30 abril 2008

História: 30 de abril de 1981


Destroços do carro onde explodiu a bomba
Caso Rio-centro: bomba em show de 1º de Maio no Rio explode no colo dos terroristas em "acidente de trabalho". As apurações acobertam tudo e o militar sobrevivente sai condecorado. O episódio desmoraliza em profundidade a "abertura" do gen. Figueiredo e engrossa as filas oposicionistas. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Visão metropolitana

Blog de Jamildo (Jornal do Commercio Online):
Ir além do imediato na abordagem dos problemas da cidade
Luciano Siqueira

O gestor público é chamado cotidianamente a imitar os bons poetas – ou seja, a perceber em cada detalhe da vida na cidade, alguns aparentemente sem maior importância ou efêmeros, o que há de essencial (e estrutural). Imitar os bons poetas exatamente por isso: um Drummond, um Vinícius, um Carlos Pena Filho, dentre muitos, enxerga num fato fortuito o que vemos e não enxergamos, revelando aos olhos dos simples mortais, o que há ali de universal...

Neste instante da vida do país, quando se aproxima o pleito municipal, atores políticos dos mais diversos matizes se debruçam sobre os problemas das cidades e são chamados – tenham ou na consciência disso – a uma abordagem que vá além do imediatamente perceptível, na formulação do diagnóstico e na busca de solução.

Desse modo, faz-se oportuno assinalar a íntima relação entre o padrão de vida em nossas cidades e a natureza do desenvolvimento do país. O Brasil hoje é essencialmente urbano. Em apenas cinco décadas, processou-se uma fantástica inversão da relação entre a população rural e a urbana, motivada pela industrialização que começou a tomar corpo nos anos 30 e pela ausência de uma reforma agrária distributiva – ambos fatores de transferência acelerada de populações da área rural para as cidades. Em 1940 residiam nas cidades apenas 31% dos brasileiros; por volta dos anos 80, nas cidades já se encontravam mais de 75% da população. Em 2000, já se estimava em 82% a população urbana, segundo os critérios do IBGE.

Essa rápida ocupação do território urbano se deu (com raríssimas exceções) de maneira desordenada e desigual, refletindo os traços essenciais do capitalismo de tipo dependente, precocemente monopolizado, concentrador da produção, da renda e da riqueza e socialmente excludente que aqui se desenvolveu. O crescimento industrial se apoiou em grande medida no baixo valor da mão de obra abundantemente disponível, sem a contrapartida de oferta suficiente de habitação, equipamentos e serviços e condições sanitárias que propiciassem qualidade de vida aos trabalhadores.

A dimensão territorial do drama urbano brasileiro fica mais evidente quando se considera a existência de grandes aglomerados urbanos, dos quais vinte e seis detêm o status de Região Metropolitana, correspondendo a pouco mais de 460 municípios, que compartilham problemas estruturais como o déficit habitacional, a precariedade dos transportes e de saneamento, o desemprego e a crescente violência criminal.

Nesse contexto, problemas estruturais vivenciados por cidades limítrofes ou integrantes de uma mesma região reclamam soluções que envolvam os três entes federativos – a União, os Estados e os Municípios. O que se tornou possível com a Lei 11.107, de 6 de abril de 2005, que dispõe sobre normas gerais de contratação de consórcios públicos, regulamentada pelo Decreto 6.017, de 17 de janeiro de 2007 procura responder a essa demanda.

É a denominada Lei dos Consórcios Públicos, que possibilita quatro tipos de consórcios: entre Municípios; entre os Municípios e o Estado; entre o Estado e a União; entre os três entes, União, Estado e Município – mediante adesão voluntária e submissão a regras de funcionamento que preservam a autonomia de cada ente federado consignada na Constituição.

Tenho acentuado essa questão no debate sobre os problemas do Recife que, cidade-pólo que é de nossa Região Metropolitana, reflete e concentra os problemas fundamentais do conjunto das cidades que a compõem, que reclamam soluções consorciadas.

Bom dia, Miró


Marginal Recife

Recife
Cidade das pontes
E das fontes da miséria
Poetas mendigando passes
Pra voltar pra casa
E sua poesia passando despercebida
Aliás,
Nem passa.

Apesar da alta dos juros

Conforme o próprio Banco Central, apesar da alta dos juros e do aumento da carga de impostos que incide sobre as operações de crédito, o volume de empréstimos feitos pelos bancos continua subindo. Em março, a expansão de crédito atingiu o maior nível da história, chegando a R$ 992,7 bilhões, valor que equivale a 35,9% do PIB (Produto Interno Bruto). Desde janeiro de 1995 essa proporção não atingia patamar tão elevado. A expectativa do BC é que essa relação chegue a 40% até o final do ano - o que, apesar de recorde, continuaria abaixo da média observada em outros países emergentes, onde a oferta de crédito chega a mais de 60% do PIB.

Risco de vida

Noticia o Jornal do Brasil que um levantamento do MEC, feito com 103 escolas de medicina do país, apontou 17 como as piores no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) e no Indicador de Diferença entre os Desempenhos Observado e Esperado (IDD). Destas, seis são do Rio: Centro Universitário Serra dos Órgãos, Universidade Severino Sombra, Centro de Ensino Superior de Valença, entro Universitário de Volta Redonda e Universidade de Iguaçu - unidades de Itaperuna e Nova Iguaçu. Todas serão fiscalizadas. Em contrapartida, a Uerj recebeu nota máxima no Enade.

29 abril 2008

Nada de errado entre mim e João Paulo

Nota na coluna Pinga-Fogo do Jornal do Commercio sugere que o relacionamento entre prefeito e vice-prefeito tenha se alterado em razão do próximo pleito.

Telefonei ao colunista Inaldo Sampaio esclarecendo que nada disso acontece. E na festa dos 29 anos da Emlurb, no final da manhã, o próprio João Paulo manifestou estranheza face o teor da nota.

Na verdade, o relacionamento entre nós prossegue ótimo, sem nenhum ruído. Mais que isso, o prefeito tem se esmerado no tratamento que dá ao PCdoB e ao seu vice-prefeito, consolidando a nossa unidade de propósitos estratégicos e a confiança mútua.

História: 29 de abril de 1965

Intervenção armada dos EUA na República Dominicana. Dura 17 meses e conta com os serviços de 1.450 soldados brasileiros enviados pelo gen. Castelo Branco. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Boa tarde, Manuel Bandeira

O anel de vidro

Aquele pequenino anel que tu me deste,
– Ai de mim – era vidro e logo se quebrou…
Assim também o eterno amor que prometeste,
- Eterno! era bem pouco e cedo se acabou.

Frágil penhor que foi do amor que me tiveste,
Símbolo da afeição que o tempo aniquilou,
–Aquele pequenino anel que tu me deste,
– Ai de mim – era vidro e logo se quebrou…

Não me turbou, porém, o despeito que investe
Gritando maldições contra aquilo que amou.
De ti conservo no peito a saudade celeste…
Como também guardei o pó que me ficou
Daquele pequenino anel que tu me deste…

Aprovação popular

Está em todos os jornais hoje. O governo do presidente Lula obteve a sua melhor popularidade em abril de 2008, segundo a pesquisa CNT/Sensus, ontem conhecida. Entre os entrevistados, 57,5% avaliaram o governo como positivo, superando os 52,7% anteriores. 11,3% dos entrevistados consideraram o governo negativo, contra outros 29,6% que o consideram regular. E 50,4% admitem um novo mandato.

A avaliação pessoal também subiu de 66,8% para 69,3% de fevereiro a abril deste ano. Somente 26,1% desaprovaram o presidente, enquanto 4,7% não responderam.

Os índices de popularidade de Lula só perderam, em abril de 2008, para as avaliações de sua popularidade registradas em 2003, o ano em que assumiu, quando obteve 83% de aprovação.

A pesquisa CNT/Sensus foi realizada entre 21 e 25 de abril em 136 municípios de 24 Estados. Foram ouvidas 2.000 pessoas. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.
*
A oposição, literalmente sem um discurso convincente, torna-se mais atordoada ainda diante dos elevados índices de aprovação recolhidos pelo governo e pelo presidente.

Renildo na presidência

Em razão de viagem do presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, a três países asiáticos – China, Coréia do Norte e Vietnã -, o deputado Renildo Calheiros (PCdoB-PE), vice-presidente, assume interinamente o cargo.

Durante 15 dias Renildo divide seu tempo entre tarefas em Olinda com questões relativas à participação do PCdoB na cena política nacional.

Universitária Am na net

De Lucivânio Jatobá, Coordenador de Programação:
. Eis uma boa notícia: a Rádio Universitária AM, uma emissora educativa da Universidade Federal de Pernambuco, finalmente está na Internet. Para acessá-la, basta ir ao site www.ufpe.br , depois clicar em Órgãos Suplementares e em Núcleo de Rádio e TV. Finalmente clicar em AM. Logo aparecerá uma janelinha escura, correspondente ao som da AM ao vivo.
. A Rádio Universitária AM, com muito sacríficio, tem tentado apresentar uma programação musical de boa qualidade, além de programas educativos, de opinião e outros voltados aos esportes.

26 abril 2008

Quando começa e quando termina a vida?

Ciência Hoje On-line:
Ciência do desenvolvimento cerebral pode orientar decisões éticas sobre células-tronco embrionárias
. Há poucos dias, procurou o Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) o ministro Carlos Alberto Menezes Direito, do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele queria conversar com pesquisadores sobre o polêmico assunto da pesquisa com células-tronco embrionárias.
. Como todos sabem, esse tema foi regulamentado pela Lei de Biossegurança recentemente aprovada pelo Congresso Nacional, mas sofre questionamento de inconstitucionalidade por parte do Procurador-Geral da República, e está em julgamento no STF. A questão sob análise do STF é se a retirada das células-tronco de um blastocisto humano (embrião de poucos dias) representaria um atentado à vida.
. Queria saber o ministro: quando começa e quando acaba a vida humana? A pergunta é simples e direta, mas a resposta, não. Os biólogos sabem que a vida é um contínuo permanente, que se transfere de uma célula a outra e de um indivíduo a outro. Nunca começa e nunca acaba. Uma célula que se divide transfere a sua vida para as duas células-filhas. Do mesmo modo, a vida humana se perpetua através dos tempos, pois os indivíduos se reproduzem e a transferem a seus descendentes.
. Leia a matéria na íntegra http://cienciahoje.uol.com.br/118247
A foto mostra um blastocisto humano de cinco dias. O aglomerado de células à esquerda é a fonte das células-tronco embrionárias, capazes de gerar neurônios, células cardíacas, cutâneas e de outros tecidos (foto: Centro Avançado de Fertilidade de Chicago, EUA).

História: 26 de abril de 1817

O forte dos Reis Magos, Natal, local do suplício do patriota potiguar
Morre André de Albuquerque Maranhão, líder da Revolução Republicana de 1817 no RN. Em sua última noite, já ferido de morte na cela do forte dos Reis Magos, seus algozes dão-lhe uma pedra por travesseiro, pois "é o que merecem os patriotas". (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Sensacionalismo midiático

Editorial do Vermelho:
As mil e uma mortes de Isabella

Há quase um mês a maioria dos veículos de comunicação do país dissemina uma overdose de cobertura sobre caso Isabella. A crueldade de que foi vítima a criança se tornou um espetáculo transmitido em tempo real. Uma novela policial “ao vivo” com vários capítulos num só dia. O pai e a madrasta são os vilões e protagonistas do seriado.

No júri de milhões cujo juiz é a mídia o par já foi condenado. E há um cheiro de ódio por toda parte e uma vontade de linchamento no ar.

No ponto de ônibus, na fila do centro de saúde, na escola, no trabalho, nos bares, onde haja mais do que um o assunto vem à baila. Muitos e muitos se tornaram figurantes da novela. Com gosto ou a contragosto uma vez que é impossível fugir ao tema. Uns mais extremados se aglomeram nas cercanias da delegacia ou do prédio onde se refugiaram os vilões para, sem direito a cachê, terem uma “pontinha” no seriado.

A fórmula é antiga. A mídia explora desgraças e mazelas em busca de audiência e dinheiro fáceis. Aliena, fatura e afasta a opinião pública das grandes questões.

No caso concreto, houve uma corrida ao ouro. O tempo e o espaço destinado ao assunto foram aumentando a audiência, que por sua vez passou a fomentar uma cobertura cada vez maior. O caso Isabella por obra dessa dinâmica passou a ser “uma necessidade” para milhões. Por isso, tantas vezes ela foi atirada pela janela do apartamento. Por isso, tantas vezes a mídia repetiu e repete o crime.

Essa exploração via espetáculo midiático do assassinato dessa criança, única e exclusivamente por audiência e pelo dinheiro dela decorrente, expõe, por um outro ângulo, a importância do debate e da luta pela democratização da mídia em nosso país.

25 abril 2008

Tarso fala pela metade

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou ontem que o governo federal não é tolerante com movimentos sociais que protagonizam invasões de propriedades e prédios públicos no país.

Ao comentar as críticas do novo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, a movimentos sociais que, segundo ele, às vezes atuam “na fronteira da legalidade”, o ministro disse que o governo tem tratamento igualitário para todos, tratando “com o mesmo respeito, com a mesma força legal” grandes fazendeiros, empresários ou o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).
*
Tudo bem, ministro. Mas faltou a outra face da questão. O governo tem sido pressionado pela direita e pela grande mídia a criminalizar os movimentos sociais – e resiste, corretamente. Nisso, faz uma diferença enorme em relação a FHC. E contribui para a afirmação do processo democrático.

Por que não tenho falado de flores

.O amigo Hermano manifesta, por e-mail, sua estranheza pela ausência de comentários meus, aqui no blog, acerca do quadro político-eleitoral do Recife.
. Elementar, meu caro Hermano. É o cuidado para não infringir a determinação do Tribunal Superior Eleitoral, que recomenda exatamente isso: que pré-candidatos se eximam de comentar a própria postulação em espaços como o blog. Não posso, nem quero praticar nenhuma ilegalidade.
. Daí a ausência de comentários meus e dos amigos que aqui compareciam com certa freqüência, com os quais continuo dialogando através da correspondência pessoal, via e-mail.

Protagonismo juvenil

No Vermelho:
Conferência Nacional de Juventude mobiliza 400 mil pessoas
Lançada oficialmente em setembro de 2007, a 1a Conferência Nacional de Juventude mostrou que os brasileiros querem participar dos espaços da política. Segundo balanço final da fase preparatória, feito pela Secretaria Nacional de Juventude, foram realizadas conferências em 841 cidades de todo o país, totalizando 406 mil pessoas envolvidas. A Conferência Nacional acontece de 27 a 30 de abril, no Parque da Cidade, em Brasília (DF).
Veja a matéria na íntegra http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=36627

Emprego e massa salarial

Estudo do IBGE revela que a taxa de desocupação no país ficou em 8,6% em março, contra o índice de 8,7% apurado em fevereiro. A taxa também caiu em relação ao mesmo mês do ano passado (10,1%). Trata-se da menor taxa para março desde 2002.

Os dados foram avaliados em seis regiões brasileiras pela Pesquisa Mensal de Emprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada hoje (24).

Segundo a pesquisa, a população ocupada em março diminuiu 0,6% em relação a fevereiro, representando 122 mil pessoas a menos no mercado de trabalho. Já em comparação com março de 2007, cresceu 3,5%, o equivalente a 713 mil postos de trabalho.

O rendimento médio real habitual dos ocupados no período avaliado chegou a R$ 1.188,90. O valor é 0,6% menor em comparação ao de fevereiro de 2008 e 2% maior em relação ao de março de 2007.

Bom dia, Carlos Drummond de Andrade

Mãos dadas

Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considere a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.
Não serei o cantor de uma mulher, de uma história.
Não direi suspiros ao anoitecer, a paisagem vista na janela.
Não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida.
Não fugirei para ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

24 abril 2008

Coluna semanal no Portal Vermelho

Bloqueios do crescimento
Luciano Siqueira

O Banco Central, conluiado com o sistema financeiro privado e com amplo apoio da mídia conservadora, fomenta o ambiente para o bloqueio do crescimento da economia. E avança: fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central aumentasse a taxa de juro básica (Selic) em 0,5 ponto – de 11,25% para 11,75% –, e agora comemora cortes substanciais no Orçamento da União.

Segundo o Decreto nº 6.439, publicado ontem no Diário Oficial da União, estão contingenciados R$ 19,2 bilhões no Poder Executivo, com destaque para o Ministério das Cidades, que terá o maior corte nominal no orçamento do Executivo neste ano: R$ 2,720 bilhões – prejudicando programas de ciclovias, de habitações de interesse social e de infra-estrutura. Péssimo para nossas cidades, tão carentes de recursos para investimentos em intervenções físicas em favor da melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes.Quatro outros ministérios também são duramente atingidos: Saúde (R$ 2, 594 bilhões), Turismo (R$ 2,233 bilhões), Defesa (R$ 1,905 bilhões), e Educação (R$ 1,612).
O pretexto é falacioso: pressão inflacionária. Entretanto, a rigor não se pode afirmar que o país esteja ameaçado pela inflação. Há, sim, uma expansão expressiva do consumo impulsionado pelos aumentos reais do salário-mínimo e da massa salarial, e pela ampliação do crédito. Porém nada que a base produtiva em incremento não suporte.

Demais, há uma relativa estabilidade de nossa economia assentada no crescimento do PIB; no equilíbrio entre investimentos produtivos e consumo.

Bom, apesar disso e como freqüentemente acontece, prevalecem os interesses imediatos do capital rentista que encosta o governo contra a parede - e o governo cede.
E os banqueiros, como ficam? Segundo informa o Valor Econômico, nem esperaram o anúncio do aumento da Selic, na semana passada, para elevar os juros. Novas tabelas das taxas para financiamento de veículos chegaram às revendas de automóveis um dia antes. Enquanto o crédito para empresas também ficou mais caro, com elevação média de 0,12 ponto percentual na taxa efetiva do capital de giro e desconto de duplicatas.

Enquanto isso, no noticiário dominante pontificam o denuncismo irresponsável e a seqüência de factóides fabricados pela oposição, como se o Brasil real fosse movido a dossiês e a cartões corporativos.

História: 24 de abril de 1993

Lula inicia a Caravana da Cidadania, uma viagem entre Garanhuns (PE) e São Paulo. Durante 25 dias, 2 ônibus percorrem 300 municípios. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

23 abril 2008

Uma canção para quem luta

Desesperar Jamais
Ivan Lins/Vitor Martins

Desesperar jamais
Aprendems muito nesses anos
Afinal de contas não tem cabimento
Entregar o jogo no primeiro tempo

Nada de correr da raia
Nada de morrer na praia
Nada! Nada! Nada de esquecer

No balanço de perdas e danos
Já tivemos muitos desenganos
Já tivemos muito que chorar
Mas agora, acho que chegou a hora
De fazer valer o dito popular
Desesperar jamais
Cutucou por baixo, o de cima cai
Desesperar jamais
Cutucou com jeito, não levanta mais

Artigo semanal no JC Online

Blog de Jamildo (JC Online):
Atributos do bom governante
Luciano Siqueira

Diz-se que a população enxerga no prefeito de uma cidade responsabilidades de um síndico: dele espera que cuide da manutenção das vias e demais espaços públicos, que faça funcionar a contento os serviços públicos essenciais. Nessa visão simplista das atribuições do gestor local não estariam incluídas educação e saúde, por exemplo, que a maioria dos cidadãos vê como da alçada apenas do governo estadual.

Um ou outro problema de caráter estrutural da cidade - a segurança e o combate à violência criminal, por exemplo – passam à agenda municipal, aos olhos da população, pela dimensão crescente que assumem e pela premência de soluções.

Tudo isso é perceptível, em certa medida, nas pesquisas de opinião destinadas a avaliar governos locais.

Em paralelo e de modo semelhante se expressa a percepção do perfil desejável do governante. Enquanto este não agregar à sua imagem atributos próprios do “síndico” – e isso só se consegue com a prática da gestão – terá sempre uma avaliação subestimada pelo senso comum. Entretanto, cabe ao governante muito mais do que agir como “síndico”; suas atribuições exigem aptidões que extrapolam a esfera meramente administrativa, implicam competência para gerir o conflito social, formar consensos e ferir problemas fundamentais da cidade.

Caso do prefeito João Paulo. Até o terceiro ano do primeiro governo, em todas as pesquisas era visto apenas como um político vinculado à luta do povo, comprometido com os trabalhadores e as camadas mais pobres, esforçado e honesto. Traços que já o marcavam em sua trajetória como líder comunitário, dirigente sindical, vereador e deputado estadual – e que eram obviamente importantes, porém insuficientes para lhe conferir os atributos do bom governante.

A partir de intervenções marcantes, como a inversão do trânsito em Boa Viagem, a regulamentação do transporte alternativo e a reurbanização da orla de Brasília Teimosa – que exigiram, a um só tempo, sensibilidade, discernimento e coragem -, é que o prefeito teve a sua competência reconhecida.

Completados quase oito anos do governo João Paulo, em sondagens recentes, já se verifica que a população deseja do futuro sucessor além de comprometido com os interesses fundamentais da população, honestidade, coerência, credibilidade e dedicação, capacidade de abordar os problemas estruturais da cidade a partir de uma visão larga e prospectiva, e em diálogo permanente com todos os segmentos da sociedade; habilidade na construção de convergências de propósitos que superem conflitos de interesses imediatos.

História: 26 de abril de 1897

Nasce no Rio Alfredo da Rocha Viana Filho, o futuro compositor e maestro Pixinguinha, gigante do choro brasileiro. O apelido quer dizer "menino bom" no dialeto africano de sua avó, ex-escrava. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Liberdade de expressão: Sérgio Augusto

Fim da frente de esquerdas acordou estudantes
Sérgio Augusto Silveira*sergioaugusto_s@yahoo.com.br

Completado um mandato e meio deste governo conquistado pela frente de esquerdas em 2002, os efeitos do exercício do poder máximo da República praticamente desfizeram essa frente e estão agora causando a reinvenção das mobilizações estudantis. Estes efeitos, causados pela disputa de cargos e desentendimentos quanto às medidas para tocar a administração, geraram a divisão, PT para cá, PCdoB para lá, PSOL para mais longe, PCB superdistante e por aí vai.

O impacto dos desencontros entre PCdoB e PT está resultando no ressurgimento da mobilização estudantil no País. Antes, hipnotizados pela vitória nas urnas, os universitários sentiram a desilusão mais cedo do que imaginavam, livrando-se do efeito paralisante ditado de cima pela grande aliança dos vitoriosos. Os comunistas do B resolveram não mais prosseguir com aquele comportamento estreito ditado pela alegada necessidade de “não fazer o jogo da reação para não enfraquecer o governo de Lula”.

Agora, a estudantada organizada em seus diretórios redescobriu a, digamos, subversão, reencontrando as emoções dos anos 60, anos 70 e 80. Deu para perceber isso em maio e junho do ano passado, quando os universitários da USP, enfrentando o governo estadual paulista, se mobilizaram ruidosamente em favor da autonomia daquela universidade.

A União Nacional dos Estudantes – controlada pelos comunistas – não mais está de mãos e pés atados. A ordem, agora, é soltar o grito que estava preso no peito, tomar as ruas com palavras de ordem agressivas denunciando a decadência dos costumes políticos, a imoralidade de muitos que estão nos comandos da República.

Foi com esse gás que a massa de estudantes da Universidade Nacional de Brasília rebelou-se, escandalizada, contra o comportamento do reitor, do vice-reitor e conseguiu tirá-los dos cargos, exigindo votação paritária para a escolha dos novos dirigentes da UnB. Essa luta ainda está se desenrolando.

Assim como aconteceu na USP, os universitários da UnB deram à mobilização a cena fundamental para chamar a atenção de todo o País, ou seja, a ocupação do espaço físico da reitoria. Com isso, revelam ter aprendido bem as lições dos mais velhos, que viveram a agitação, a pauleira e as conquistas de 20, 30 anos passados. Constatado isso, percebe-se que, com a redescoberta da força e capacidade dos universitários, surge, na figura deles, um outro personagem no palco da política brasileira.

Ou melhor, ressurge aquele antigo personagem, agora desencantado, acordado, desobediente. Enfim, pronto para denunciar toda a decadência dessa República.
*Jornalista

22 abril 2008

Boa noite, Cecília Meireles

Canção

Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
- depois, abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar

Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre de meus dedos
colore as areias desertas.

O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho, dentro de um navio...

Chorarei quanto for preciso,
para fazer com que o mar cresça,
e o meu navio chegue ao fundo
e o meu sonho desapareça.

Depois, tudo estará perfeito;
praia lisa, águas ordenadas,
meus olhos secos como pedras
e as minhas duas mãos quebradas.

21 abril 2008

João Paulo e o respeito às diferenças

Quem lutou a vida toda pela democracia e pelo dos direitos fundamentais do povo deixa-se impregnar, qual tatuagem na alma, de um profundo sentimento de respeito às diferenças e de tolerância. É o que ocorre entre prefeito e vice-prefeito do Recife, hoje; entre PT e PCdoB, no Recife.

Poucos conviveriam com tanta tranqüilidade diante da situação estabelecida em relação ao próximo pleito. O partido do prefeito tem pré-candidato; que é o escolhi pelo próprio prefeito. O partido do vice-prefeito tem pré-candidato, justamente o vice-prefeito. O prefeito comanda o governo, com a liberdade de compor a equipe como bem entenda – e tem procurado acentuar a pluralidade da equipe. Faz parte dessa pluralidade a presença do PCdoB no comando da autarquia Sanear (de saneamento), do IASC e da Secretaria da Assistência Social. E assim há de permanecer, por vontade do prefeito.

Isto quer dizer que o prefeito confia na seriedade na competência e na isenção dos militantes do PCdoB que dirigem as citadas estruturas de governo. Sabe que nenhum deles fará, sob hipótese alguma, dos postos que ocupam instrumento de proselitismo eleitoral. Estes, por seu turno, se esmeram no esforço de corresponder à confiança do prefeito.

A conduta de João Paulo não é de agora. Vem desde o primeiro ano do primeiro governo, em 2001. De maneira espontânea, antecipou-se ao pleito de 2002 e anunciou perante toda a equipe que a todos estava assegurado o democrático direito de escolha entre Lula, Garotinho e Ciro Gomes, então candidatos à presidência da República, sem que diferentes opções viesse a significar mudanças na equipe de governo. “A nossa unidade em torno do projeto político-administrativo para a cidade estará mantida”, assinalou o prefeito na ocasião.

Essa conduta de João Paulo engrandece mais ainda a sua biografia de homem público. E merece o reconhecimento de todos nós.

Perfil dos (novos) consumidores

Esse é o lead de reportagem entrevista de circulação nacional: Com 190 milhões de habitantes espalhados no quinto maior território do planeta, o Brasil é saudado em seu hino como um "gigante pela própria natureza". Depois de uma longa e tenebrosa hibernação, parece que o gigante começou a se mexer -- e, quando um país desse tamanho resolve sair do lugar, a repercussão costuma ser mundial. É o que se vê atualmente. Crescimento econômico acima de 4% ao ano, multiplicação de empregos, acesso ao crédito e elevação da renda estão reproduzindo no país um fenômeno típico de sociedades avançadas: a criação de um mercado consumidor de massa, forte e cada vez mais complexo. Milhões de brasileiros têm aproveitado o bom momento da economia para experimentar, pela primeira vez, as delícias do consumo -- e legiões de outros esperam, ansiosos, a sua vez chegar.

Imagina qual a revista? Simplesmente Exame, da Editora Abril, que jamais foi simpática ao governo Lula. A reportagem, intitulada O retrato dos novos consumidores brasileiros, afirma que o Brasil passa por uma transformação sem precedentes no perfil de seus consumidores - são eles que ditarão as regras de um mercado próximo de chegar a 1 trilhão de dólares por ano.

20 abril 2008

História: 20 de abril de 1850

Arrojada fuga de Pedro Ivo Veloso da Silveira, prisioneiro da fortaleza de Lajes, Rio. Mas o líder militar da Revolução Praieira e da guerrilha de Água Preta morrerá pouco depois, aos 41 anos, no navio que o leva ao exílio. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Crônica do domingo

O correio postal e o correio eletrônico
Waldir Pedrosa Amorim

E-mail é semelhante às cartas que se recebia e se enviava antigamente aos amigos. A Internet veio resgatar a saborosa, mágica e romântica prática da correspondência entre as pessoas.
Recomendo a quem gostar de cinema, um filme com os títulos: Nunca te vi, sempre te amei, ou 84 Charing Cross Road. Durante vinte anos Helene Hanff (Anne Bancroft), uma escritora americana, se corresponde com Frank Doel (Anthony Hopkins), gerente de uma livraria londrina. São cartas de papel. O filme, que considerei maravilhoso, data de 1987.

Com o atual correio eletrônico, a facilidade das correspondências se tornou quase ao alcance do desejo. Alguns alegam a perda do encanto; eu cá comigo, comemoro a monumental evolução e preocupo-me com o modo de utilizá-la educada e humanamente.

Algumas coisas mudaram entre o comportamento de quem recebe uma carta e dedica um tempo a respondê-la. Na modalidade eletrônica tudo se dá em tempo real e imediato. Alguns programas de correio eletrônico até já inseriram a modalidade bate-papo dentro do correio. Esta é uma primeira reflexão a ser feita.

Existem cartas ou mensagens, que carecem do tempo de releitura, de fantasia, de degustação. Eu chamaria do tempo das intermitências do pensamento. Elementos pulsantes dentro de nós, abastecedores de temperos, convicções, dúvidas e sutilezas que nos ocupam nos devaneios.

Para a preservação de tal deleite humano, há que se pensar no outro, colocar-se com a significância que se possui para este, individualizá-lo, posto que não se trate de mais um correspondente de uma lista infindável. Dar-se ao prazer da escuta e o da resposta ao que foi abordado. Eu diria, não há regras, vale o limite da emoção, do carinho, do amor, do bem querer. O jogo de paciência, como nas cartas, quem faz são os envolvidos. Embora o correio eletrônico te oferte o imediato, não exija que o outro seja prisioneiro da sua compulsão ou apenas do seu capricho. Enfim, cartas e emails podem e devem ser românticos, amistosos, envolventes, construtivos denunciantes de afetos.

Contudo às vezes a facilidade do clicar e se repassar algo que te enviaram, complica a utilização do correio eletrônico de modo sensato, educado e humano. Comparo à correspondência em papel, onde de panfletos de propaganda a periódicos importantes tudo é possível lhe atingir. Aí as coisas complicam. Teu amigo, ou a pessoa a quem você envia mensagens, não pode passar a vida na frente de um computador, dedicado a ler tudo o que lhe chega. Responder nem se fala. Isto vira para ele um motivo de irritação. Lá sai o coitado a remover ou deletar, tudo o que vem reproduzido, copiado ou encaminhado por milhares de pessoas que nem você.

Algumas vezes, sequer se lembraram de escrever uma palavra delicada, de caráter pessoal e já anexaram a bendita cópia sequer lida. E isto fica evidente demais!

Resultado 1: ele deleta todas as tuas mensagens, ou as assinala como Spam, ou filtra para um local onde as apagará oportunamente de uma vez.

Resultado 2: ele bloqueia tuas mensagens. E fica furioso diante daquelas com: En: FW: Enc: FW: (o que indica que uma cadeia de indivíduos agiu igualmente a você; não pensaram, não escreveram, não comentaram, só repassaram).

Resultado 3: ainda que sua mensagem seja importante, não será mais lida. Teu amigo educadamente não te dirá nada.

Atente-se para o significado das palavras. Verifique a conseqüência das palavras, urgente e urgentíssimo, que você tão levianamente banalizou. Mesmo que te encontres à beira de um precipício e de uma catástrofe, mesmo que estejas sendo assaltad@, doente ou pedindo socorro, ninguém acreditará no teu pedido de urgência.

Os anexos são como uma encomenda, ou um documento que envias e recebes. Não gastarias dinheiro à toa com os serviços postais. Não desperdice tempo, paciência ou encha a caixa postal de outros, sem se certificar de que o conteúdo lhe provocará contentamento.

Reflita um pouco! Use melhor esta ferramenta que resolve muitos problemas, diverte, instrui, encurta caminhos e aproxima as pessoas. Mas lembra... Tua palavra para um amig@, vale mais do que milhares de citações dos melhores pensadores, escritores e poetas do universo.

Como as cartas de antigamente, certamente serão guardadas num arquivo especial.

Ciência brasileira

Ciência Hoje On-line
Levedura de cachaça contra a salmonela
Microrganismo envolvido na produção de aguardente é capaz de combater bactéria que causa diarréia
. Uma levedura envolvida no processo de produção da cachaça pode ser uma nova alternativa para combater bactérias do gênero Salmonella, que causam diarréias intensas. A descoberta foi feita em uma pesquisa desenvolvida na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Testes realizados em cultura de células humanas e em camundongos comprovaram que uma linhagem da levedura Saccharomyces cerevisiae neutraliza a ação nociva da salmonela no organismo de três maneiras.
. “Observamos que a levedura protege as células humanas contra a ação nociva da bactéria e secreta substâncias antiinflamatórias que reduzem os danos causados por ela”, explica o biólogo Flaviano Martins. “Além disso, ela possui a capacidade de atrair a Salmonella, fazendo com que a bactéria se ligue à superfície da levedura, e não ao epitélio intestinal”.
. Nos experimentos com os animais, o grupo de Martins mostrou que a linhagem em questão da levedura provocou um aumento na produção de anticorpos e na capacidade de eliminação da bactéria pelo sistema imunológico, ajudando a combater infecções causadas por ela. “Constatamos ainda que essa S. cerevisiae, após atravessar ilesa todo o trato digestivo, é capaz de impedir que a Salmonella se ligue às células intestinais”.
. Leia a matéria na íntegra http://cienciahoje.uol.com.br/117809

Gravidez indesejada

Na Folha de S. Paulo:
Quatro em cada dez filhos não foram planejados
. Pesquisa Datafolha sobre fecundidade mostra que fenômeno ocorre em todas as classes sociaisA maioria dos entrevistados afirmou que, se pudesse voltar no tempo, faria escolhas diferentes em relação ao número de filhos
. A mais nova pesquisa Datafolha sobre fecundidade mostra que mais de 50 anos depois da invenção da pílula anticoncepcional, quatro em cada dez gestações ocorridas no Brasil não foram planejadas.
. E, embora isso aconteça com mais freqüência entre os mais jovens (56%) e os mais pobres (44%), não é fenômeno exclusivo deles: entre os que estão no topo da pirâmide social, 34% tiveram filhos sem planejar.

18 abril 2008

História: 18 de abril de 1945

O povo na rua espera a libertação de Prestes
Anistia aos presos políticos, sob pressão de campanha de massas. Prestes é libertado após 9 anos de prisão. (Vermelho http://www.bermelho.org.br/).

Novo secretário de Saneamento

A posse, hoje, do novo secretário de Saneamento, ex-deputado José Marcos, do PR, assinala a ampliação da diversidade de correntes políticas no governo da cidade.

O novo secretário é um quadro experiente, que certamente contribuirá para o reforço da trajetória vitoriosa do governo João Paulo.

Farra dos bancos

. Está no Valor Econômico de hoje. Os bancos não esperaram o anúncio do aumento da Selic, quarta-feira à noite, para elevar os juros. Novas tabelas das taxas para financiamento de veículos chegaram às revendas de automóveis na terça-feira.
. As altas, neste primeiro momento, foram pequenas, entre 1,2 e 1,7 ponto percentual na taxa anual (que gira em torno de 30%).
. Mas novas elevações devem acontecer nas próximas semanas. O crédito para empresas também ficou mais caro. Levantamento do Valor Data com informações da CMA mostra alta média de 0,12 ponto percentual na taxa efetiva do capital de giro e desconto de duplicatas.
. Apesar disso, a expectativa é de continuidade da expansão do crédito.

17 abril 2008

Vale a pena ler

Coluna semanal no portal Vermelho:
Um ato de amor
Luciano Siqueira

Até quando nossa atividade profissional foi interrompida em razão das múltiplas atividades políticas (a prática médica exige dedicação total e exclusiva), era o trato com crianças nossa especialidade.

Envolvimento total. Costumava dizer que, numa enfermaria de hospital ou no ambulatório, às voltas com os pequeninos e seus pais, o mundo podia acabar que só ficaria sabendo no dia seguinte...

É que depois do curso de graduação, da residência médica geral e da pós-graduação em saúde pública, a pediatria se tornara uma atração irresistível.

Daí a satisfação com que manuseamos o livro Educar para a vida – como formar a criança cidadã, que Aníbal Gaudêncio e Josimário Silva (médicos), Inalva Regina (delegada de Polícia Civil) e Maurícia Figueirôa (enfermeira) trouxeram à luz há poucos dias atrás, com a chancela da Unimed Recife, por empenho pessoal de sua diretora-presidente Maria de Lourdes Araújo, nossa colega de turma Lourdinha, no fim dos anos sessenta, na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pernambuco.

Na introdução, muito modestamente Aníbal Gaudêncio afirma que o livro pretende ser “um instrumento de consulta, orientação e apoio a pais e responsáveis, contemplando inúmeras situações do cotidiano de crianças e adolescentes”. É muito mais do que isso: é um imenso ato de amor.

Em quatro capítulos – direitos de cidadania, educação, promoção da saúde e segurança infanto-juvenil -, ilustrados com bom-gosto e leveza, os autores nos tomam pela mão e nos conduzem a uma visita bem-humorada ao Estatuto da Criança e do Adolescente, a uma equilibrada e sensível abordagem da arte de educar sem nada impor, aos cuidados com a saúde e à prevenção de acidentes e da violência criminal.

O texto é otimista. Revela crença na condição humana e no exercício da liberdade. Em nenhum momento se lê reprimendas, ameaças ou determinações rígidas. Ao descrever os riscos inerentes ao alcoolismo, por exemplo, os autores não dizem “Não beba!”, apenas alertam que, segundo pesquisas, a iniciação se dá aos doze anos de idade, sob o estímulo do comportamento dos pais.

As conclusões ficam para o leitor, conforme sua concepção de mundo e a relação que deseja ter com os filhos. Mas uma citação de Simone de Beauvoir dá a medida da responsabilidade de cada um: “O futuro é resultado. Pode ser um desastre como resultado de nossa omissão, ou pode ser promissor, favorável e positivo, como resultado de nossa ação conseqüente, responsável e comprometida.”

(Se você deseja obter gratuitamente um exemplar do livro, clique aqui lucianosiqueira@uol.com.br que lhe indicaremos o caminho das pedras).

Bom dia, Marcelo Mário de Melo

Kandinsky
A propósito de determinada poesia

Alguma coisa de metal e gelo
retira do caminho toda surpresa.

Alguma falta de impulso e sopro
transforma o vestido em armadura.

Alguma pasta de cimento e cinza
encerra o arco-íris num capuz.

Alguma enrijecida engenharia
amarra o abraço em dobradiças.

Alguma coisa de boneca inflável
frustrando o sabor da carne viva.

No porta-aviões

Dá pra reconhecer? O governador Eduardo Campos e esse amigo de vocês, devidamente protegidos com capacete especial, no momento de uma demonstração de pousos e decolagens no porta-aviões George Washington, da Marinha norte-americana, ontem.

16 abril 2008

Até nossos corais!

Era só que faltava. Nossa costa tão rica em arrecifes de corais - um dos atrativos do turismo de lazer -, entra na crônica policial como objeto de exportações ilícitas.

É o que revelam as investigações da Operação Nautilus, da Polícia Federal.
Trata-se da exportação cada vez maior de algas calcárias. Sb falsa documentação, saíam do país pedaços de recifes de corais – que formam um dos mais importantes ecossistemas do mundo.

Avalia-se que, só neste ano, 90 toneladas do produto seriam vendidas, principalmente para os países da Europa.

Leilões de biodiesel garantem demanda do 3º trimestre

. A informação é da Agência Brasil. O governo federal garantiu o atendimento integral da demanda de biodiesel prevista para o terceiro trimestre com a contratação de 330 milhões de litros por meio de dois leilões (8º e 9º) promovidos na última semana pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O volume arrematado é suficiente para atender a expansão do mercado gerada pelo aumento da mistura de biodiesel ao diesel dos atuais 2% (B2) para 3% (B3), a partir de 1º de julho.
. Realizado na quinta-feira (10), o Oitavo Leilão de Biodiesel teve a participação de 17 empresas, de todas as regiões do País, das quais 16 venderam o produto — número recorde em um mesmo leilão. Foram negociados 264 milhões de litros. Na sexta-feira (11), foi promovido o Nono Leilão, que resultou na comercialização de 66 milhões de litros do produto. O leilão teve a participação de 15 empresas, das quais 12 venderam biodiesel.
. Sinal de maturidade em matéria de diversificação de combustíveis.

Contra o crescimento

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central aumentou a taxa de juro básica (Selic) em 0,5 ponto – de 11,25% para 11,75% –, interpondo, desse modo, um obstáculo à atual tendência de crescimento da economia.

Ponto para o sistema financeiro, perdas para o setor produtivo da economia e para os trabalhadores.

História: 16 de abril de 1984


Boneco do recém-falecido sen. Teotônio Vilela, no meio da multidão
Comício de 1,7 milhão de pessoas pelas Diretas-Já, no Anhangabaú, S. Paulo. É em números absolutos a maior manifestação de massas em 5 séculos de história do Brasil. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Campo de Carioca-Pão de Açúcar

No Vermelho:
Petróleo de Carioca: o que dizem Haroldo Lima e a World Oil
. O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Haroldo Lima, teve um dia cheio em Brasília nesta terça-feira (15). À noite, depois de uma entrevista para a TV Globo, ele falou ao Vermelho sobre as perspectivas da prospecção de petróleo no Brasil e a leitura que a imprensa fez de sua menção ao campo de Carioca-Pão de Açúcar. Para Haroldo Lima, se os especialistas dos Estados Unidos já tinham acesso às informações, "não havia por que os brasileiros não saberem".
. "Esclareci aos senadores que não houve nenhum anúncio de nenhum tipo de descoberta. Fui convidado (na segunda-feira, 14) por um grupo de pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas para falar sobre as perspectivas alvissareiras do Brasil no campo do petróleo. Citei as descobertas dos campos de Tupi. Falei do campo de Júpiter. E disse que havia expectativas no exterior de descoberta de um campo de 33 bilhões de barris, o terceiro maior do mundo e o maior já anunciado nos últimos 30 anos, cinco vezes maior que o campo de Tupi."
. "Esses dados foram recolhidos da revista World Oil de fevereiro de 2008. Já tinham sido repercutidos por outros órgãos internacionais e pela Agência Estado. Se os setores especializados dos Estados Unidos já tinham acesso às informações, não havia por que os brasileiros não saberem..."
. Leia a entrevista na íntegra http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=36075

Reforma tributária na agenda

Artigo semanal no Blog de Jamildo (JC Online):
A Marcha dos Prefeitos e a nova agenda da cidade
Luciano Siqueira

Na solenidade de abertura da 11ª Marcha dos Prefeitos a Brasília em Defesa dos Municípios, que acontece de ontem (terça-feira) até amanhã (quinta-feira), em Brasília, tendo como tema central “A Visão dos Municípios Sobre o Pacto Federativo”, o presidente Lula defendeu a cooperação mútua entre prefeitos, governadores e governo federal para atender as necessidades do cidadão.

Ninguém é contra. A prática tem demonstrado que o bom entendimento entre os três entes federativos – a União, os Estados e os Municípios -, um preceito constitucional, mostra-se útil e eficaz sobretudo quando focado em programas ou ações de reconhecido interesse da população - quando os papéis estão bem definidos e os recursos necessários devidamente viabilizados.

Mas o tema é complexo. Envolve, entre muitos aspectos, a crescente transferência de responsabilidades da União para o Município desde a Constituição de 1988; e a partilha do chamado bolo tributário, ou seja, do somatório da arrecadação de tributos, hoje concentrada na União Federal.

Em outras palavras: põe em relevo a necessidade de uma reforma tributária de sentido progressista como ponto obrigatório da nova agenda da cidade.

E nessa reforma ressaltam dois elementos que de certo modo estão contidos na motivação da Marcha dos Prefeitos: um é o peso dos tributos na vida da população mais pobre, pois “o financiamento do Estado brasileiro se baseia mais na tributação indireta, sobre o consumo, que é paga pelos mais pobres, do que nos tributos diretos – pagos sobre a renda e a propriedade”, como assinala Lécio Moraes em artigo na Revista Princípios (“A reforma tributária: entre a necessária e a possível”); o outro, as regras de repartição de receitas da União com estados (FPE) e municípios (FPM, ITR e IPVA), que pela proposta apresentada pelo governo ao Congresso Nacional permanecem como estão.

Daí o governo fazer questão de destacar, na abertura da 11ª. Marcha, o apoio que prestou à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que aumentou de 22,5% para 23,5% a parcela do IPI e do IR destinada ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM), aprovada em 2007, que resultou num aumento de R$ 465 milhões no repasse de verbas do fundo para as prefeituras. Este ano, esse valor triplicará, atingindo aproximadamente R$ 1,7 bilhão.

Muito longe de resolver o problema do financiamento dos Municípios.

Daí a responsabilidade dos futuros governantes de nossas cidades – a exemplo do Recife – na inclusão do tema na nova agenda a ser adotada.

Fora de combate


O dia hoje é quase todo tomado por uma visita, em companhia do gopvernador Eduardo Campos, ao USS George Washington, porta-aviões da Marinha norte-americana.

Partimos da Base Aérea do Recife poor volta das 10 horas e deveremos retornar em torno das 16 horas.

15 abril 2008

História: 15 de abril de 1906


Plenária do 1º Congresso
1º Congresso Operário Brasileiro, no Rio: 50 delegados, predomínio anarquista. Decide criar a COB (Confederação Operária Brasileira) 1ª Central sindical do país. Debate se é lícito operário fazer política e sindicato ter funcionário remunerado. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Medo de Lula

Veja o que publica hoje o Valor Econômico. A enorme apreensão que a possível chegada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao poder gerou nos mercados em 2002 contagiou a diretoria do Federal Reserve, o Banco Central americano, segundo transcrições das reuniões da diretoria no período. No dia 26 de junho, quatro meses antes do primeiro turno das eleições, o então presidente do Fed, Alan Greenspan, manifestou preocupação com o avanço da esquerda na América Latina: "A questão é se haverá contágio", disse Greenspan, após citar Brasil, Argentina, Colômbia e Venezuela como fontes de inquietação. "Contágio político se espalha? Pode ser, mas não sei bem em que direção. Por exemplo, eu não sei o que vai acontecer se as pessoas virem que o Brasil foi posto de joelhos por causa de uma campanha populista". O então presidente do Fed regional de Nova York, William McDonough, era o mais assustado. Ele classificou a situação do Brasil como um "perigo sempre crescente" e disse que o avanço de Lula nas pesquisas eleitorais criava o risco de uma "fuga maciça de capitais".
*
Que diriam esses senhores hoje diante da dificuldade do presidente Lula romper com os condicionantes macroeconômicos herdados de FHC? Mais: estariam mais assustados ainda em razão das mudanças ocorridas nos países vizinhos?

Conta de padaria

Se fosse uma conta de padaria, alguém teria prejuízo... O auditório Tabocas, do Centro de Convenções, tem 900 cadeiras. Estava lotado, ontem, por ocasião da plenária do PCdoB do Recife. Tanto que faltou espaço ara que se dispôs a permanecer de pé, e muita gente reclamou da falta de um telão do lado de fora, onde se aglomeraram mais pessoas que não conseguiram se acomodar no auditório.

Um dos jornais locais noticia o evento afirmando que reuniu apenas 500 pessoas. Coisa de quem não sabe fazer conta...

14 abril 2008

Nova fase

As plenárias de filiados e amigos do PCdoB, realizadas entre março e abril, representam uma nova fase nos preparativos para o pleito de outubro.

Foi assim em Olinda, será assim hoje, no Recife, na plenária que acontecerá no auditório Tabocas do Centro de Convenções, a partir das 19 horas.

Boa tarde, Cora Coralina

Aninha e suas pedras

Não te deixes destruir...
Ajuntando novas pedras
e construindo novos poemas.
Recria tua vida, sempre, sempre.
Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça.
Faz de tua vida mesquinha um poema.
E viverás no coração dos jovens
e na memória das gerações que hão de vir.
Esta fonte é para uso de todos os sedentos.
Toma a tua parte.
Vem a estas páginas
e não entraves seu uso
aos que têm sede.

Lula devia se acertar com o PT

Nessa querela do terceiro mandato está faltando Lula se acertar com o PT. Pois ao negar mais uma vez que não pensa em nova reeleição, o presidente que há uma "falta de assunto para a oposição". E aumentando o tom foi ainda mais duro na crítica, afirmando que "os mais preocupados com o terceiro mandato são os que não achavam ruim quando os militares ficaram 23 anos no poder. E os que aprovaram a reeleição".

Para ele, oito anos na presidência de um país é tempo suficiente para executar um programa de governo: "Pobre do governante que começa a achar que é insubstituível ou imprescindível. Está nascendo, dentro dele, uma pequena porção de autoritarismo ou de prepotência. E isso eu não carrego na minha bagagem política".

Mas é preciso reconhecer que o tema tem sido recorrentemente levantado por gente do próprio PT. Daí a oportunidade de uma boa conversa entre petistas e Lula.

Conteúdo e estilo de governo

No Vermelho:
Edvaldo Nogueira: ´O PCdoB foi quem deu régua e compasso`
. Primeiro militante da história do PCdoB a governar uma capital brasileira, o prefeito de Aracaju (SE), Edvaldo Nogueira, está cada vez mais perto do projeto de reeleição. Depois de consolidar seu nome dentro da base aliada, inaugurar com a presença do presidente Lula a maior obra viária da cidade, o Viaduto Jornalista Carvalho Déda, e alcançar os melhores índices de aprovação popular, refletidos no crescimento das pesquisas, colocou Aracaju em primeiro lugar no ranking das capitais brasileiras com melhor qualidade de vida.
. Levantamento recente do Ministério da Saúde, divulgado na última edição do Globo Repórter, mostrou que a capital de Sergipe desponta em índices como menor número de fumantes e de pessoas com excesso de peso; maior consumo de hortaliças e prática de exercícios físicos. Os excelentes resultados no bem-estar da população foram alcançados graças a uma forte presença do poder público no combate ao sedentarismo com o Programa Academia da Cidade, aos investimentos em quase 40 km de ciclovias, e à melhoria de parques e áreas de esporte e lazer.
. “A preocupação da administração de fazer o crescimento vinculado à qualidade de vida desde o primeiro momento foi fundamental nesse processo. O desafio para o futuro é continuar crescendo com qualidade de vida. Lutamos para chegar aonde chegamos e vamos continuar trabalhando ainda mais para não perder o ranking”, explicou Edvaldo Nogueira. Em entrevista ao ‘Vermelho’, o prefeito avalia as experiências bem-sucedidas do PCdoB em Olinda (PE) e Aracaju, do crescimento do partido em Sergipe e da duradoura aliança com o PT, considerada um exemplo para o país.
. Veja a entrevista na íntegra http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=35831

13 abril 2008

História: 13 de abril de 1843

Planta das seções de um navio negreiro
O navio tumbeiro (negreiro) Progresso (!), a caminho do Brasil, enfrenta tempestade com 400 cativos trancados no porão; 54 morrem sufocados e pisoteados. (Vermelho ww.vermelho.org.br).

O desmentido de Lula

Foi manchete dos grandes jornais ontem – mas hoje todos se sentem obrigados a publicar o desmentido do presidente, que nega ter sugerido aumento da taxa de juros, como deseja o Banco Central e o sistema financeiro.

Sobre a possibilidade de aumento da taxa básica de juros (Selic) na próxima reunião do Comitê de Política Econômica (Copom), bastou que Lula, em visita à Holanda, dissesse que uma eventual variação dos juros não traria nenhum "transtorno" para a economia, para que a mídia catalogasse a declaração como apoio ao aumento.

“Os juros irão aumentar quando for necessário aumentar e irão cair quando for necessário cair. Tenho dito ao ministro Meirelles [Henrique Meirelles, presidente do Banco Central] e ao ministro Guido Mantega [Fazenda] que é preciso que a gente não permita que volte a tensão toda vez que o Copom vai se reunir. Essa fase já passou, a economia está tranqüila”, disse Lula.Questionado hoje (12), em Praga se o depoimento do dia anterior significava apoio à alta dos juros, Lula respondeu: “Quem estiver achando [isso], está louco”.

12 abril 2008

O olhar (crítico) de Millor sobre arte sem conteúdo


História: 12 de abril de 1972


Dinalva Teixeira, a guerrilheira Dina, de afamada pontaria, com o marido Antonio, no Araguaia
5 mil soldados do Exército, Aeronáutica e PM atacam moradores do sul do PA. Militantes do PCdoB decidem resistir. Começa a Guerrilha do Araguaia, que enfrenta a ditadura por 3 anos. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

O buraco é mais embaixo

Segunda-feira próxima haverá reunião entre as cúpulas do PSDB e do DEM, em São Paulo, tem por objetivo tentar definir uma estratégia de longo prazo para a oposição, meio que perdida diante dos recordes de popularidade de Lula.

Não faz muito tempo, o atual presidente nacional dos tucanos, senador Sérgio Guerra, anunciava a busca de uma nova proposta programática para o seu partido. Em sentido semelhante também se pronunciavam dirigentes do Democratas (ex-PFL), por ocasião da mudança de rótulo.

É isso. O buraco é bem mais embaixo.

Expedição descobre novos vertebrados no cerrado

Ciência Hoje On-line:
Biólogos identificam 14 espécies desconhecidas em estação ecológica no Tocantins e na Bahia
. O cerrado brasileiro acaba de ganhar 14 novas espécies de vertebrados, identificadas em expedição realizada na Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins, que abrange os estados do Tocantins e da Bahia. A descoberta, feita por pesquisadores de diversas instituições do Brasil, reforça a importância de se aprofundar o conhecimento sobre esse que é um dos biomas mais ameaçados do mundo e já apresenta 50% de sua área original devastada.
. As espécies descobertas incluem oito peixes, três anfíbios, um mamífero, uma ave e um réptil. “Ainda não sabemos se esses animais só vivem naquela região específica ou se ocorrem em todo o cerrado”, diz o coordenador da expedição, o biólogo Cristiano Nogueira, do Programa Cerrado-Pantanal da ONG Conservação Internacional – Brasil (CI-Brasil). “Porém, estamos certos de que eles são endêmicos do bioma e, portanto, não existem em mais nenhum outro lugar do planeta”, completa.
. Um dos achados da expedição foi uma nova espécie de lagarto do gênero Bachia, bem adaptada aos solos arenosos. O pesquisador lembra que outras espécies do gênero também foram descritas recentemente no cerrado. Por ter seu hábitat progressivamente diminuído pela ocupação humana, esses animais já se encontram ameaçados.
Na Interpoética:
1964: Golpe também na poesia
por Marcelo Mário de Melo

Além de antidemocrático, antipopular e antinacional, o golpe de 1964 foi também antipoético. No dia primeiro de abril vi tombar na passeata, atingido por tiros de mosquetão, o companheiro Jonas Barros, cantando o hino nacional. Jovem militante comunista do Colégio Estadual de Pernambuco, Jonas escrevia poemas de muita sensibilidade e leveza.Também foram fuzilados Ivan Aguiar, comunista de Palmares e aprovado no vestibular para Engenharia, um homem e uma mulher não identificados. A bandeira nacional restou no chão enxovalhada, escapando das mãos do estudante de jornalismo Ivanildo Sampaio, na correria com os manifestantes para escapar das balas.

Os poetas Ângelo Monteiro e Albérgio Maia de Farias, que tinha 16 anos, foram presos no DOPS. Um dia, Albérgio foi comigo à Galeria de Arte, localizada numa estrutura de cimento construída sobre o Rio Capibaribe, em frente aos Correios. Emocionado, deixou pregado na paredes um poema de homenagem a Jonas – habituê daquele espaço - que começava assim: “Na galeria de arte/há um banco de saudade/e há gestos de futuro/quebrando a serenidade.”

Para comemorar a libertação de Newton Farias, militante bancário, irmão de Albérgio, foi marcada uma farra secreta nos fundos da venda do Velho Pires, no bairro da Soledade. Entre cervejas, canções e poemas, Rui Alencar sentenciou: “as noites de sábado dos poetas/alimentam a resistência dos patriotas.”

Estudantes de esquerda faziam o jornal O Secundarista, com boa tiragem e impresso em cores, idealizado e articulado por José Fortuna de Melo, meu irmão, o meu nome constando como secretário, editado por Rômulo Lins, onde publicavam poemas Albérgio Maia de Farias, Ângelo Monteiro, Marcus Accioly, Anamárcia Veinsenher, Luis Carlos Duarte, Rômulo Lins, Diógenes Caldas e outros. O jornal não pôde mais ser editado e os seus responsáveis e colaboradores que não foram presos tiveram de se esconder da repressão ou calar a voz.

Ângelo Monteiro incorporou-se às atividades políticas da esquerda e desenvolveu uma intensa militância estudantil, marcada pela declamação de poemas desse teor: “E os verdadeiros cristãos/de fé robusta e viril/ com o cano do seu fuzil/farão o sinal da cruz” .Também fazia longos discursos previamente decorados: “Como católico, ouço a voz de Sua Santidade o papa. Como revolucionário, ouço a voz de sua Santidade o povo.” Alberto Cunha Melo e Jaci Bezerra acompanhavam a esquerda nas disputas estudantis. Depois do golpe, Jaci editou e distribuiu no Colégio Estadual de Pernambuco um jornal mimeografado intitulado Letras.

Um subproduto poético publicado no Suplemente Literário do Diário de Pernambuco, em 1965, foi objeto de gozação de Stanislaw Ponte Preta na sua coluna na Última Hora do Rio. Era um longo texto do tenente-coronel Dácio Vassimom, chefe do estado maior do IV Exército, louvando a Cruzada Democrática Feminina com coisas assim: “pelas ruas do Recife desfilando/a corja comunista desacata/sem temer uma bala ou um sopapo/a lembrar o que foi Tejucupapo”. Nas citações que fez, Stanislaw não se referiu a versos: falou em pedaços.

Na clandestinidade, de vez em quando eu me lembrava da tirada de Rui Alencar sobre as noites de sábado dos poetas. De março de 71 a abril de 79 foram oito anos, 43 dias e 19 horas de prisão e poesia, entre a Casa de Detenção do Recife e a Penitenciária Professor Bareto Campelo, em Itamaracá. Perdi nos aparelhos clandestinos e nas fugas um volume datilografado com todos os meus textos. A partir daí, passei a decorá-los.

Também escreviam poemas na prisão, Chico de Assis, Juliano Siqueira (RN) e Cláudio Gurgel (RN) Chico Passeata (CE), Severino Quirino (o Poeta da Fome, de Caruaru), e Antônio Ricardo Braz, cirandeiro de Timbaúba. Recebi livros de Ângelo Monteiro e Luis Carlos Duarte, que ainda conservo. Minha obra completa de Castro Alves foi apreendida pelo major diretor da penitenciária, junto ao Aprendiz de Crítica, de Joel Pontes, e centenas de livros foram subtraídos dos presos políticos e revendidos em sebos. Contrabandeamos por partes o Poema Sujo, de Ferrreira Gullar, cuja leitura me fez subir um degrau na tabela do exercício físico.

Virando a página, o Os Quatro Pés da Mesa Posta, publicado pelas Edições Pirata em 1980, foi uma amostra de 38 dos meus poemas carcerários.

Bom dia, Jaci Bezerra


Linha d'água

Em Alagoas me achei, achando o mar,
desde então o conservo em mim, aberto,

porém nunca aprendi a soletrar
a insone cadência dos seus metros.

Talvez porque o mar, nervoso e inquieto,
no pacífico silêncio onde Deus viça,

não escreve nem repete o mesmo verso
no seu caderno de águas movediças.

Achando o mar me fiz cúmplice da beleza,
mas ao me consumir em suas chamas

soube que a alma é uma onda de incerteza
presa na cela da nossa areia humana.

Aprendi com o mar a ser constante
e a aceitar, sem pudor, as coisas frágeis:

a fazer da inconstância dos instantes
lembranças o mais possível perduráveis.

Entregue ao mar, pago ao mar o meu tributo,
e ao escutá-Io na minha humana cela,

sinto que o mar, fremindo longe e oculto,
me conta coisas que a ninguém revela.

Injúria tem orçamento próprio

No Vermelho:
Uma empresa injuriosa

A sentença contra Veja é mais um episódio de desmoralização da revista e da Editora Abril. Para a empresa, segundo o jornalista Luis Nassif, "o preço da injúria é, atualmente, de R$ 8,2 milhões que estão provisionados para o pagamento de ações cíveis de indenização por danos morais e/ou materiais decorrentes de matérias publicadas".

Na opinião de Nassif, mais de 90% dessas perdas se devem à Veja. O número não está disponível porque, segundo o jornalista, a Abril não informa "o que é passivo gerado pelas campanhas de Veja e o que é das demais publicações".

Nassif agrega: "Segundo o balanço da companhia, não há nenhum processo individual de valor relevante. Se não há, supõe-se que são inúmeros os processos abertos por calúnia, injúria e difamação".

Imprensa marrom punida

No Vermelho:
Juiz condena revista 'Veja' a indenizar deputado petista
A revista Veja foi condenada a reparar o deputado federal Carlos Abicalil (PT-MT) por danos morais. Foi o que deliberou o juiz de Primeira Instância da Comarca do Distrito Federal, Carlos Alberto Martins Filho.

A sentença favorável ao parlamentar foi publicada na última quarta-feira (9). Segundo o magistrado, Veja denegriu a imagem pública do deputado com informações levianas e injuriosas a respeito dele no texto "Não li e não gostei", na edição da revista de 11 de janeiro de 2006.

De acordo com o juiz, a Veja e o jornalista, autor da matéria, extrapolaram no direito de informar e noticiar fatos. "Não se limitaram à conduta marcada pela vontade de narrar", diz trecho da sentença. "Mas quiserem ofender."

"Ao noticiarem os fatos, com o uso de expressões injuriosas, fez a reportagem trabalho com menções e chamadas marcadas pela distorção", prossegue o despacho. "Nesse sentido, o que se percebe é que a liberdade de expressão e de comunicação caminha juntamente com o direito de ter as pessoas atingidas pelo trabalho jornalístico, de uma forma ou de outra, o acesso à notícia real, verdadeira e sem ser ofensiva ou lesiva."

Pela decisão do juiz, a revista terá que pagar indenização ao parlamentar, além de publicar a sentença na íntegra, quando transitada em julgado (decisão final). Caso haja recurso, o processo seguirá para o Tribunal de Justiça do Distrito Federal, onde será julgado em Segunda Instância.

11 abril 2008

Álcool em alta

Agência Brasil:
Consumo de álcool supera o de gasolina pela primeira vez em 20 anos
. O consumo de álcool (anidro e hidratado) superou o de gasolina primeira vez desde o final da década de 80, no auge do Pró-Álcool. Em fevereiro, o país consumiu 1,432 bilhão de litros, contra 1,411 bilhão de litros de gasolina, uma diferença de 21 milhões.
. A informação é do superintendente de Abastecimento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Edson Silva, ao lembrar que a previsão era de chegar a essa diferença somente em abril. Ele atribuiu o resultado à queda no preço do álcool comercializado nas bombas, aliada ao aumento das vendas de carros do tipo bicombustível (flex).
. Segundo a ANP, o consumo de álcool hidratado fechou o primeiro bimestre do ano com crescimento de 56%, em relação a igual período do ano passado, enquanto o de gasolina cresceu apenas 2,9% e o do diesel, 11,5%.Em janeiro do ano passado foram consumidos no país 1,520 bilhão de litros de gasolina e 1,088 bilhão de litros de álcool (anidro e hidratado). Já em dezembro, a diferença no consumo dos dois combustíveis chegava a menos de 100 milhões de litros, com 1,703 bilhão para gasolina e 1,604 bilhão para o álcool. E em janeiro deste ano, era de apenas 49 milhões, com 1,515 bilhão de gasolina consumida e 1,466 de álcool.
. Para Edson Silva, "esta é uma realidade que veio para ficar e com isso o país passa a consumidor em maior escala de um combustível ecologicamente mais limpo e proveniente de fonte renovável".

10 abril 2008

Ótimas relações com João Paulo

Carrega nas tintas e se equivoca quem julga que o relacionamento entre prefeito e vice-prefeito do Recife possa se alterar por diferenças de opinião acerca do cenário político.

Somos dois militantes amadurecidos na luta. Construímos ao longo dos anos uma relação de confiança e respeito mútuo muito sólida.

Ontem, antes do anúncio do ex-deputado José Marcos como futuro secretário de Saneamento, tivemos uma conversa fraternal acerca de questões administrativas e do desenho da disputa eleitoral de outubro. A repórter que me entrevistou a respeito certamente não compreendeu o sentido real de minhas palavras, daí o tom exagerado da matéria publicada hoje no Jornal do Commercio: infeliz no título (“Luciano diz que prefeito o isolou na disputa”) e no texto (“...e pode pôr em risco a cordial relação que o comunista mantém com o prefeito. O clima está tão tenso, que ambos tiveram uma dura conversa momentos antes da coletiva, ontem, que confirmou o ingresso do PR na Prefeitura.”).

Tem razão o Pequeno Príncipe: a linguagem é uma fonte de mal-entendidos...

Na Folha de Pernambuco a interpretação correta – Já a Folha de Pernambuco publica matéria sobre assunto, essa sim, correspondente à realidade no que se refere ao verdadeiro clima de relacionamento entre mim e João Paulo. “Siqueira disse que confessou a João Paulo e ao futuro secretário de Saneamento, José Marcos de Lima, que não teria condições de ainda tentar o apoio do PR, depois da oficialização do anúncio do ingresso da sigla no governo municipal. No entanto, com sua fidelidade ao PT, Luciano disse ao futuro secretário que ele terá uma “experiência rica” na administração petista. “Eu disse a José Marcos que ele viveria uma experiência rica, que é participar de um governo cujo prefeito tem um candidato e que o vice-prefeito também é candidato, e se mantém um relacionamento absolutamente correto, solidário, sem nenhuma rusga, sem dificuldade. Nós não somos adversários, somos concorrentes. Os adversários estão na oposição”, observou.”

Oposição sem bandeiras

Coluna semanal no portal Vermelho:
Ainda bem que não somos oposição
Luciano Siqueira

Esse título não quer sugerir que ser oposição é necessariamente ruim. Depende. Pode ser muito honroso e enriquecedor, além de política e historicamente necessário – um dever, portanto.

Fomos de oposição ao regime militar e aos governos Collor e Fernando Henrique Cardoso, e desse modo contribuímos, ao lado de milhões de brasileiros, para o restabelecimento das liberdades democráticas e para a sucessão de conquistas que redundaram na assunção de Lula à presidência de República.

É bom ser oposição, sim, quando se luta contra o que está errado alevantando bandeiras justas. Mas é péssimo quando não se tem bandeiras. E esse é o problema da oposição ao governo Lula. Tanto o bloco à direita, liderado pelo PSDB e pelo DEM; como à “esquerda”, feita por grupos como PSOL e PSTU. Pois, convenhamos, “dossiê” e “cartão corporativo” estão muito longe de significar bandeiras de luta.

Mas esses dois temas foram convertidos em bandeiras pelos dois extremos aparentemente opostos, porém unidos no interesse comum de torpedearem o governo no Senado e na Câmara, onde combinam obstrução da pauta com exibicionismo televisivo. É o campo que lhes resta, pois pobres em idéias alternativas ao novo rumo que o Brasil, a duras penas, vem trilhando, carecem de autoridade e de credibilidade para arregimentarem povo e travarem a batalha nas ruas.

Agora mesmo o Banco Central, com respaldo da grande mídia conservadora, ensaia a elevação da taxa de juros, medida que, associada a cortes significativos no Orçamento Geral da União, produziria, sem dúvida, um freio no crescimento da economia. A justificativa é a contenção de uma suposta pressão inflacionária. Mas a oposição faz de conta que passa ao largo do assunto, com o qual está, obviamente, comprometida até a goela. Concentra sua agitação nas CPIs. Puro diversionismo para enganar os bobos.

Daí porque de nossa parte, dos que hoje representam os setores populares na ampla coalizão governista e dos que tomam parte no movimento social, cabe esclarecer – como bem assinala Renato Rabelo – que os propósitos do Banco Central, no caso, refletem a luta entre dois caminhos no plano econômico – o desenvolvimento robusto, com crédito amplamente acessível e distribuição de renda versus o crescimento econômico contido, sustentado por juros altos permanentes, em benefício dos rentistas e especuladores.

Aí, sim. Deixar quem quiser bater boca sobre cartões e dossiês falando sozinho e mobilizar o povo em defesa do desenvolvimento do país.

História: 10 de abril de 1984

Comício de 1,2 milhão de pessoas pelas Diretas-Já, na Candelária, Rio. Leonel Brizola participa. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

Crescimento previsto

Relatório do FMI (Fundo Monetário Internacional) estima que o Produto Interno Bruto (PIB, a soma das riquezas produzidas no país) do Brasil subirá 4,8% neste ano – 0,3 ponto percentual a mais que a projeção divulgada em janeiro e mais de um ponto percentual superior aos 3,7% de crescimento global projetado para este ano.

Isso, claro, se a atual conjuração em favor do amento da taxa de juros não for vitoriosa.

Bom dia, Manuel Bandeira

Belo Belo

Belo belo minha bela
Tenho tudo que não quero
Não tenho nada que quero
Não quero óculos nem tosse
Nem obrigação de voto
Quero quero
Quero a solidão dos píncaros
A água da fonte escondida
A rosa que floresceu
Sobre a escarpa inacessível
A luz da primeira estrela
Piscando no lusco-fusco
Quero quero
Quero dar a volta ao mundo
Só num navio de vela
Quero rever Pernambuco
Quero ver Bagdá e Cusco
Quero quero
Quero o moreno de Estela
Quero a brancura de Elisa
Quero a saliva de Bela
Quero as sardas de Adalgisa
Quero quero tanta coisa
Belo belo
Mas basta de lero-lero
Vida noves fora zero.

Bancos insaciáveis

Está no Jornal do Brasil de hoje. O Banco Central ameaça elevar a taxa básica de juros na próxima semana, mas as instituições financeiras já se anteciparam à alta. Pesquisa divulgada ontem pela Fundação Procon de São Paulo, constata aumento nos juros do cheque especial e dos empréstimos pessoais. O consumidor que precisa recorrer ao cheque especial paga em média 8,49% de taxa ao mês. É o maior índice desde setembro de 2003. Segundo especialistas, o consumidor paga a conta por uma atitude preventiva dos bancos, que dão como certa a elevação dos juros pelo Banco Central.

09 abril 2008

A juventude e a nova agenda da cidade

No Blog de Jamildo (JC Online):
O ProJovem e a nova agenda do Recife
Luciano Siqueira

Acontece hoje, no Teatro Guararapes (Centro de Convenções de Pernambuco), às 18,30 horas, a solenidade de formatura de 489 estudantes da Estação IX do Programa Nacional de Inclusão de Jovens: Educação, Qualificação e Ação Comunitária (ProJovem/Recife).

O ProJovem atende aos jovens de 18 a 24 anos, sem emprego com carteira assinada e que estudaram até a 4ª série do ensino fundamental, mas não concluíram a oitava série.

O propósito do programa é proporcionar formação integral ao jovem, mediante a elevação da escolaridade, com a conclusão do ensino fundamental; a qualificação profissional com certificação de formação inicial; e o desenvolvimento de ações comunitárias de interesse público. É o caminho da re-inserção do jovem na escola, a identificação de oportunidades de trabalho e a capacitação, a identificação, a elaboração de planos e o desenvolvimento de experiências de ações comunitárias e a inclusão digital como instrumento de trabalho e comunicação.

Os formandos de hoje obtiveram, durante doze meses, aulas de todas as disciplinas do Ensino Fundamental II (5ª a 8ª série), além de cursos profissionalizantes de Telemática, Alimentação e Esporte e Lazer, através dos Arcos de Construção e Reparos, e atividades sociais e comunitárias em seus bairros.

Trata-se, sem dúvida, de um passo adiante na tentativa de proporcionar a uma parcela expressiva de nossa juventude uma nova perspectiva em suas vidas. O que de fato ocorre, em razão do crescimento real da economia e, em nosso caso, do início de um novo ciclo de crescimento com expansão das oportunidades de trabalho.

Este é um ponto indispensável de uma nova agenda do Recife, a ser encarada pelo próximo governo municipal. Os grandes empreendimentos industriais sediados principalmente no Complexo Portuário de Suape impulsionarão as atividades econômicas no estado, através de cadeias produtivas conexas, prenunciando a médio prazo uma duplicação do seu PIB, e gerando, no ambiente metropolitano – e no Recife, com destaque – um novo perfil de oportunidades no qual será possível inserir, em maior dimensão, jovens como os que hoje receberão o seu certificado.

Esta é uma das vertentes do que pensamos como política para juventude em nossa cidade.

Lula contra o terceiro mandato

Nada mais embaraçoso para um governo operoso e às voltas com sucessivas tentativas de obstrução no parlamento do que a emergência de temas extemporâneos e supostamente do seu próprio interesse.

Segundo o Jornal do Brasil de hoje, em reunião com senadores, o presidente Lula teria desautorizado qualquer iniciativa que lhe permita disputar nova reeleição. Segundo o senador Cristovam Buarque, presente ao encontro, Lula prometeu romper com o PT se o partido lutar pela proposta.

A se confirmar o fato, Lula terá agido corretamente. A pauta da base aliada deve se centrar nos grandes projetos de governo para impulsionar o desenvolvimento.

Em conexão com o mundo

O governo federal lançou ontem o Programa Banda Larga nas Escolas, que proporcionará que mais de 37 milhões de alunos de 56 mil escolas da rede pública do país tenham acesso rápido e gratuito à internet no ambiente escolar até 2010.

O objetivo é oferecer acesso à internet com velocidade até dez vezes superior à média registrada atualmente pelo usuário de internet no Brasil, beneficiando diretamente 86% dos estudantes da rede pública.

E é pra já. Além da instalação, as operadoras de telecomunicações vão oferecer a ampliação periódica da velocidade para manter a qualidade e a atualidade do serviço durante a vigência da oferta, até 2025. O cronograma prevê, este ano, o atendimento a 40% do total das escolas previstas. Em 2009, o serviço será estendido a outros 40% e, em 2010, aos 20% restantes. Com base na infra-estrutura identificada pelas operadoras, será possível instalar a rede em duas mil escolas até junho.

Sem dúvida uma ferramenta de grande potencial pedagógico, se devidamente aproveitada.

De volta ao nosso convívio

Desde sábado esse amigo de vocês andou mal das pernas. De início, uma indisposição gástrica, e em seguida essa virose que vem e vai rápido, porém deixa o sujeito fora de ritmo.

Mas hoje é novo dia e tudo parece em ordem. E cá estamos de novo – para a troca de informações e idéias com os que aqui comparecem.

07 abril 2008

História: 7 de abril de 1831


O protesto no campo de Santana (hoje Pça. da República), por Rugendas
Revolta do povo e da tropa nas ruas do Rio obrigam d. Pedro I a abdicar (em favor do filho de 5 anos) e sair do Brasil. Conclui-se a independência de Portugal. Escolhida a Regência Trina Provisória, que pede moderação aos manifestantes. (Vermelho http://www.vermelho.org.br/).

06 abril 2008

É hoje, às 17 horas

Será lançado hoje, domingo (06/04), às 17 horas, na Livraria Cultura do Paço Alfândega o livro Nação Xambá: do terreiro aos palcos. De autoria da jornalista e pesquisadora Marileide Alves, aprovado pelo Programa BNB de Cultura do Banco do Nordeste, o livro tem como objetivo principal o resgate e preservação da história de lutas e resistência do povo Xambá e do terreiro Ilê Axé Oyá Megu, do Quilombo do Portão do Gelo, em Olinda/PE.

05 abril 2008

Anos de chumbo

Vesti azul
Urariano Mota

Quando vem o primeiro de abril, sempre me lembro do que chamavam a revolução de 31 de março. A história oficial sempre antecipou em um dia o golpe de 64 para evitar o ridículo. E aqui e ali volta para mim o terror daqueles anos na forma de pessoas e canções. Lembro, por exemplo, de Eremias Delizoicov, a quem conheci na Escola Técnica Federal de São Paulo. O menino que eu vira em 1968 não anunciava o cadáver de 18 anos, perfurado de balas, o rosto irreconhecível porque uma só ferida, os cabelos tão úmidos, tão grossos por coágulos de sangue, que davam a impressão de flutuar no chão seco. Nada havia naquele cadáver que lembrasse o jovem que eu conhecera. Eremias não era aqueles olhos apertados, a boca aberta à procura de ar, a lembrar um afogamento.

“Vesti azul, minha sorte então mudou. Vesti azul, minha sorte então mudou...”, não, não pensem que enlouqueci. Há uma coerência entre essas canções despretensiosas, alegres, leves, e os cadáveres dos terroristas na ditadura militar. Não pensem jamais que vicejam hinos do Drácula em épocas sombrias, de repressão. Pelo contrário.

Na Escola Técnica Federal de São Paulo, Eremias Delizoicov foi a minha salvação no meio daqueles meninos burgueses, lembro. A Escola Técnica daqueles anos possuía alunos da elite econômica do Brasil. Certo dia, percebi que um jovem gordo, que se vestia com blusões de couro tão natural como uma segunda pele, era filho do dono da Aços Villares. E eu então me encolhi mais em minha camisa de algodão, nos 10 graus do inverno paulistano. A conversa daqueles alunos toda era sobre carros, motos, motores, esportes.

Onde um amigo, uma alma, um leitor, um irmão que entendesse e falasse sobre Platão, Descartes, os grandes inventos da humanidade, a música de Chopin? Quando me perguntavam sobre máquinas, potências de motores, eu lhes respondia que mais me preocupava O Discurso do Método. Um ridículo imenso caía então sobre o nordestino que não possuía nem bicicleta.

“Pensam que a pobreza é lixo, e que rapaz pobre não tem coração”. Não, não pensem que enlouqueço ao lembrar essas canções melosas, adocicadas, daqueles férreos anos. “Estava na tristeza que dava dó, vivia amargamente e andava só”, lembro, tão nitidamente quanto lembro a diferença, o contraste dessa canção com a vida que não poderia brotar, de um mundo reprimido naqueles anos. “Que azul é a cor do céu, e do seu olhar também... Vesti azul, minha sorte então mudou”, cantava Simonal. Por não ter camisa azul, eu procurava o azul do espírito. Uma coisinha estúpida, a procurar uma alternativa que não fosse pular fora da vida.

Ao escrever agora, não resisto ao impulso de desejar o impossível, que fôssemos mais maduros em 1968. Se não maduros, pelo menos profetas, leitores do futuro, videntes.

A morte torna as pessoas mais razoáveis e transparentes à humanidade. Se não todas as mortes, pelo menos algumas dão um vulto a essas pessoas que antes não víamos. Eremias morreu como um herói, permitam-nos dizer. O aparelho onde estava caíra. Fora entregue por um outro jovem preso, que não suportara as torturas. Cercado por forças do Exército, Eremias sozinho resistiu. Resistiu à bala, sem nenhuma esperança. A distância nos permite dizer que ele, naquele tiroteio cerrado, chamava a atenção dos demais companheiros fora. Que a casa não era mais segura, para ninguém. Outra hipótese que nos ocorre é a de ele saber que não havia mais saída, se caísse vivo. A saber, não haveria mais saída de continuar vivo, sem delatar.

Talvez ele tenha querido evitar, no fim e enfim, ser uma coisinha estúpida, a balançar nervoso numa câmara de tortura. Algo estúpido, tão estúpido quanto um “Vesti azul” de primeiro de abril.
(Publicado no Direto da Redação, em http://www.diretodaredacao.com/site/noticias/index.php?not=3825)