudante assassinado no Recife

A União dos Estudantes de Pernambuco vem à público prestar solidariedade à família e lamentar o falecimento de Alcides do Nascimento Lins, estudante de Biomedicina da Universidade Federal de Pernambuco, assassinado na sexta-feira, 5 de Fevereiro, por motivo banal em sua própria residência. Em 2007, ao ser aprovado com destaque no vestibular da UFPE, Alcides tornou-se símbolo de determinação juvenil e de inclusão social no ainda excludente sistema de ensino superior brasileiro.

Os jovens são as principais vítimas de violência no país, seja no papel de agredido ou agressor. O lamentável episódio ocorrido, entre outros, deve nos levar à reflexão sobre a juventude brasileira para que possamos caminhar na perspectiva de lhe garantir plenamente melhores condições de vida.

Neste novo momento, no qual uma grande parcela de jovens deixa de viver à margem da sociedade e passa a protagonizar mudanças significativas, com mais acesso à educação, saúde e cultura, casos como o ocorrido com Alcides são inadmissíveis. É com razão que o povo pernambucano se indigna diante de tamanha falta de respeito à vida.

Assim, a União dos Estudantes de Pernambuco em nome dos universitários do estado, vem a público exaltar sua indignação e solidariedade. Que Alcides, assim como outras vítimas da violência (seja ela física ou moral), torne-se também símbolo de um processo de mudanças, rumo a um Brasil de paz.

União dos Estudantes de Pernambuco

Minha coluna semanal no portal Vermelho

Cada cabeça uma sentença e duas ideias opostas

Luciano Siqueira

A primeira parte do título é expressão é muito comum, usada para justificar a multiplicidade de opiniões em relação à vida. Via de regra argumento simples para a defesa da pluralidade partidária: se o Brasil é imenso e complexo, natural que na busca de compreender e transformar (ou não) a realidade surjam diversas correntes de pensamento. E que se traduzam através de partidos políticos.

Não é democrático, por outro lado, engessar o espectro partidário através de regras restritivas destinadas a privilegiar os atuais grandes partidos, como recorrentemente propõem as forças de centro-direita. Uma corrente política hoje minoritária pode se converter futuramente em hegemônica a depender da escolha popular que, para tanto, necessita do debate amplo e da polêmica esclarecedora. Se este ou aquele partido tem cerceada a sua participação na cena política – no parlamento e nos meios de comunicação – por haver obtido eventualmente votação pequena, o direito de expressão e de busca de novos adeptos é suprimido.

Mas eis que surge a pergunta: seria uma incongruência defender a pluralidade partidária e ao mesmo tempo desejar uma eleição presidencial plebiscitária?

Plebiscitária no sentido de colocar em confronto aberto duas propostas diametralmente opostas – a continuidade da construção de um novo projeto nacional de desenvolvimento, sustentada pela ministra Dilma versus o retorno ao receituário neoliberal, representada pelo governador Serra. Desejo do presidente Lula, do PCdoB e da maioria dos partidos da coalizão governista.

A resposta é não. É coerente, sim, propugnar a pluralidade partidária e chamar a disputa presidencial para a polarização para melhor esclarecer o eleitorado. Primeiro porque os dois blocos - o governista e o oposicionista – são constituídos por partidos que, congregados não perdem a sua identidade própria; formam uma espécie de arco-íris. Cada um a seu modo contribui para o programa comum, de consenso. E, além disso, apresentam seus candidatos aos parlamentos estadual e federal e mesmo a governador.

Mais: cada partido coligado em torno das duas principais candidaturas à presidência da República há que justificar perante seus presumíveis eleitores a opção programática que fizeram – pelo menos os partidos que efetivamente se colocam como tal (tirante algumas legendas que ainda não se constituíram como corrente político-ideológica).

E os que preferem a multiplicidade de candidaturas no primeiro turno, postergando a polarização para um hipotético segundo turno? A seu critério, não são exatamente antidemocráticos, claro. A questão aí é outra, de ordem tática. Basta anotar as críticas contundentes feitas ao PT e aliados por Ciro Gomes do PSB, para justificar a sua postulação. E, do outro lado, as recentes declarações de Marina, do PV, para quem o PT teria cometido um erro histórico (sic) ao não se aliar ao PSDB, uma vez alcançado o governo da República. Quem serve a quem?

17 fevereiro 2010

Atacando por dentro

. A Folha de S. Paulo combate Dilma, mas faz campanha (sic) para emplacar Henrique Meireles (presidente do Banco Central), home de confiança do capital financeiro, como seu vice.
. Todo dia uma nota. Hoje está na coluna de Fernando de Barros e Silva. Parece piada.

O olhar de Enio sobre a nova preparatória das eleiçoes

Charge de Enio Lins na Gazeta de Alagoas

Meu artigo semanal no Blog de Jamildo (Jornal do Commercio Online)

Uma boa má notícia
Luciano Siqueira

Luciana Santos, ex-prefeita de Olinda, conviveu durante oito anos com ingentes desafios próprios de uma cidade grande (cerca de ¼ da população do Recife) e com arrecadação de cidade pequena (1/12 da renda própria da capital). “A gente todo dia tem que matar um leão e mostrar a juba”, dizia. Mas completava com a serenidade e o bom humor que a caracterizam, “pior seria não ter que lidar com esses problemas”. Ou seja, se houvesse perdido as eleições de 2000 e 2004 – que venceu ambas de maneira acachapante.

Guardadas as proporções, o mesmo poderia pensar o presidente Lula diante dessa boa má notícia, que ocupou páginas de jornais no último domingo (em plena folia carnavalesca): em 2009, 1,7 milhão de vagas oferecidas nas agências públicas de emprego não foram preenchidas. Um índice recorde que se situa precisamente em postos de trabalho que exigem algum grau de qualificação técnica, como engenheiros e nutricionistas.

A notícia é boa porque nas duas décadas perdidas, que se estendeu à era FHC, o crescimento econômico foi além de pífio, desqualificado, puxado, então, pelas exportações predominantemente de produtos primários. Quem não conhece engenheiros, químicos e profissionais diversos, de nível superior e médio, tecnicamente qualificados que, por falta de oportunidade, prestaram concurso e se converteram em funcionários de tribunais de contas e outros órgãos do Judiciário, ou preencheram vagas abertas na Receita Federal ou no Banco do Brasil e na Caixa Econômica? Agora mesmo citaria uns trinta cá da província, só em círculos de amigos mais próximos. Recebem salários gordos, mas foram desviados de função.

O “apagão” de mão de obra técnica, como caracterizou em manchete de primeira página o jornalão paulista é, em essência, uma notícia boa. Reflete o crescimento econômico que passa a ser puxado não apenas pelo setor de serviços, mas igualmente pela indústria – resultante direta do empenho do governo Lula em enfrentar os efeitos da crise global apostando em investimentos públicos em infraestrutura, no incentivo ma atividades produtivas e no incremento do mercado interno.

Levantamento feito junto ao Sine - rede pública de agências de emprego – revela que apesar dos malefícios provocados pela crise global na geração de empregos formais em 2009 (pior saldo anual desde 2003), a oferta de vagas no sistema foi a maior da década, atingindo 2,7 milhões.

E agora, José?, perguntaria o poeta. Agora o horizonte tende a ser mais promissor ainda. Por duas razões: uma, as previsões para este ano são de aumento do PIB e, por conseqüência, de maior demanda de postos de trabalho; dois, o governo continua reforçando as universidades públicas (e a oferta cursos especializados) e já inaugurou 141 as escolas técnicas e outras 99 estão em construção e devem ficar prontas até o final deste ano – o que conta a favor do almejado projeto nacional de desenvolvimento.

Para quem se inscreveu no ProUni

. Informa a Agência Brasil que os estudantes que foram pré-selecionados no Programa Universidade para Todos (ProUni) já podem comparecer à instituição de ensino escolhida e comprovar as informações que foram declaradas na inscrição. O prazo vai até o próximo dia 26.
. O resultado da primeira etapa de inscrições do ProUni está disponível no site http://www.mec.gov.br/
. Ao todo, 148.327 estudantes foram pré-selecionados. Para saber se foi aceito, o aluno deve acessar o link do ProUni e, em seguida, informar o número de inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o número no Cadastro de Pessoa Física (CPF).
. Foram ofertadas 165 mil bolsas de estudo, sendo 86 mil integrais e 79 mil parciais (com desconto de 50% da mensalidade). Os estudantes que não foram pré-selecionados terão outra oportunidade e poderão se inscrever na segunda etapa de inscrições, de 4 a 7 de março.

História: 17 de fevereiro de 1997

Em defesa do Programa Nacional de Direitos Humanos

Memória e história: passado e presente
Abdias Vilar de Carvalho(1)

No fim de 2009, os jornais apontam para uma possível crise institucional e governamental causada pelas divergências entre, de um lado, o Ministério da Defesa e os Comandos militares, e, de outro lado, a Secretaria de Defesa dos Direitos Humanos, em torno da terceira versão do Programa Nacional de Direitos Humanos. O ponto central estava no entendimento da criação e funções da Comissão da Verdade. No início deste novo ano, a imprensa repercute outros focos de discórdia com as propostas, desta vez, envolvendo CNA, ruralistas, igreja católica, mídia, apresentadas como as reações da sociedade. Mesmo se tratando de propostas, e não da anulação da Lei da Anistia, já discutidas no âmbito governamental e na sociedade, as medidas constantes devem ser discutidas pelo Poder Legislativo, dada a necessidade de serem transformadas em projetos de Lei.


Alguns fatos e argumentos por parte da imprensa, de líderes políticos, de articulistas e de opiniões de leitores de jornais e ouvintes de rádio, merecem, segundo penso, uma melhor reflexão.

Primeiro argumento, inclusive dito por um ex-punido pelo regime militar, segundo consta em jornal, de que não se deve remexer o passado e sim olhar para frente, tratar dos atuais casos de violência urbana e até mesmo de respeito à preservação ambiental para evitar catástrofes como as de Angra dos Reis, em dezembro passado. Como se vê, há uma mistura de fatos com naturezas totalmente distintas. A ditadura militar instaurou um regime de exceção, desrespeitando as leis constitucionais e criando nova legislação, perseguiu, prendeu, torturou, matou presos ou pessoas consideradas “subversivas”, cassou mandatos eletivos e direitos civis, trabalhistas e profissionais, fechou o Congresso, interveio no poder judiciário. E mais, criou um clima de medo e de insegurança em toda a sociedade, com repercussões psicológicas, emocionais e físicas. A música Apesar de Você, de Chico Buarque, retrata bem este período: “A minha gente hoje anda falando de lado e olhando pro chão...”. A ditadura militar fez tais atos, mesmo havendo atritos e divergências no dito “sistema militar” da época, como ato de força de um poder armado. Foram atos de ESTADO e de GOVERNO que não deviam satisfação à sociedade. Relembremo-nos da célebre frase do Ministro da (in) Justiça, Armando Falcão, quando solicitado a entrevistas: “nada a comentar”.

Segundo argumento, em lugar de uma discussão séria, alguns civis e políticos vem apostando mais numa crise institucional, e tão grave quanto, resvalando o debate sobre a história passada para o campo da disputa eleitoral presidencial. A quem interessa uma crise institucional e governamental? O “apagamento” do passado significará o fortalecimento do poder militar e qualquer que seja o futuro presidente da República, ficará ele desde já atado. Dilma, Marina, Serra com passados políticos comprometidos com a democracia não podem e não devem tergiversar.

Terceiro argumento, não se pode comparar o Brasil com a Argentina e Chile, que estão fazendo sua Verdade histórica, pois lá o número de mortos pelo regime militar foi muito maior. Que estranha e macabra contabilidade!

“Apagar” o passado tem sido uma constante por parte dos que cometeram arbitrariedades, sobretudo, no aviltamento dos direitos políticos. Conhecer bem o passado faz parte da construção e preservação da identidade política de um povo e de uma nação. Não se pode olhar o futuro, sem conhecer o passado. Sem isso, o arbítrio torna-se fato isolado e de responsabilidade individual. Em lugar de uma cidadania, há e haverá comportamentos políticos apáticos, amorfos, fortalecimento de uma personalidade “apolítica”. Mas, se apaga o passado? Rastros sempre permanecerão.

Examinar cuidadosamente as diversas propostas, aprofundar o debate é dever de todos nós.

Felizmente, a OAB, alguns jornalistas influentes, políticos e religiosos(2) têm seguindo outro caminho de defender a história pelo seu conhecimento e reconhecimento. Quanta falta nos fazem Dom Evaristo Arns, Dom Helder, Ulisses Guimarães e tantos outros que na dignidade do cargo e da função não silenciaram suas vozes.

Senadores e deputados devem sair do campo eleitoral para tratar da História do país, de uma época que ainda está turvada. Pais, familiares e amigos não sabem e não encontraram os corpos de seus entes queridos brutalmente assassinados. Perseguidos e torturados ainda penam física e psicologicamente. Estes já foram e estão sendo punidos.
*
(1) Sociólogo e Pesquisador Social.
(2) O atual Arcebispo de Olinda e Recife, mesmo condenando o aborto e a eliminação de símbolos religiosos, se pronunciou favorável pelo conhecimento da verdade: “A igreja é misericordiosa, mas não nega o mal. Acho justo que quem fez o mal responda por isso”. Recife, Jornal do Commercio, 13/01/2010 pág.4.

Mais sobre a crônica "Em Ponta Negra e no bar da Rua Chile"

No Blog do Carvalho http://www.carvalhorobles.blogspot.com/, por Inácio Carvalho:
Pai é bom demais
Aqui, de vez em quando, conto uma história do meu filho Guilherme, mas pouco falo do filho Inácio, apesar de já ter reproduzindo uma incrível carta do meu pai pra mim. Hoje trago um belo artigo do Luciano Siqueira, um cabra que à gente não carece esforço algum pra gostar dele, publicado no potal Vermelho e em seu blog. Fala do convívio com seu pai, de momentos inesquecíveis da vida. Hoje estou domingando com o meu filhote e estamos compartilhando doces momentos de lazer, de prosa e desse convívio delicioso entre pai e filho. Obrigado, Luciano, pela emoção que nunca devemos deixar escapulir de nossas vidas.

Bom dia, Rudnei Borges

Poema de amor

Mania feia esta de dizer eu te amo.
Vício ignóbil de linguagem.
Amor é coisa sagrada.
Não se pode invocar em vão.
É como o nome de Deus.
Não adianta chamar toda hora.

O amor é surdo.
É mistério que ninguém consegue expressar em palavras.
Nem com a conjugação correta dos verbos.
Nem com prosopopéias e metáforas.
Arrojos. Acrobacias. Subterfúgios.
Devaneios. Solilóquios. Sussurros.

Amor é bicho difícil de domesticar.
Animal feroz.
Espírito encantado das colinas.
Pluma que se perde ao vento,
mas por vezes cai em nossas mãos.
É grão de mostarda. É mar morto. Capadócia.

Amor é viagem que a gente imagina.
Sonho em madrugada fria.
É sobrado velho pintado com as cores do inefável.
Por isso, é bonito. Cega a vista. Cega a alma.
Deixa a gente louco. Estarrecido. Calado.
Cheio de lágrimas no canto dos olhos.

Amor é canção de roda. Esconde-esconde.
É o amigo invisível dos meninos que correm na praça.
Carta amarelada das mulheres no alpendre.
Rosto na janela.
É pão sobre a mesa.
Risada interminável.

Amor é gesto. É corpo.
São olhares que se entrecruzam de manhãzinha.
Não é dizer. Não é conversa.
É ato abrupto. Abraço apertado.

Amor é silêncio.

Marketing versus folia

. Louvável o esforço de Dilma, Serra e Ciro ao irem ao Galo da Madrugada. Mas dizer que a multidão os esperava ansiosamente é bobagem.
. Quem está na rua quer mesmo é se divertir. Ainda mais sob os efeitos do frevo rasgado e do batuque do maracatu.

16 fevereiro 2010

Painel de comentários sobre a minha crônica “Em Ponta Negra no bar da Rua Chile”

No intervalo de meus afazeres, com miolos aquecidos pela constante labuta, pude deparar-me com o seu texto. Já conheço seu estilo descritivo de redação, e confesso-me seu admirador. Contudo, a riqueza de detalhes deste último compêndio me fez refletir. As vezes, em minhas divagações sobre a paternidade, tenho medo de ter filhos ou duvido de minha capacidade de criá-los. Em suas linhas, vejo e comprovo por experiência própria, que a paternidade esta na essência de cada um de nós. Quando eu era menino, no interior, ia com o meu pai à feira da cidade e, depois de vender todas as laranjas, plantadas por mim, ele e meus irmãos, íamos ao mercado público. Lá, eu comia farinha, com molho de bode guisado, enquanto meu pai comprava passarinhos e tomava um trago de sua cachaça predileta. Até hoje, sinto o gosto da farinha, o cheiro das carnes, o barulho das pessoas no comércio. Ainda tenho o meu velho pai para contar histórias do passado no sítio, mas nem ele, nem eu e nem o antigo mercado são os mesmos. Sendo assim, lhe agradeço pelo texto, pois por um breve momento eu estive novamente na minha pequena cidade, protegido pelo meu pai, forte e robusto como o seu, e pude sentir-me renovado para mais um dia de batalha. (Jofre Melo).

*
Que bom ter recordações tão agradáveis com uma pessoa tão querida, especialmente, quando essa pessoa é o nosso pai. Sinto não poder ter vivenciado essas mesmas experiências, pois perdi o meu pai tinha apenas um ano de idade. São coisas da vida! Outra coisa, recebi o livro de crônicas na segunda-feira da semana passada. Agradeço a gentileza. Ele é muito bonito e a dedicatória muito singela. Li a crônica Arraes e o PCdoB e achei muito sábia a mediação do cordato Ximenes. (Waldenice Pereira).
*
Tenho ótimas recordações com meu pai na praia, como você. Boa Viagem, Pina,praia de Tambaú e Manaira não são mais as mesmas sem papai e sua alegria de brincar conosco. Também vago por elas em busca de fragmentos para colar, mas está tudo só aqui em minha mente PENTAX.

Uma vez, poucos meses antes dele falecer, ele estava no hospital,e já não falava mais. E eu estava na praia de Boa Viagem caminhando, num domingo de manhã, antes de ir para o hospital revezar com mamãe. Eu ouvi um chamado dele, gritou meu nome alto, como quando tínhamos que ir embora, para eu sair da água. Acho que ele cochilou e seu espírito veio até Boa Viagem, onde morou a maior parte de sua vida.Procurei e não vi nenhum pai gritando para filha. Acho que só eu ouvi o "Cristinaaaaaa...". Papai viveu mais que seu pai - nos deixou em 25 de março de 2006 após quase 6 anos de doença degenerativa. Contava quase 81 anos. Quis fazer o que recomenda esse pps, mas mamãe é muito possessiva. Aproveitou a doença para 'ter a posse' de papai, coisa que nunca teve em vida. Papai foi piloto, tinha o espírito livre. Eu quis colocá-lo num carro ou taxi e sair por ai, visitar o hangar das pequenas aeronaves do Aeroporto, o Aeroclube, Casa Forte e Monteiro onde ele passou a infância.Passeios que fazíamos com frequencia quando ele estava lúcido e podia manifestar sua vontade, e ela me impediu. Herdei dele o gosto por fotografar, simplesmente, sem técnica, apenas para registrar os momentos todos, o máximo possível. Mamãe também me negou o acesso às fotos dele, muitas, só meu irmão pegou. Um dia, se for merecimento meu, tudo vem para minhas mãos. O Universo é sábio e a força dele é justa. Somos 5 filhos, uma de minhas irmãs nasceu depois de 66, ano dessa foto, em Boa Viagem. Somos 4 mulheres e um homem. Mamãe não lidou bem com tanta mulher dividindo a atenção do marido dela, as filhas. Chegou a proibir qualquer contato de papai com a filha do primeiro casamento que mora em SP. Uma lástima. Mamãe mora no mesmo edifício, o Nápoles. Eu não a visito mais - nos encontramos pela casa de meus irmãos. Ela quer o lugar de papai. Mas era dele. Agradeço a Malta, que enviou, e ao criador do pps. É uma bela maneira de lembrar de nossos pais que já partiram. Papai foi outro diagnóstico, mas com sintomas de degeneração muito parecidos com Alzheimer, que o silenciaram nos últimos anos. Rogo a Deus que nossos filhos, familiares e amigos tomem ciência desse testamento enquanto estamos lúcidos e felizes. E que Deus ajude eles a cumprir nossa vontade manifestada. Amém. (Só completando - Foi com ele que aprendi a gostar de Malzebier,até hoje tomo.Mas já escolho as menos doces como Xingu e Caracu.

Também nos iniciou no vinho pela sangria, para desgosto de mamãe, que nem bebe nem fuma e ainda enche a paciência fazendo preleções contra o álcool e seus efeitos. Ela devia se converter a alguma religião mais radical que a católica, a Assembléia de Deus por exemplo). (Cristina Henriques, com saudades de papai).
*
Compartilhamos desse momento em que você volta a sua infância e, de certo modo, nos toca profundamente em nosso existir, uma vez que o prazer de estar com o nosso pai e mãe, participando das suas atividades, sejam elas: trabalho ou lazer, faz de nós, filhos, seguirmos a vida, tendo a figura dos pais como exemplo, como referência. Portanto, seu artigo traz à tona a importância da estrutura familiar para uma sociedade mais justa e igualitária. A família brasileira deve ser não apenas resgatada, mas necessariamente reestruturada de maneira equilibrada, pois são as famílias que formam a sociedade civil consolidada e, por conseguinte, desta é formada as estruturas políticas e jurídicas do Estado de Direito. (Josias Barbosa Lima).
*
Parabéns pela matéria Em Ponta Negra e no Bar da Rua Chile. Fazendo referência ao lanche: pão creoulo torrado com leite de coco, trazido de casa, e refrigerante. Uma delicia! Sim, Dr. Luciano, quando íamos passear com nosso querido pai levava nosso lanche de casa. Diferente das crianças de hoje que são totalmente consumistas. O senhor também faz referência a seu pai que era um funcionário público querido por todos os seus colegas de repartição. Tanto o teu pai como o meu deixaram o brilho de sua estrela aqui na terra. Sua estrela com certeza continua a brilhar aonde quer que eles estejam. Que pena que perdeste teu querido pai quando tinhas apenas 11anos. Quanto a mim fui mais feliz pois tive meu grande pai ao meu lado até minha idade adulta. O mesmo partiu há 8 anos. Mesmo adultos ficar órfãos é muito doloroso. Mas a vida é isso. Cumprimos nossa missão e partimos. A Vida e a Morte são Irmãs. (Iracema Vila Nova).
*
Essa sensação de não termos dito às pessoas o quanto as amamos no tempo em que estavam conosco é comum a todos que perderam seus entes queridos ou estão longe de alguém. Eu perdi minha mãe aos 16 e sei o que é isso muito bem... ainda hoje eu choro e sinto a imensa falta que ela me faz... mas se te serve de consolo, Luciano... eles sabiam... eles viam o amor e a felicidade brilhando em cada gesto, em cada sorriso... viam o amor deles por nós refletido nos olhos da gente... abraços... Tudo de bom. (Gorete Oliveira).

A hora de ligar o ar condicionado do seu carro

Recebi por e-mail de Sérgio Brandão – que merece toda a credibilidade.
Por isso transcrevo aqui:

Não ligue o ar condicionado logo que entrar no carro
. Por favor, abra as janelas assim que entrar no carro, e não ligue logo o ar condicionado. De acordo com pesquisas, o painel de instrumentos, assentos e tubagens de refrigeração emitem 'benzeno', uma toxina causadora de câncer. (Note o cheiro de plástico quente dentro do carro). Além disso, envenena os ossos, causa anemia e reduz os glóbulos brancos.
. O nível interior aceitável de benzeno é de 0,05 gramas por cm2. No interior de um carro estacionado há 0,37 a 0,74 mg de benzeno. Se estiver estacionado sob o sol, a uma temperatura superior a 16ºC, o nível de benzeno sobe para 1,84-3,68 mg (40 vezes superior ao nível aceitável) e as pessoas aspiram uma quantidade enorme de toxinas.
. Recomenda-se abrir as janelas e portas para que o ar quente possa sair, antes de ligar o ar condicionado. O benzeno é uma toxina que também afeta os rins e fígado. É uma substância tóxica muito difícil de ser expelida pelo organismo.

15 fevereiro 2010

Painel de comentários sobre meu artigo “Olhos nos olhos”

É de fundamental importância para o exercício da cidadania e para a avaliação da mesma, acompanhar aqueles que escolhemos para nos representar.deveria ser obrigatório à cada candidato prestar conta de seu trabalho aos seus eleitores. Felizmente a internet de certa forma aproxima a relação "eleitor e candidato". (Roseane G. Macedo).
*
Considero esta forma de prestação de contas do mandato muito interessante e eficaz, pois a um só tempo é dito o trabalho realizado e permite colher o sentimento da sociedade, destinatária da ação parlamentar. Você pode sim "olhar nos olhos" de todos não somente em razão de uma ação parlamentar competente, mas pela condução de toda a sua vida, com compromissos definitivos com as melhores lutas, travando sempre o bom combate. (Jorge Carreiro).
*
A prestação de contas demonstra a responsabilidade e compromisso com a função pública, que deve ser a maior de todas as funções públicas do país a de parlamentar, infelizmente atualmente a classe política está nos deixando decepcionada e desacreditada. Parabenizo pois a você pelo compromisso cumprido. (Maria Emília Matos).
*
Pessoas com atitudes como as suas e de seus assessores, nos deixam tranquilos perante este universo de incertezas, nossa admiração pelo vereador Luciano Siqueira se tornou real a partir do momento que deu atenção a uma comunidade que já não dava credibilidade a alguns políticos, por isso digo a meu grupo, existe político sério, Dr. Luciano Siqueira e exemplo, conte sempre com a equipe do curado IV. (Alberto Rodrigues Pinto).
*
É gratificante fazer parte de grupo de pessoas que estiveram e com certeza estarão sempre com o senhor nas diversas campanhas que surgirão daqui para frente, poucos são capazes de desenvolver uma dinâmica desse gabarito, pois, nem sempre os parlamentares estarão aptos a serem abordados pelos seus eleitores. Como faço parte das dez ou doze pessoas que vão diante do semáforo no período da campanha e agora na prestação de contas, junto com o senhor abordar transeuntes e condutores de veículos, me sinto orgulhosa e ao mesmo tempo parte de uma história verdadeira desenhada em formato de mosaico de mentes brilhante, liderada e orientados pelo senhor. (Perpétua Gadelha).
*
Tenho acompanhado seus e-mails e todo o processo que vem desenvolvendo no seu mandato, penso que a ferramenta que você usa para atingir o eleitorado é um canal que com certeza vem atenuando essa lacuna a qual você se refere. O processo político-eleitoral é um fato que uma parte da população só costuma pensar no momento que vão votar, é uma questão cultural, mas tenho encontrado tempo e fico atenta para acompanhar não só em quem votei, mas em todos os políticos que foram eleitos, só assim posso fazer uma avaliação coerente. (Fátima Oliveira).

Pra que Meireles?

Especular com o nome de Meireles (do BC) para vice é tentar aprisionar Dilma na teia do capital financeiro e impedir que vá além de Lula.

Cena de viagem

A paz da Praia do Peba, Alagoas. Janeiro, 2009

Carnaval multifuncional

. Justiça seja feita: carnaval não apenas festa onde se projetam sonhos, frustrações, desejos através de nossas fantasias.
. É cultura. E além disso fator momentâneo de incremento de atividades econômicas que geram empregos, permanentes e temporários.
. Para o bem de nossa gente.

Tá na folia? Então acorde cedo

. Pelo menos essa é a pisada para quem está em Olinda. As orquestras itinerantes contratadas pela Prefeitura de Olinda para animar o carnaval durante os quatro dias de folia começam cedo, informa o portal da PMO.
. Às, 9h30 as orquestras da Rua de São Bento, da sede da prefeitura e da Praça de São Pedro já faziam ecoar os primeiros acordes do frevo e convocavam os foliões para sair de casa e cair no passo.
. Até o fim do Carnaval, 216 orquestras animarão os visitantes da cidade durante a folia de Momo.
Foto: Foto: Chico Atanásio/Pref.Olinda

Carnaval: o efêmero e o permanente

Carnaval e arte pública
Raul Córdula*

Que carnaval é arte pública todos sabemos, até porque a palavra “arte” pode ter conotação de transgressão de adultos ou traquinagem de meninos. Ou ainda, porque o carnaval, sendo a maior manifestação da alegria humana, nos induz a representar, isto é, a teatralizar nossas emoções, e, assim fazer arte na rua. É claro que há diferença entre arte pública e arte de rua, de antemão arte pública pertence à cidade como patrimônio, tende a ser permanente, como uma escultura, um mural, uma fachada de edifício, um detalhe arquitetônico, e a arte de rua é sempre efêmera (sim, existe arte efêmera) como são as performances contemporâneas, o teatro de rua e as manifestações carnavalescas, por exemplo.

Então? Como o carnaval pode ser arte pública se ele é efêmero? Respondo: Vejam as Fantasias, as vestimentas dos Caboclos de Lança e os Bonecos de Olinda, que são perenes no carnaval e fora dele, existem como objetos e esculturas da melhor qualidade e significado, e vejam como exemplo vivo e imediato a decoração do Carnaval de Olinda, esta que está agora instalada no Sitio Histórico, criada e confeccionada pelo mamolengueiro Fernando Augusto Gonçalves, o homem do Mamolengo Sorriso, através da mão de obra especializada dos jovens que integram a Fábrica de Carnaval.

Acho importante lembrar que Fernando Augusto é um homem de trânsito internacional até hoje amigo de Jacques Lang, Ministro da Cultura no Governo de Mitterrand, que o recebe em casa, e detentor do Prêmio Ordem do Mérito Cultural de 2009.

Não é possível, porém, deixar de dizer que a decoração da cidade do Recife, de autoria do arquiteto Carlos Augusto Lira e de sua filha Joana Lira é também uma maravilha para os olhos, e nisto nós temos muita sorte porque temos oportunidade de fruir tanta beleza do magnífico Galo da Madrugada e dos desenhos alusivos a Vicente do Rego Monteiro e Getúlio Cavalcanti que embelezam a cidade.

Conheço este assunto de decoração carnavalesca desde que participei no carnaval carioca de 1966 da equipe que venceu a concorrência da decoração da passarela do carnaval que na época era realizado na Avenida Getúlio Vargas, no trecho em frente à Candelária, antes do sambódromo. Aquele foi um palco dos inesquecíveis e belos espetáculos, algo jamais feito depois, porque além do espetáculo visual havia o espetáculo da paixão pelas Escolas de Samba que não é hoje como naquela época, quando o turismo afetava muito menos do que agora. Trabalhei na equipe do grande cenógrafo pernambucano Arlindo Rodrigues que, concorrendo com os também gigantes Fernando Pamplona, Plínio Cipriano e Mário Monteiro ganhou o concurso naquele ano, com direito a torcida do povão que fazia o carnaval.

Todos estes “carnavalescos”, que não eram ainda chamados assim, faziam parte da tradição de cenografia que existe até hoje e vem dos teatros de revista, da ópera, do balé e do teatro erudito que existe no entorno do Teatro Municipal, que envolve a Cinelândia e a Praça Tiradentes, onde existe até hoje o Teatro João Caetano. Portugueses e filhos de portugueses, eles foram a base de nossa cenografia de televisão e da decoração dos carnavais cariocas. Arlindo Rodrigues era um deles, um dos melhores.

O sistema de montagem era o mesmo que se faz no Recife, temas desenhados como back lights, com armações feitas de cambotas de madeira forradas de folhas de compensado recortadas e pintadas e, aonde haveria luz, de lâminas de plástico coloridos de 0.8 mm para suportar o vento e o calor, iluminados por luzes fluorescentes. A mesma coisa que se faz aqui no Recife com mais requinte técnico. Depois do carnaval o material era transformado em coberturas e paredes dos barracos das favelas cariocas. Tudo se transforma e se esquece. Os belos desenhos dos cenógrafos somente eram lembrados nos projetos desenhados nos estúdios e arquivados nas mapotecas dos seus autores.

Em Olinda é um pouco diferente. A Fábrica do Carnaval é também uma reserva técnica dos bonecos que serviram às decorações do carnaval ou do Natal – lembrem-se no Natal passado o belíssimo presépio instalado na colina do Carmo, que parece ser o maior que já se fez no Brasil. Todas as peças são feitas à mão, com papel marche estruturado e decorado com belas pinturas, algo feito para durar pelo menos alguns anos, para ser remontado e restaurado depois, algo feito com referências a nossa cultura e nossa história, como, de resto, é o que acontece no Recife dentro da mesma competência autoral. Tudo é reciclável, não apenas transformável tudo muda de ciclo, de direção, tudo retorna ao seu princípio, sua economia cultural. E no próximo evento público lá estão, renovados e transformados para encantar nosso olhar.

Na decoração de Olinda deste ano os bonecos na Avenida Sigismundo Gonçalves estão montados sobre uma base revestida de CDs inutilizados, catados no lixo. O efeito dos CDs sob o Sol é fantástico, eles reluzem em cores como pequenos arco Iris multiplicados aos milhares. Algo genial por sua simplicidade e estratégia.

O carnaval de Fernando Augusto é efêmero, por durar tão pouco, mas é também perene, porque materialmente ele se preserva como obras de arte econômica e socialmente olindenses.
* Arista plástico. Autor de "Memórias do olhar", Ed. Linha D'Água, 2009.

Leitora opina sobre o meu artigo "A quem pertence o mandato parlamentar?"

Postura ativa
Débora Andrade

Acredito que a sociedade deve assumir uma postura ativa diante dos problemas que enfrentamos, cobrando dos candidatos que elegeram, uma posição. Vemos que a sociedade não se importa mais em buscar uma resposta dos governantes, não há uma interação, uma responsabilidade. E muitos se tornaram, infelizmente, 'analfabetos políticos'. Porque não atuam como cidadãos, e como foi comprovado na pesquisa, depois de um certo tempo, nem lembram em quem votaram nas eleições passadas.
Muitos insistem em dizer que a política é uma farsa, e batem no peito dizendo que não acreditam nos governantes, porém, não vêem que fazendo isso não vão mudar a realidade em que nos encontramos. Sinceramente, não culpo a sociedade pelos comentários descrentes em relação ao governo, mas, acredito que nós construímos esse governo, sim. Costumam dizer que "a esperança é a última que morre", pois bem, eu digo que "a esperança, não morre".

O cumprimento de um compromisso de campanha – o de exercer o mandato de vereador do Recife de modo absolutamente transparente, prestando contas regularmente, seja através do site na Internet e de presença constante na mídia; seja em reuniões gerais, como a de hoje, ou com grupos de interesses específicos."

Concordo em gênero, número e grau. E admiro a transparência do seu mandato. Todos têm um papel, o eleitor, o eleito, o partido... Então, vamos cumpri-lo juntos, e logo conseguiremos progredir em todos os âmbitos.